Basquetebol: Panathinaikos bate Real Madrid (80-95) conquista o sétimo título da Euroliga

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Basquetebol: Panathinaikos bate Real Madrid (80-95) conquista o sétimo título da Euroliga

Sloukas passa para o cesto contra Poirier
Sloukas passa para o cesto contra PoirierAFP
Os homens de Chus Mateo começaram melhor o jogo, mas não encontraram soluções ofensivas após o intervalo, depois de terem marcado apenas sete pontos no terceiro quarto e 26 na segunda parte. Sloukas e Nunn lideraram o triunfo grego. Em Madrid, o esforço de Campazzo e Musa não foi suficiente. Os Blancos não podem revalidar o título conquistado no ano passado frente ao Olympiacos. Apesar disso, atingiram esta época a sua terceira final consecutiva da Euroliga, uma verdadeira barbaridade.

Real Madrid 95-90 Panathinaikos

A final inédita entre as duas melhores equipas da Europa começou com um grande ambiente, devido à presença de muitos adeptos gregos, embora os adeptos espanhóis também estivessem presentes. Chus Mateo voltou a confiar em Eli John Ndiaye e este respondeu com oito pontos consecutivos sem falhar, graças a dois triplos e um cesto de dois pontos.

O Real Madrid construiu assim uma boa vantagem para assumir o controlo do jogo durante o primeiro período, graças à liderança de Campazzo e ao sucesso de Musa. 36-25 no final do primeiro quarto.

Mas no segundo, o Panathinaikos acordou. Passou de uma desvantagem de 41-27 para uma vantagem sobre a equipa espanhola com um parcial de 5-18, graças a seis pontos consecutivos de Mathias Lessort, Sloukas e Grant. O Madrid pressionou nos minutos que antecederam o intervalo e foi para o balneário com uma vantagem de cinco pontos (54-49).

Na segunda parte, a equipa de Mateo entrou no jogo falhando quatro triplos seguidos e isso reflectiu-se no marcador. O Panathinaikos foi diminuindo a diferença e um lançamento de três pontos de Kendrick Nunn levou os adeptos gregos ao delírio, ao verem a sua equipa assumir a liderança pela primeira vez no jogo (56-58, 24 minutos).

A partir desse momento, o jogo tornou-se mais complicado, os golos escassearam e as duas equipas começaram a perder o brilho das suas defesas. O Madrid entrou em colapso ofensivo e realizou aquele que poderia ter sido o pior período da época, do qual saiu relativamente ileso. O parcial era de 7-15, os números eram maus e o resultado era de 61-64. Três pontos para o Atenas antes do último período.

Nos últimos 10 minutos, a intensidade do marcador regressou. Llull colocou o Madrid a dois pontos com um triplo, mas Sloukas aumentou a vantagem. Ambos os jogadores voltaram a marcar de 6,75, mostrando a sua qualidade apesar do passar dos anos.

Mas o Madrid não conseguiu resistir à troca de golpes. Nunn voltou a marcar com facilidade e Campazzo cometeu a sua quinta falta pessoal, o que colocou os gregos em vantagem de 10 pontos, após um lançamento de três pontos de Dinos Mitoglou. A liderança de Sloukas (MVP e terceiro título com três equipas diferentes) foi determinante, bem como a seca de golos do Madrid na segunda parte, em que apenas marcou 26 pontos.

Um espanhol como Juancho Hernangómez é proclamado campeão europeu. Cinco pontos, quatro ressaltos e uma assistência na final para um jogador que já sabe o que significa ser campeão europeu e mundial com a Espanha.

Em termos de pontuação, o próprio Kostas Sloukas foi o melhor marcador, com 24 pontos (4/4 triplos, 14/15 lançamentos), seguido de Kendrick Nunn (21) e Mathias Lessort (17+6). Pelo Real Madrid, os melhores jogadores foram Dzanan Musa com 15, Facundo Campazzo com 12 e Chacho com 11.