Federação angolana anula jogo da Supertaça e início do Girabola após suspensão de clubes

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Federação angolana anula jogo da Supertaça e início do Girabola após suspensão de clubes
Petro Luanda foi campeão
Petro Luanda foi campeão
Petro Luanda
A Federação Angolana de Futebol (FAF) cancelou o jogo da Supertaça de Angola entre o Petro de Luanda e a Académica do Lobito, agendado para domingo, e o início do Girabola, dentro de duas semanas, após suspender clubes.

A informação foi avançada pelo presidente do Conselho Técnico Desportivo da FAF José Neves.

“Em virtude do comunicado oficial da FAF, informamos que fica adiada a realização do jogo da Supertaça, agendado para o dia 3 deste mês, bem como o início do Girabola, no dia 15 de setembro, enquanto aguardamos por mais desenvolvimentos sobre as reações deste mesmo comunicado”, disse.

O Petro de Luanda, treinado pelo português Alexandre Santos, foi suspenso de toda atividade desportiva por um período de dois anos, por alegado “não cumprimento do dever de colaboração a que está adstrito com a FAF, no âmbito do processo disciplinar instaurado”, e a Académica do Lobito foi sancionada com pena de descida de divisão, por alegado ato de corrupção na Taça de Angola.

Em causa está um áudio, que vazou em junho nas redes sociais, no qual o treinador da Académica do Lobito Agostinho Tramagal, também suspenso, afirmou ter recebido do Petro de Luanda três milhões de kwanzas, como incentivo para vencer o 1.º de Agosto na Taça de Angola, e na sequência, ficar com um milhão para si e dividir o restante da quantia financeira aos jogadores.

No mesmo áudio esteve também implicado o jogador do Petro Márcio Luvambo, que confirmou que o emblema que representa consumou a ação.

Kabuscorp contesta decisão

Num comunicado divulgado, o clube angolano acusa o organismo de “ambição desmedida”.

“A Direção do Kabuscorp Sport Club do Palanca sempre alertou à família do futebol angolano da ambição desmedida do Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol e o teor do comunicado de 31 de agosto confirma que nunca há uma segunda oportunidade para a primeira impressão”, lê-se na nota.

O órgão disciplinar na FAF puniu o Kabuscorp do Palanca com a pena de descida de divisão, para o segundo escalão, por suspeitas de corrupção durante o apuramento para o Girabola, e suspendeu o presidente do clube, Bento Kangamba, por quatro anos.

Para o clube, a decisão configura “um guião de insultos e criatividade ignóbil”.

A direção “apela à tranquilidade dos atletas, equipa técnica, sócios, adeptos e simpatizantes, garantindo que o plantel continua a sua preparação para o Girabola 2023/2024 no qual a equipa sénior masculina de futebol vai participar”.