Foi mesmo um filme, com herói, vilão e drama até final: Benfica e Inter empatam (3-3)

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Foi mesmo um filme, com herói, vilão e drama até final: Benfica e Inter empatam (3-3)
Atualizado
Alexis Sánchez assinou, de penálti, o terceiro golo do Inter
Alexis Sánchez assinou, de penálti, o terceiro golo do Inter
Opta by Stats Perform
O Benfica empatou esta quarta-feira, a três golos, na quinta jornada do Grupo D da Liga dos Campeões. Num jogo de loucos, os encarnados chegaram ao intervalo a ganhar por 3-0, viram o Inter chegar à igualdade na segunda parte e ainda enfrentaram a reta final reduzidos a dez elementos, depois do VAR ter visto lance para vermelho direto de António Silva. Os encarnados somaram o primeiro ponto na Champions, num empate bem amargo na Luz.

Recorde as incidências da partida

Já apurado, mas ainda com o primeiro lugar do grupo em discussão, Simone Inzaghi teve de fazer uma opção e privilegiou o duelo do fim de semana, diante do Nápoles, na Serie A, tendo feito oito alterações no onze do Inter. Em relação à equipa que defrontou a Juventus (1-1) apenas Darmian, De Vrij e Acerbi mantiveram-se na equipa inicial.

As grandes novidades foram o guarda-redes Emil Audero, de 26 anos, que fez a estreia absoluta em 2023/24 e pelo clube italiano, e na defesa Yann Bisseck, ex-V. Guimarães, que fez apenas o seu quarto jogo esta temporada.

Já do lado do Benfica, Roger Schmidt repetiu o onze do jogo com o Famalicão, para a Taça de Portugal, com Casper Tengstedt como principal referência ofensiva.

Os onzes iniciais e as notas finais dos jogadores
Flashscore

Aí vai um

O Benfica entrou confiante, a trocar a bola, perante o bloco baixo do Inter. Aos 3 minutos Di María deu o primeiro aviso, num cruzamento, quando já apareciam Tengstedt e João Mário ao segundo poste, mas a defesa do Inter cortou.

Aos 5 minutos surgiu mesmo o primeiro golo: grande passe de António Silva, Tengstedt, de cabeça, a deixar para João Mário que, de pé esquerdo, fez o 1-0. O lance foi anulado, numa primeira fase, por fora de jogo do avançado dinamarquês, tendo sido o VAR a validar a posição e a levar ao primeiro momento de festa no Estádio da Luz.

O Inter tentou reagir e, aos 10 minutos, Asllani, num remate de meia distância, testou Trubin, que encaixou com segurança. Um minuto depois, Tengstedt na tentativa, à figura de Audero.

Aí vão dois

Aos 13', contudo, uma perda de bola na saída do Inter para o ataque culminou no segundo golo do Benfica, numa recuperação de bola de Rafa, cruzamento de Tengstedt, um ressalto em Rafa e João Mário, uma vez mais, a festejar perante a sua antiga equipa. A lei do ex bateu à porta e logo por duas vezes.

Aos 23 minutos, numa bela jogada coletiva, Di María, em zona frontal, a finalizar um lance iniciado numa recuperação de Florentino, mas com a bola a passar por cima da barra da baliza do Inter.

Aos 26', a primeira jogada de golo iminente do Inter, que surge na sequência de um mau passe de Di María, com Arnautovic a fugir a Otamendi e a rematar para bela intervenção de Trubin, a fazer a mancha perante o avançado austríaco.

E aí vão três: a lei do ex no seu expoente máximo

Aos 34 minutos, os suspeitos do costume e João Mário a deixar ainda menos saudades aos adeptos do Inter, clube onde passou sem grande sucesso. Em novo lance de insistência de Tengstedt pela direita, cruzamento do dinamarquês, um desvio na área, onde também estava Rafa, e João Mário, solto, a encostar para completar o primeiro hat trick da sua carreira.

Aos 43 minutos, na sequência de um pontapé de canto, Carlos Augusto, em posição privilegiada, à entrada da área, pegou mal com o pior pé, o direito, e rematou por cima da baliza de Trubin.

Estatística da partida ao intervalo
Opta by Stats Perform

A reação italiana

Sem alterações para a segunda parte, o Inter tentou reagir desde o início e aos 49 minutos Trubin defendeu para canto uma tentativa de Carlos Augusto. No minuto seguinte, de livre direto, Alexis Sánchez colocou ao meio e Trubin sacudiu para canto.

Na sequência dessa bola parada, Arnautovic surgiu ao segundo poste, após toque de cabeça de Bisseck, para fazer o 3-1. O lance foi inicialmente anulado, por fora de jogo, mas posteriormente validado pelo VAR. 3-1 aos 52 minutos.

Aos 58 minutos, uma vez mais o Inter a explorar a passividade defensiva do Benfica, com Acerbi a surgir na esquerda e a cruzar para Frattesi que, com uma bela finalização, fez o 3-2 para o Inter Milão e relançou a partida.

Fúria italiana com auxílio do banco

Perante a recuperação e reação dos jogadores, Simone Inzaghi mexeu em dose tripla, aos 68 minutos, lançando Cuadrado, Barella e Thuram. Na primeira vez que tocou na bola, aos 69 minutos, Marcus Thuram foi derrubado dentro da área, por Otamendi, e o árbitro não teve dúvidas em assinalar grande penalidade. O lance ainda foi analisado pelo VAR, a decisão manteve-se e Alexis Sánchez, da marca dos 11 metros, bateu Trubin e fez o 3-3 aos 72 minutos.

O Benfica foi encostado ao canto, combalido, mas tentou levantar-se para, no último quarto de hora, conseguir tirar deste jogo algo mais. Aos 75 minutos Tengstedt, após cruzamento de Di María, falhou por pouco o desvio. Aos 77' Simone Inzaghi voltou a mexer, lançando Dimarco no luga de De Vrij, antes da bola parada de Di María, para Morato cabecear desviado.

Chuva, brilho e expulsão

Os nervos estavam à flor da pele, nem a chuva quis perder este duelo de loucos e, para a reta final, Roger Schmidt lançou Kokçu e Musa nos lugares de Florentino e Tengstedt. Simone Inzaghi respondeu, tirando Alexis Sánchez para lançar Lautaro Martínez.

No ataque e contra-ataque, aos 83 minutos, João Mário acelerou, rematou contra a defesa italiana e, na recarga, Di María atirou fortíssimo e Audero, em voo, junto à barra, negou o 4-3 e desviou para canto.

O que faltava a este jogo? Uma expulsão. No lance aos 83', precisamente antes do contra-ataque conduzido por João Mário, António Silva derrubou Barella. O VAR chamou o árbitro a ver as imagens e alterou a decisão, retirando o amarelo a mostrando o vermelho direto ao jovem central dos encarnados, aos 86 minutos.

A superioridade no marcador de três golos esfumou-se, a igualdade em número de jogadores em campo também, e aos 89 minutos Roger Schmidt prescindiu de Di María para colocar Tomás Araújo na posição deixada em aberto por António Silva.

Segundos depois, Rafa fugiu em velocidade e, pressionado por Bisseck, conseguiu o remate cruzado, ao lado da baliza do Inter. O avançado do Benfica pediu canto, Roger Schmidt também e viu amarelo, perante os protestos.

Nem a chuva refrescava os ânimos e os 9 minutos de compensação não ajudaram a sossegar os corações.

Aos 90+5 minutos, a pulsação parou mesmo, quando Barella atirou com estrondo ao ferro da baliza de Trubin.

No último dos nove minutos, Roger Schmidt ainda lançou Chiquinho e Tiago Gouveia nos lugares de João Mário e Rafa Silva mas o jogo acabaria segundos depois.

O Inter mantém em aberto o primeiro lugar do grupo, bastando um empate com a Real Sociedad, enquanto o Benfica está obrigado a marcar dois golos na Áustria para, pelo menos, seguir para a Liga Europa.

Estatística final da partida
Opta by Stats Perform

Homem do jogo Flashscore: João Mário (Benfica)

O mapa de calor de João Mário
Opta by Stats Perform/AFP