Chuva de golos em Vizela acaba com mal menor para o Estoril (3-3)

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Chuva de golos em Vizela acaba com mal menor para o Estoril (3-3)
Essende fez os dois primeiros golos da partida
Essende fez os dois primeiros golos da partida
LUSA, Opta by Stats Perform
Jogo épico em Vizela. Com muita chuva e vento à mistura, houve uma fartura de golos penalizadora para as duas equipas. O Vizela esteve a vencer por 2-0 quase até ao final, permitiu a reviravolta com um golaço de Guitane, mas resgatou o empate (3-3) frente ao Estoril no último lance do jogo, num golpe de cabeça de Lebedenko. Essende bisou, mas foi Domingos Quina que encantou num jogo que vai ficar na lista dos melhores desta edição da Liga Portugal.

Recorde as principais incidências

O tempo chuvoso deixa a maioria das pessoas em casa. Para quem joga futebol, no entanto, não há muito melhor do que ver a bola rolar em dia de chuva. Claro que para isso é preciso ter um bom relvado, que foi o que se viu em Vizela, e muita energia para contrariar o vento e a situação complicada das duas equipas no campeonato.

As pontuações dos jogadores
Flashscore

Em dia de dilúvio, só mesmo um peixe podia nadar no Municipal de Vizela e a verdade é que a equipa de Rúben de la Barrera pareceu um verdadeiro cardume assim que saiu do balneário.

Unidos, os jogadores vizelenses entraram com tudo na receção ao Estoril. A vontade de chegar cedo ao golo para fugir ao último lugar, depois da perda de pontos do Chaves, era tanta que Essende até chegou uns milímetros mais cedo ao passe de Matheus Pereira desde a esquerda.

O lance não deu remate, mas foi o prólogo de uma primeira parte de espetáculo garantido, mesmo que o temporal fizesse resguardar os corajosos adeptos que se deslocaram até Vizela.

O Estoril, com novidades no onze, até porque Rodrigo Gomes e Bernardo Vital estavam castigados, não se quis ficar, mas não teve barbatanas para acompanhar o ritmo altíssimo do conjunto vizelense.

Quando há um jogador com o nome Domingos em campo, o que esperar neste dia de fim de semana? Quina, promessa de uma geração de talento portuguesa, navegou pelas águas de Vizela para procurar Essende. O avançado andava perto, a rondar a presa que era a baliza de Dani Figueira, mas não conseguia chegar a tempo.

A história do jogo até podia ter sido bem diferente. É que o Estoril, com menos volume ofensivo, esteve muito perto de abrir o marcador. Lebedenko fez o corte de uma vida, depois de uma defesa incompleta de Buntic, e evitou o golo canarinho. Poucos minutos depois, Essende chegou a tempo.

Tiago Araújo, que minutos antes tinha estado no tal lance do Estoril, teve uma má abordagem ao lance e Domingos Quina teve engenho na forma como endereçou o cruzamento para Essende. Apesar de não ser dia útil, o avançado recebeu finalmente a encomenda com um golpe de cabeça para o fundo da baliza de Dani Figueira.

Desde o banco de suplentes, de la Barrera gostava, especialmente depois de ver a equipa chegar ao 2-0 num daqueles lances que os críticos dizem ser os mais difíceis, de tão simples que parecem a cada repetição.

A dupla Quina-Essende (36 minutos) voltou a aproveitar o facto de a defesa estorilista meter ainda mais água para fazer o 2-0. Agressividade e simplicidade, desta feita para aproveitar o mau posicionamento de Volnei.

Antes do intervalo, a maré parecia querer mudar, por muito que parecesse apenas ser só mais um dia de chuva para o Estoril, em que o melhor teria sido ficar em casa, a ver uma série e a ler notícias no Flashscore.

No espaço de três minutos, os canarinhos deram um sinal do que viria a acontecer no segundo tempo. Zanocelo (42 minutos) rematou ao poste na sequência de um canto e houve ainda um penálti assinalado por mão de Matheus Pereira, que acabou invalidado uma vez que João Marques estava fora de jogo.

As estatísticas da partida ao intervalo
Opta by Stats Perform

Se o equipamento pesava pela quantidade de chuva que foi caindo em Vizela, para o Estoril pesava ainda mais a forma como a equipa não conseguia afirmar-se frente ao último classificado da Liga Portugal, bem superior até então.

Por isso, Vasco Seabra pediu mais aos seus jogadores, nem que fosse para equilibrar os níveis de agressividade da equipa do Vizela, que apresentou bem menos futebol na segunda parte.

Loucura até fez parar a chuva

Por desgaste e talvez pelo resultado, a equipa de Rúben de la Barrera transformou-se na segunda parte e aos poucos foi perdendo o controlo da partida. Para uma equipa que está numa situação tão delicada da tabela, sabia-se que esta podia ser uma postura perigosa.

É certo que as melhorias estorilistas não tinham produzido grandes lances de perigo, de tal forma que João Carlos ensaiou um remate digno das melhores equipas de râguebi e atirou a bola para fora do Municipal, mas duas carambolas num dia propício para isso mesmo foram suficientes para penalizar o Vizela, que até tinha criado boas ocasiões minutos antes... de sofrer dois golos.

É tão difícil explicar como foram os golos como apontar o nome de quem os marcou. Alejandro Marqués está na jogada (83 minutos), depois de um canto cobrado à direita, com Diogo Nascimento no lance e Buntic muito mal na fotografia. Dois minutos depois, foi um corte de Anderson Jesus a bater em Bruno Costa (85 minutos) e a acabar no fundo da baliza do Vizela.

Com um final destes, pode parecer demasiado escrever que o melhor estava guardado para o fim, mas a verdade é que Rafik Guitane, que andou escondido quase toda a partida, guardou forças para brincar na relva molhada de Vizela e, já sem chuva, ultrapassar toda a defesa vizelense para fazer a reviravolta mais surpreendente do campeonato (90'+3).

Momento do jogo? Esse ou... o 3-3 do Vizela! Sim, ainda houve tempo para Samu, de canto, colocar a bola na área e encontrar a cabeça de Lebendenko, o tal que tinha evitado um golo certo no primeiro tempo.

Contas feitas e ninguém ficou contente. De equipamento enlameado e corpo gelado, o resumo ditou um ponto sem sabor para nenhum dos conjuntos, como deu para perceber pelos rostos desolados dos jogadores das duas equipas no final.

Melhor do jogo Flashscore: Domingos Quina (Vizela)

As estatísticas do final da partida
Opta by Stats Perform