Presidente do Nacional diz que é preciso "reforçar todas as posições" do plantel

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Presidente do Nacional diz que é preciso "reforçar todas as posições" do plantel

Presidente aguarda pelo que vai acontecer na região quanto aos apoios financeiros
Presidente aguarda pelo que vai acontecer na região quanto aos apoios financeirosGoverno Regional da Madeira
O presidente do Nacional, Rui Alves, disse esta quarta-feira que a equipa, recém-promovida à Liga Portugal, precisa de "reforçar todas as posições" do plantel, durante uma homenagem pela subida dos alvinegros.

À margem de um evento no Salão Nobre da Câmara Municipal do Funchal, Rui Alves admite que já conversou com a equipa técnica para planificar a próxima temporada, na qual espera manter alguns dos jogadores mais influentes, casos de Gustavo Silva e Danilovic, que são, no seu entender, "para continuar".

Rui Alves não sabe se o orçamento de sete milhões de euros previsto para a próxima época será suficiente, mas confidenciou que é preciso "aguardar o que acontece na Região", em alusão às eleições antecipadas de domingo, na Madeira, que podem produzir alterações nos apoios financeiros aos clubes.

O líder do emblema insular refere que "ainda é cedo" para definir objetivos para a próxima temporada, mas promete uma equipa com o "minimo de qualidade" para jogar na Liga, de onde o Nacional "nunca devia ter saído".

O melhor marcador do Nacional na Liga 2, Chuchu Ramirez, com 17 golos, e um total de 20 em todas as competições, também admite continuar ao serviço do Nacional, pois considera o treinador Tiago Margarido "como um pai", sendo que o venezuelano espera "chegar a um acordo" para permanecer.

Uma semana depois de ter assegurado o regresso ao escalão maior do futebol em Portugal, a equipa madeirense venceu no último domingo o Mafra, por 2-0, com golos de Chuchu Ramirez, aos seis e 45+1 minutos.

O Nacional terminou a Liga 2 na segunda posição, com 71 pontos, menos dois do que o campeão Santa Clara, o que permitiu ao emblema insular o regresso à Liga Portugal, três anos depois da última presença.