Fantasy Premier League: Alisson, Dalot, Salah e Haaland no topo após um terço da prova

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Fantasy Premier League: Alisson, Dalot, Salah e Haaland no topo após um terço da prova
Os astros do ataque marcam o ritmo da FPL.
Os astros do ataque marcam o ritmo da FPL.
Livesport / Profimedia
Sem darmos por isso, estamos a um terço da competição. Ao mesmo tempo, estamos a entrar no período mais agitado do ano, quando tanto os futebolistas como os treinadores da Fantasy têm uma agenda preenchida e um jogo da Premier League mesmo no dia de Natal. Quem não se saiu bem nas últimas rondas e quem deve manter o ritmo?

Quem esteve bem?

O melhor, mas também o mais caro, é o guarda-redes do Liverpool, Alisson Becker. Ele aproveitou o bom momento dos Reds para somar 31 pontos, ajudado principalmente por três partidas sem sofrer golos em três jogos em casa.

É de referir que Alisson conquistou seis pontos de bónus durante este período, um registo muito bom para um guarda-redes. O ponto de interrogação é agora a questão física . André Onana está logo atrás dele na tabela, com 28 pontos. O camaronês tem vindo a estabilizar gradualmente o seu desempenho na baliza do Manchester United e, especialmente graças a três jogos sem sofrer golos nos últimos três jogos, subiu para o segundo lugar da tabela. Em termos de golos esperados, impediu mais de quatro golos na sua própria baliza.

É de acrescentar que temos visto muito poucas balizas inviolados nesta fase da época. O Newcastle e o Brentford conseguiram-no por duas vezes, beneficiando de Nick Pope e Mark Flekken, que estão atrás dos dois primeiros classificados. O mesmo número pode ser mencionado para o Arsenal, no entanto, onde David Raya e Aaron Ramsdale partilharam os jogos. As outras 15 equipas conseguiram terminar o jogo com uma baliza limpa no máximo uma vez, algumas delas nem isso. Na cauda dos guarda-redes, com cinco defesas, encontramos Roberto Sánchez, que tirou a bola das redes 13 vezes e marcou apenas oito pontos.

As defesas foram dominadas por Dalot

A situação também se reflectiu na pontuação dos defesas, onde especialmente os laterais com potencial ofensivo foram bem sucedidos. Enquanto no último resumo nos lembrámos de Kieran Trippier, que conseguiu uns excelentes 44 pontos em quatro jogos, agora encontramos o português Diogo Dalot na liderança , que conseguiu registar 36 pontos nos cinco jogos anteriores. Foi ajudado não só pela melhoria da defesa dos Red Devils, mas também por um golo e uma assistência.

Entre os defesas das equipas da metade superior da tabela, um nome que apanhou muitos de surpresa conseguiu entrar e surpreendeu até os defesas do Brighton e do Crystal Palace com os seus dois golos. Trata-se do lateral-esquuerdo do Everton, Vitaly Mykolenko. Está atrás de Dalot com 31 pontos e, apesar de os Toffees terem mantido apenas uma cleen sheet, dois golos e uma assistência ajudaram o Everton a conquistar pontos valiosos. Especialmente considerando a dedução de 10 pontos que os comandados de Sean Dych vão ter de recuperar. Juntamente com Alexander-Arnold, o ucraniano foi também o rematador mais ativo (10 tentativas).

Se alguém não conseguiu traduzir a sua atividade em pontos de fantasy, foi o lateral-esquerdo do Aston Villa, Lucas Digne. Ele criou 10 oportunidades para os seus companheiros, o maior número entre os defesas, mas marcou apenas nove pontos. O Villans não conseguiu manter nenhuma baliza limpa e o número 0 brilha na coluna dos golos e das assistências deste francês.

Se falarmos das chamadas grandes oportunidades que os estatísticos registam, encontramos o lateral-direito do Tottenham Hotspur, Pedro Porro, no topo. Se acompanha os jogos dos Spurs, este nome não o surpreenderá, porque o espanhol gosta de estar envolvido nas manobras ofensivas da sua equipa. Conseguiu criar quatro grandes oportunidades e, após a lesão de James Maddison, é também o marcador de bolas paradas. É importante estar atento a este jogador.

As linhas ofensivas foram claramente dominadas por aqueles de quem mais se esperava, o que naturalmente se reflecte no seu preço. O faraó egípcio Mohamed Salah esteve em grande plano, dominando a classificação dos médios com 47 pontos, sobretudo graças a cinco golos e uma assistência. O seu desempenho foi particularmente notável no dérbi da cidade contra o Everton (2-0) e também marcou 16 pontos na vitória por 3-0 sobre o Brentford antes da pausa nacional. Salah também domina as estatísticas em termos de número de grandes oportunidades, marcando sete vezes no total, logo à frente de Cole Palmer e Bryan Mbeumo.

O próximo a ser mencionado é o camaronês do Brentford. Ocupa a segunda posição com 36 pontos e continua a confirmar as suas prestações desde o início da época. A um preço favorável de sete milhões, é um pilar quase indispensável nas equipas da FPL. Desta vez, conseguiu marcar dois golos e fazer três assistências, e há que acrescentar que tem no seu currículo jogos contra o Chelsea, o Liverpool e o Arsenal. Além disso, ele dominou as estatísticas de tentativas de chutes a gol com 19, cinco a mais do que o segundo colocado, Phil Foden.

Saka como organizador

A menção honrosa neste ponto vai, no entanto, para outro médio do Manchester City. Trata-se do internacional belga Jérémy Doku. Ele marcou incríveis 22 pontos na partida contra o Bournemouth, com um golo e quatro assistências. No entanto, dada a rotação habitual de Pep Guardiola, a questão permanece quanto aos seus minutos e se ele merece um lugar nas escolhas dos treinadores da Fantasy. Isso é demonstrado pelo facto de apenas oito por cento dos treinadores acreditam que ele merece.

O extremo Bukayo Saka, do Arsenal, se transformou num organizador de primeira linha. Ele conseguiu criar 13 oportunidades para os companheiros, o que o coloca na terceira posição entre os médios. Além disso, conseguiu fazer um total de quatro assistências. Surpreendentemente, só registou quatro tentativas de remate durante este período, das quais apenas uma passou entre os três postes. O organizaodr mais ativo foi outro inglês com a camisola de outro clube londrino - James Ward Prowse - que criou um total de 15 oportunidades.

Se Salah dominou a classificação entre os médios, Erling Haaland dominou literalmente os avançados. Os seus seis golos e duas assistências valeram-lhe mais um ponto, 48 pontos, quase o dobro do que os outros avançados da classificação conseguiram registar. O jogador norueguês foi como Robin dos Bosques, tirando aos ricos e dando aos pobres, em sentido figurado. Conseguiu marcar contra o Brighton, o Manchester United, o Chelsea e o Liverpool, mas no jogo em casa contra o Bournemouth foi substituído ao intervalo devido a lesão, sem qualquer efeito.

Ainda assim, conseguiu dominar as estatísticas mais importantes com uma quota de golos esperada de 5,99. O atacante uruguaio Darwin Núñez conseguiu fazer isso parcialmente. Ele é o líder em remates à baliza (11), até teve o maior número de tentativas (22), mas só conseguiu fazer entrar uma na baliza de Nottingham. Pelo menos, somou três assistências e terminou com 22 pontos.

Três atacantes conseguiram encaixar-se entre os goleadores acima mencionados, somando 26 pontos. São eles Nicolas Jackson, do Chelsea, que foi muito ajudado por um hat-trick contra o dizimado Tottenham, Dominic Solanke, do Bournemouth, e Ollie Watkins, tradicional goleador do Aston Villa. O jogo da 13.ª jornada, na segunda-feira, ajudou Matheus Cunha, do Wolves, a somar 23 pontos. A ascensão de Solanke também pode ser vista nas estatísticas de tentativas de remate, já que ele ficou com o bronze, atrás de Nunez e Haaland.

Quem, por outro lado, estagnou ligeiramente em termos de remates foi Julián Álvarez, do City. O seu papel mudou nos jogos contra adversários mais difíceis e, apesar de ter marcado um golo, dominou sobretudo a estatística das oportunidades criadas, com 11 que não deram a mínima hipótese aos outros avançados. A segunda colocada, Yoane Wissa, criou cinco a menos. Infelizmente, isso resultou em apenas uma assistência e 20 pontos no total.

Leia aqui todos os artigos da Fantasy Premier League