Opinião: Será altura de a Premier League contratar árbitros estrangeiros?

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Opinião: Será altura de a Premier League contratar árbitros estrangeiros?
Luis Diaz viu o seu golo ser incorretamente assinalado como fora de jogo tanto pelo árbitro como pelo VAR
Luis Diaz viu o seu golo ser incorretamente assinalado como fora de jogo tanto pelo árbitro como pelo VAR
Profimedia
Um erro crasso que resultou numa decisão incorreta de fora de jogo do Liverpool na derrota de sábado frente ao Tottenham voltou a colocar o VAR e a PGMOL sob intenso escrutínio sobre o nível de arbitragem na primeira divisão inglesa.

O organismo de arbitragem admitiu "um erro humano significativo" na decisão do VAR de não autorizar o golo de Luis Diaz, que teria dado ao Liverpool a vantagem sobre o Tottenham.

Momentos antes, o VAR também tinha passado o cartão amarelo de Curtis Jones para vermelho, depois de uma disputa de bola com Yves Bissouma ter sido enquadrada de forma particularmente forte contra o jogador do Liverpool - embora seja discutível se o vermelho era justificado.

Depois, houve o cartão vermelho para Jota - embora tenha sido um disparate fazer aquela segunda entrada sabendo que já tinha um cartão amarelo, a sua primeira "infração passível de cartão" nunca deveria ter sido assinalada (já agora, porque é que o VAR não pode considerar isso como "erro claro e óbvio"?)

Mas o erro colossal de não autorizar o golo de Díaz - que, na altura e durante as repetições, se podia ver claramente que estava em jogo, a olho nu e sem que fossem traçadas linhas - veio alimentar a ideia de que o nível de arbitragem na suposta melhor Liga do mundo não está à altura.

Em comunicado, no domingo, o organismo de arbitragem PGMOL pediu desculpa, enquanto o Liverpool emitiu um comunicado mordaz, sugerindo que "a integridade desportiva estava a ser posta em causa" e ameaçando tomar outras medidas, "explorando as suas opções".

Lamentar não é suficiente

Mas o que é que isso implicaria? O que é que o Liverpool espera obter desta situação para além do pedido de desculpas que já recebeu?

Uma repetição do jogo simplesmente não vai acontecer - punir ou de alguma forma criminalizar o Tottenham pelo mau desempenho dos árbitros seria ridículo.

Processar a Premier League para obter algum tipo de indemnização também seria uma farsa - é altamente improvável que se aguente. No entanto, se por acaso o Liverpool perder o título da Premier League ou o lugar na Liga dos Campeões, talvez tenha mais argumentos no futuro, com base em grandes perdas financeiras.

Mas isso começaria a criar um precedente insustentável, semelhante ao que já vimos antes, com o Sheffield United a processar Carlos Tevez durante o seu tempo no West Ham, ou mesmo ao que estamos a ver atualmente com Felipe Massa na Fórmula 1.

Os árbitros foram suspensos para o resto dos jogos do fim de semana e deveriam ser permanentemente afastados dos jogos da Premier League até ao final da época, tanto para sua própria segurança pessoal como para benefício de todos os outros.

Segundo consta, eles também foram autorizados a trabalhar numa partida nos Emirados Árabes Unidos dias antes do jogo de sábado no Estádio do Tottenham Hotspur, e muitos afirmam que o cansaço pode ter sido um fator na decisão deles.

O técnico da PGMOL, Howard Webb, até deu sinal verde para que eles fizessem a viagem, portanto, isso é algo que precisa ser interrompido imediatamente - não é nada bom.

Mas será que está na hora de irmos mais longe e olharmos para o exterior - literalmente?

O árbitro Simon Hooper observa um lance
AFP

Importações estrangeiras

A Premier League há muito que se auto-intitula como a melhor, mais divertida, mais lucrativa e mais competitiva Liga do futebol profissional nacional - devido, em grande parte, à sua capacidade de atrair os melhores futebolistas, dirigentes e treinadores de todo o mundo.

Talvez seja altura de aceitar que a arbitragem em Inglaterra precisa de uma revisão drástica e radical - à semelhança do programa de base implementado para melhorar a competitividade da equipa nacional introduzido em 2014 pela Federação Inglesa de Futebol - e, enquanto essa tarefa é levada a cabo, talvez a Premier League devesse começar a contratar árbitros de topo do estrangeiro?

O Médio Oriente tem o hábito de importar árbitros das principais ligas europeias para os seus próprios jogos nacionais.

O treinador alemão do Liverpool, Jurgen Klopp, reage durante o jogo de futebol da Primeira Liga inglesa entre o Tottenham Hotspur e o Liverpool
AFP

E mesmo o mais casual dos adeptos de futebol ingleses que assiste a jogos da Liga dos Campeões, da Liga Europa ou do Campeonato do Mundo terá notado a diferença de padrões não só dos árbitros em campo, mas também da eficácia do VAR em ação.

Será que já é altura de começarmos a explorar algum tipo de modelo para importar árbitros e assistentes de VAR que sejam realmente mais adequados aos objectivos das decisões de alto risco e pressão em jogo na Premier League?

Mesmo que seja apenas uma medida temporária para permitir que durante uma década a FA, a Premier League e a PGMOL ponham a casa em ordem.

Investir na Inteligência Artificial o mais rapidamente possível

Também é necessário fazer mais para acelerar o desenvolvimento e a natureza automatizada das ferramentas atualmente utilizadas para tomar decisões.

É ridículo que em 2023, no auge da tecnologia e com a inteligência artificial a tornar-se cada vez mais acessível, valiosa e inevitável no mundo, ainda estejamos a depender de um grupo de humanos sentados numa sala no meio do nada a desenhar subjetivamente linhas manualmente num ecrã.

Todo o clamor por VAR era originalmente para introduzir uma decisão 100% factualmente correta, como uma máquina, de forma rápida, clara e eficaz.

O que temos agora é simplesmente mais cozinheiros na cozinha, falando uns sobre os outros e criando mais caos do que tínhamos antes.

Virgil van Dijk
AFP

Antes da introdução do VAR, o golo de Luis Diaz teria sido considerado fora de jogo, os especialistas, os treinadores e os adeptos teriam todos reclamado durante os dias seguintes e teríamos todos seguido em frente e considerado "uma daquelas coisas".

Agora, porém, é suposto termos um sistema dispendioso que funciona e, no entanto, de alguma forma, parece mais quebrado do que nunca - provavelmente porque temos mais árbitros inaptos do que nunca a tomar mais decisões erradas do que nunca, quando na verdade têm mais ferramentas úteis para acertar do que nunca.

Tornou-se agora da maior importância saber que esta é uma questão que precisa de ser resolvida de forma drástica.

Este é o 13.º pedido de desculpas da PGMOL em relação a uma decisão incorreta do VAR desde o início da temporada 2021/22 - nenhuma outra liga principal cometeu tantos erros drásticos.

O PGMOL precisa aceitar que atualmente não é adequado para o propósito e a Premier League e a FA devem assumir uma postura dura para ajudá-los a corrigir problemas que agora são puramente da autoria do próprio órgão de arbitragem.