Análise: O buraco negro de Kvaratskhelia, o MVP que passou a mero estranho em Nápoles

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Análise: O buraco negro de Kvaratskhelia, o MVP que passou a mero estranho em Nápoles
Khvicha Kvaratskhelia contra o Barcelona
Khvicha Kvaratskhelia contra o Barcelona
AFP
O desempenho do georgiano, em queda acentuada em relação ao ano passado, é o grande símbolo do mau momento da Azzurra. Há um ano, foi decisivo em Sassuolo, com um dos golos mais surpreendentes da época passada, e esta quarta-feira regressa ao Estádio Mapei, onde no ano passado surpreendeu toda a gente com um golo a solo, com um enorme peso sobre si, o de já não ser decisivo

O mês de fevereiro de 2023 para Khvicha Kvaratskhelia foi provavelmente o melhor na carreira do avançado georgiano, que há apenas um ano, em quatro semanas, marcou três golos em três jogos consecutivos. Tudo com a sua marca inconfundível de começar com a bola colada ao pé e terminar com uma finalização imparável. O exemplo mais cintilante foi o golo que marcou no Estádio Mapei, onde voltará a defrontar o Sassuolo.

Uma corrida serpenteante a partir do meio-campo, que começou com um toque por baixo e uma aceleração graciosa acompanhada de uma temível sensibilidade no controlo da bola e de um drible despreocupado, antes de rematar da entrada da área para o canto inferior. Um dardo que abriu caminho para o sétimo triunfo consecutivo de um Nápoles que estava prestes a conquistar o Scudetto já em fevereiro. E sobre os ombros dele.

Queda

Hoje, porém, parece que passaram dez anos e não um. Porque o georgiano está num buraco negro incompreensível. Pelo contrário, enfiou a cabeça debaixo da terra como uma avestruz, depois de a ter mantido demasiadas vezes muito baixa em campo, perdido em dribles que já não consegue fazer, e chegando mesmo a irritar-se com algumas substituições. Para alguns, a culpa é sem dúvida das mudanças no banco, onde nem Rudi Garcia nem Walter Mazzarri foram capazes de trazer de volta a fluidez de jogo que Luciano Spalletti tinha patenteado. Para outros, a razão é a falta de sobreposições contínuas, de que o caucasiano sente muito a falta, sendo constantemente dobrado pelos adversários. Outros, no entanto, salientam que Kvara sofreu não pouco com a situação de Zielinski, o seu melhor parceiro de drible na época passada.

Todas estas são, sem dúvida, causas importantes e incisivas, mas não desvendam o mistério. Partindo do princípio de que o futebol é um desporto impossível de classificar, é óbvio que a queda do georgiano, eleito o melhor jogador do ano passado, é o resultado da degradação técnica de toda a equipa do Nápoles, mas também do maior conhecimento que os outros têm do seu jogo. De facto, este ano, quando mais conseguiu fazer efeito, foi quando se deslocou para o centro ou para a direita, alterando algumas das dinâmicas do seu jogo. No entanto, debaixo da baliza, tem mostrado grandes limitações de coordenação e falta de frieza.

Os números de Kvara
Flashscore

Apenas uma boa temporada?

Autor de apenas um golo nos nove jogos que disputou em 2024, entre o campeonato, a Liga dos Campeões e a Supertaça de Itália, o número 77 da Azzurra deu apenas alguns lampejos da sua imensa qualidade, um dom que está apenas adormecido dentro de si e do qual há demonstrações ocasionais que ainda fazem os adeptos e amantes do jogo de outrora piscar os olhos. A concretização, no entanto, desvaneceu-se a níveis impensáveis. De tal forma que muitos se interrogam se o Kvaratskhelia não será uma "maravilha de uma época", como tantos outros que passaram pelos campos de futebol.

Uma dúvida legítima que agora se instalou no coração de todos, mesmo daqueles que até agora o defenderam até ao fim. Muitas vezes limitado no seu posicionamento de costas para a baliza, o georgiano acaba muitas vezes por ser encurralado pelos seus próprios marcadores, que o conhecem e que, embora por vezes gozem com ele no primeiro drible, conseguem limitá-lo.

Depois de ter caído em desgraça, Kvara também se mostra muito nervoso, como demonstram os seis cartões amarelos que recebeu este ano no campeonato, o que contrasta com a única advertência que recebeu na época passada. Mais um elemento que denota a sua falta de confiança e serenidade. Um ano após o slalom que deixou todos os presentes no Mapei boquiabertos, regressa ao local do crime com um estatuto totalmente diferente. Negativamente.

Siga o Sassuolo - Nápoles no Flashscore