Mudança de proprietário do Inter de Milão abre período de dúvidas no campeão italiano

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mudança de proprietário do Inter de Milão abre período de dúvidas no campeão italiano

A renovação de Lautaro pode estar em risco
A renovação de Lautaro pode estar em riscoMARCO BERTORELLO/AFP
O recém-coroado campeão italiano Inter de Milão entrou esta quarta-feira num período incerto, depois de ter sido adquirido pelo fundo norte-americano Oaktree, devido à incapacidade do atual proprietário de pagar uma dívida de várias centenas de milhões de euros.

A Oaktree anunciou na quarta-feira que assumiu o controlo do Inter de Milão depois de o proprietário chinês, o conglomerado Suning, não ter pago atempadamente uma dívida de 395 milhões de euros.

Em comunicado, a Oaktree afirma ter "assumido o controlo" do clube por não ter recebido o reembolso de "um empréstimo de três anos", que terminou a 21 de maio, "num total de cerca de 395 milhões de euros".

No sábado, o presidente do Inter, Steven Zhang, tinha censurado o fundo norte-americano por "comprometer a estabilidade financeira" do clube e garantiu que o Suning tinha "feito tudo para encontrar uma solução amigável" com a Oaktree.

"Infelizmente, os nossos esforços até agora têm sido confrontados com ameaças legais e uma significativa falta de envolvimento da Oaktree", acrescentou.

A Oaktree concedeu ao conglomerado chinês um empréstimo de 275 milhões de euros em 2021 para fazer face à falta de receitas de bilheteira durante a pandemia COVID-19, durante a qual os jogos do campeonato italiano foram disputados sem público nas bancadas.

Com juros de 12% ao ano, a Suning devia 395 milhões de euros à Oaktree, um fundo de investimento californiano com um total de 170 mil milhões de dólares em ativos.

"A Oaktree está determinada a obter os melhores resultados para a prosperidade a longo prazo do Inter de Milão, com especial ênfase na estabilidade operacional e financeira do clube e dos seus accionistas", afirmou o fundo em comunicado.

A Oaktree acrescentou que estava "empenhada em trabalhar em estreita colaboração com a atual equipa de gestão do Inter de Milão, os seus parceiros, a liga e as instituições governamentais para garantir que o clube está posicionado para ter sucesso dentro e fora do campo".

O Inter regressou à ribalta nacional e internacional desde que a Suning adquiriu quase 68% do clube em 2016, conquistando sete troféus desde então, incluindo dois títulos da Serie A, e chegando a duas finais europeias.

A equipa de Simone Inzaghi conquistou o Scudetto esta época, ao vencer o AC Milan num intenso dérbi local com cinco jogos de antecedência.

Renovação de Lautaro em aberto

Steven Zhang acreditava ter encontrado uma solução ao conseguir um novo empréstimo com outro fundo americano, o Pimco, no valor de 430 milhões de euros, o que permitiria reembolsar a Oaktree. Mas as negociações com a Pimco foram adiadas, segundo a imprensa italiana.

A aquisição do clube pelo fundo norte-americano levanta inevitavelmente questões sobre o futuro de vários dos jogadores mais importantes dos nerazzurri, incluindo o capitão e melhor marcador da Serie A esta época, o argentino Lautaro Martinez.

O jogador da Albiceleste, cujo contrato atual expira em 2026, disse ao La Gazzetta Dello Sport na terça-feira que esperava e esperava assinar uma renovação na próxima semana, mas admitiu que "a situação com o clube poderia atrasar isso".

"O presidente do conselho de administração do clube, Giuseppe Marotta, e o diretor desportivo, Piero Ausilio, estão em conversações, mas isso depende dos proprietários", disse Martinez.

O Inter encontra-se agora na mesma situação que o rival AC Milan, que em 2018 ficou sob o controlo do fundo Elliott, que tinha concedido um empréstimo a outro proprietário chinês, incapaz de o reembolsar mais tarde. Os rossoneri foram comprados em agosto de 2022 por outro fundo norte-americano, o RedBird.

Apesar de ter dominado a Serie A com mão de ferro esta época e de ter conquistado o sétimo troféu da "era Suning", o Inter continua a debater-se com dificuldades financeiras, com 85 milhões de euros de prejuízos em 2022/23, contra 140 milhões de euros no ano anterior.