Site de acompanhantes quer mudar nome do Vitória da Bahia e do estádio do clube

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Site de acompanhantes quer mudar nome do Vitória da Bahia e do estádio do clube
Adeptos do Vitória da Bahia, recém-sagrado campeão da Série B
Adeptos do Vitória da Bahia, recém-sagrado campeão da Série B
Profimedia
Fábio Mota, presidente do Vitória da Bahia, recém-promovido ao Brasileirão, assegurou que as propostas da Fatal Model foram apresentadas aos adeptos, através de um inquérito nas redes sociais do clube. "Ninguém quer vender o nome do Vitória, mas quando se recebem propostas como esta, é justo torná-las públicas", afirmou.

Campeão da Série B do campeonato brasileiro, e assim promovido ao Brasileirão, o Vitória da Bahia está agora a braços com uma proposta milionária, para os padrões locais, de um site de acompanhantes, o "Fatal Model", que já é o seu patrocinador numa das mangas das camisolas.

Agora, este mesmo patrocinador gostaria de adquirir os "naming rights" do estádio Arena Barradão (onde a Itália de Prandelli treinou durante a Taça das Confederações de 2013) durante dez anos, a troco de 100 milhões de reais (cerca de 18,5 milhões de euros).

A Fatal Model ainda dobrou a oferta para 200 milhões de reais (cerca de 37 milhões de euros) se o Vitória aceitasse mudar o nome do clube e tornar-se conhecido como o Fatal Model Vitória.

Proposta "indecente"

Quem explicou estas propostas, em conferência de imprensa em Salvador, foi o próprio presidente do Vitória, Fábio Mota, e a diretora de comunicação do site de acompanhantes, Nina Sag.

"A nossa proposta visa tornar o Vitória ainda mais forte e ampliar a nossa parceria, que já é um sucesso. E queremos que os adeptos também façam parte disso", afirmou Nina Sag.

O presidente do Vitória da Bahia, Fábio Mota, por sua vez, explicou que as propostas da Fatal Model já foram apresentadas aos adeptos através de um inquérito nas redes sociais do clube.

"No caso de mudar o nome, teríamos de o submeter à direção do clube e depois teria de ser votado em assembleia: ninguém é dono deste clube, recordo que temos 33.222 sócios. Ninguém quer vender o nome do Vitória, mas quando se recebem propostas como esta, é correto torná-las públicas", justificou o presidente do clube.