Entrevista Flashscore a Doris Boaduwaa: "Sonho jogar numa das maiores equipas da Europa e ganhar a Bola de Ouro"

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Entrevista Flashscore a Doris Boaduwaa: "Sonho jogar numa das maiores equipas da Europa e ganhar a Bola de Ouro"
Boaduwaa tem grandes objetivos na carreira
Boaduwaa tem grandes objetivos na carreira
X
Depois de ter ajudado o Gana a regressar à Taça das Nações Africanas Femininas (WAFCON), a avançada do Black Queens, Doris Boaduwaa (20 anos), conversou com o Flashscore sobre o impacto da treinadora Nora Hauptle e as suas ambições no clube e no país.

brasileira Marta não teve um final de conto de fadas quando o Brasil foi eliminado do Mundial Feminino de 2023, na fase de grupos. A nível individual, detém o recorde de maior número de golos em Campeonatos do Mundo, com 17. Tornou-se também a primeira futebolista a marcar em cinco Campeonatos do Mundo diferentes.

No entanto, o troféu escapou à jogadora de 37 anos, que agora se retirou do futebol internacional.

Na sua última entrevista após o jogo, entre lágrimas, após a eliminação do Brasil, a jogadora mostrou-se orgulhosa do caminho percorrido pelo futebol feminino e reconheceu o papel que desempenhou no desenvolvimento do desporto. Houve um tempo em que se falava em futebol feminino e o primeiro nome que saía da boca de qualquer pessoa era Marta.

Em menor escala, Adjoa Bayor foi, a certa altura, sinónimo de futebol feminino no Gana. E por que não? Fez parte da equipa das Rainhas Negras que se qualificou pela primeira vez para o Campeonato do Mundo e, em 2007, marcou um dos melhores golos do futebol feminino. Contra a Noruega, num jogo da fase de grupos do Mundial, a então capitã posicionou-se atrás de uma cobrança de livre, de forma pouco ortodoxa. Virou-se de costas para a baliza e, depois de ouvir o apito do árbitro, colocou a bola na baliza.

Para Doris Boaduwaa, que desde muito jovem já era comparada ao ídolo, a expetativa era de que ela também chegasse ao alto nível. Fez parte da equipa do Hasaacas Ladies, que fez história na época 2020/21, vencendo o campeonato, a Taça e o torneio da Zona B da WAFU, e foi vice-campeã da Liga dos Campeões Feminina da CAF, na sua primeira tentativa.

Gana comemorando a classificação
Twitter @BoaduwaaDoris

Com apenas 20 anos, Boaduwaa já é uma peça fundamental da equipa principal e os seus dois golos no jogo da primeira mão, contra a Namíbia, ajudaram o Gana a garantir um lugar na WAFCON do próximo ano.

"Como jogadora, sinto-me muito feliz por ter conseguido este feito ao fim de cinco anos. Sinto-me excelente e a expetativa é fazer história. Chegar à equipa vindo dos juniores também aumentou a minha confiança", diz Boaduwaa em entrevista exclusiva ao Flashscore.

Há pouco mais de um ano, a avançada representava a seleção feminina sub-20 de Gana, as Black Princesses, no Mundial. Apesar de a campanha do Gana ter sido bastante fraca, Boaduwaa marcou o único golo do país no torneio.

Antes do Mundial, já havia feito a sua estreia pela seleção principal e jogado sob o comando da treinadora Mercy Tagoe. Mais tarde, Tagoe foi substituída pela treinadora suíça Nora Hauptle, que Boaduwaa admite ter revolucionado a forma de jogar da equipa.

"Quando ela chegou, trouxe o programa 'Missão Volta'", disse.

"Essa agenda significava que estávamos a começar tudo de novo, porque as coisas tinham estado mal nos últimos cinco anos. O que ela trouxe foi a combinação de determinação, paixão, trabalho de equipa e trabalho árduo, para ajudar a concretizar a Missão Volta, porque era um novo começo. Ela também queria que progredíssemos em qualquer competição em que nos encontrássemos. O que ela normalmente nos diz é para trabalharmos mais, mas o que está sempre na sua boca é que a determinação prevalecerá sempre e que, quando estamos em campo, devemos jogar por nós próprios e apoiarmo-nos uns aos outros", explica Boaduwaa.

Hauptle causou um grande impacto
Twitter @CAFwomen

Houve uma transformação completa após a nomeação de Hauptle. De repente, o interesse pelo futebol feminino aumentou, com a equipa a vencer 10 dos 11 jogos disputados até agora. Durante este período, a equipa marcou 34 golos, tendo apenas sofrido dois - um deles na própria baliza. A primeira derrota de Hauptle aconteceu no último jogo de qualificação contra a Namíbia, um resultado que acabou por não ter consequências.

"O jogo contra a Namíbia não foi fácil, porque queríamos manter a invencibilidade. Mas neste jogo, ou se ganha, ou se empata, ou se perde, por isso levámos as coisas pelo lado positivo. Perder não foi triste, porque tínhamos garantido o apuramento e houve bastantes elogios por parte dos treinadores e da equipa técnica, porque esta tinha sido a nossa única derrota desde o início da "Missão Volta". Também foi importante porque nos levou à fase final da competição. Aceitámos a derrota como profissionais, porque acabou por nos trazer felicidade", explica Doris Boaduwaa.

A "Missão Volta" não termina apenas com a classificação para o torneio continental, em Marrocos, no ano que vem.

Desde 2007, as Rainhas Negras só passaram da fase de grupos de uma AFCON uma vez e não se classificaram para um Mundial. A missão visa garantir que o Gana volte ao nível de 1995 a 2006, quando as Rainhas Negras chegaram à meia-final de todas as edições do Mundial e até mesmo à final, por três vezes.

Nas três vezes em que as ganesas estiveram perto de conquistar o troféu, a Nigéria acabou por levar a melhor. A equipa também se qualificou para todos os campeonatos do mundo entre 1999 e 2007.

"Faz cinco anos desde a última vez em que nos qualificámos para o Mundial, então garantir a classificação é uma coisa boa para nós. Queremos ganhar o troféu para a nação e para nós próprias. O mínimo que pretendemos é ganhar uma medalha, mas o objetivo final é o troféu", assumiu Doris Boaduwaa.

Desde o início do futebol feminino em Gana, o país nunca disputou os Jogos Olímpicos, e isso é algo que Boaduwaa também quer mudar.

"Nunca jogámos nos Jogos Olímpicos, por isso faz parte dos meus planos. Faz parte dos nossos planos ajudarmo-nos mutuamente para conseguirmos este feito e escrevermos história. Fazer coisas destas mantém o nosso nome no folclore nacional e também nos sentimos orgulhosas quando nos lembramos do que conseguimos. Por isso, é muito importante para nós. A qualificação para a WAFCON já está garantida, pelo que o nosso principal objetivo agora é a qualificação para os Jogos Olímpicos, que é contra a Zâmbia. Garantir a classificação seria histórico para nós, por isso faremos o que for preciso para escrever essa história", acrescentou.

Boaduwaa comemorando
Twitter @BoaduwaaDoris

Além da seleção nacional, a antiga jogadora do Hasaacas Ladies sonha em jogar na Liga dos Campeões. Nos play-offs de qualificação desta época, a sua equipa, o Subotica, esteve perto e só perdeu a última eliminatória para o Rosengard.

"Queria jogar na Europa para poder participar na Liga dos Campeões e estou contente por ter marcado no meu primeiro jogo das eliminatórias. É um dos melhores torneios, todos os clubes sonham em jogar na Liga dos Campeões. Tenho a oportunidade de competir contra os maiores clubes e é uma boa experiência para mim. Infelizmente, ficámos aquém do esperado, depois de perdermos o último jogo, e não conseguimos passar à fase de grupos", lamentou.

Boaduwaa marcou três golos nas eliminatórias para a Liga dos Campeões e já tem três golos no campeonato. A avançada sonha em tornar-se a melhor do continente e eventualmente ganhar a Bola de Ouro.

"Quero tornar-me uma das maiores jogadoras de África e do mundo e ser reconhecida sempre que o meu nome for mencionado. O meu sonho é ter a oportunidade de jogar numa das maiores equipas da Europa e depois ganhar a Bola de Ouro", assume Doris Boaduwaa ao Flashscore.