Jakub Kwiatkowski afastado da seleção nacional polaca

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Jakub Kwiatkowski afastado da seleção nacional polaca
Jakub Kwiatkowski afastado da equipa nacional polaca
Jakub Kwiatkowski afastado da equipa nacional polaca
Profimedia
O porta-voz de longa data da federação polaca, e team manager da seleção principal, foi afastado do seu cargo. A decisão ainda não foi confirmada oficialmente, mas já provocou uma enorme polémica.

Segundo Tomasz Włodarczyk, do site Meczyki, a decisão de destituir Jakub Kwiatkowski do cargo da Polónia já foi tomada, apenas ainda não foi anunciada publicamente. O afastamento de Kwiatkowski das suas atuais funções significa, na prática, que muito provavelmente deixará as estruturas da federação da Polónia.

Ainda não há informações de que a associação tenha um sucessor para o seu lugar.

De acordo com Maciej Wąsowski, do Weszło, Jakub Kwiatkowski foi informado pela primeira vez por Michał Probierz sobre o fim da ligação, tendo esta posição sido posteriormente confirmada na presença de Cezary Kulesza e Łukasz Wachowski.

A experiência de Kwiatkowski a trabalhar com a seleção nacional polaca ultrapassa uma década, tendo começado em dezembro de 2012. Primeiro como assessor de imprensa, foi-lhe depois atribuído de team manager. Trabalhou com dezenas de jogadores e vários selecionadores, incluindo no Euro-2016 e 2020, ou nos Mundiais de 2018 e 2022.

Críticas unânimes dos jornalistas

A informação causou enorme surpresa, uma vez que Kwiatkowski está no seu cargo há mais tempo do que os selecionadores ou presidentes da Federação Polaca de Futebol. É conhecido pelo seu profissionalismo, tem o apoio da seleção nacional e o respeito dos jornalistas. Estes foram os primeiros a reagir de forma muito crítica à notícia do afastamento de Kwiatkowski.

"Espero que alguém se irrite e que a notícia (...) não se confirme. A PZPN perderia um dos seus últimos profissionais", declarou Michal Pol, do canal desportivo.

O autor dos primeiros relatórios, Tomasz Włodarczyk, tem uma opinião semelhante.

"Uma decisão chocante. É evidente que o amadorismo e a podridão no PZPN estão a progredir", escreveu no X.