Relatório da FIFA: Transferências atingiram valor recorde em 2023, Portugal esteve em destaque

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Relatório da FIFA: Transferências atingiram valor recorde em 2023, Portugal esteve em destaque
Nunca antes se tinha pago tanto dinheiro por transferências.
Nunca antes se tinha pago tanto dinheiro por transferências.
Profimedia
Com um gasto de 8,87 mil milhões de euros em transferências internacionais em todo o mundo, os clubes de futebol estabeleceram um recorde em 2023. É a principal conclusão Relatório de Transferência Global publicado pelo órgão regulador mundial FIFA na terça-feira. De acordo com o relatório, o aumento em relação ao ano anterior foi de 48,1 por cento, com o recorde anterior vindo de 2019.

Com 1,11 mil milhões de euros, os clubes alemães lideraram o mundo em termos de receitas de transferências. De acordo com a FIFA, foram efectuadas mais transferências transfronteiriças do que nunca (74 836). 23 689 (31,7 por cento) envolveram profissionais (homens e mulheres), 51 147 (68,3 por cento) amadores.

Pelo segundo ano consecutivo, foram os clubes portugueses os que mais jogadores contrataram, com 1017 atletas a chegar ao nosso país. Em sentido contrário, o Brasil liderou nas exportações com 1217 futebolistas a deixarem o território canarinho. Não deixa por isso de espantar que a principal ligação no que toca a transferências tenha sido entre Portugal e Brasil (414).

Contudo, se Portugal foi quem mais jogadores contratou, Inglaterra foi quem mais gastou. Pese embora os clubes ingleses tenham transferido apenas 681 atletas (o terceiro valor mais elevado) gastaram 2,6 mil milhões de euros no processo. Por comparação, os clubes portugueses pagaram 248 milhões de euros.

Enzo Fernandez foi das transferências mais caras
AFP

As 10 transferências mais caras representaram, por si só, mais de 10 por cento do total gasto. Entre elas estão Harry Kane (do Tottenham Hotspur para o Bayern /100 milhões de euros) e Jude Bellingham (do Borussia Dortmund para o Real Madrid/ 103 milhões de euros) ou Enzo Fernández (do Benfica para o Chelsea / 121 milhões de euros)

1024 clubes gastaram dinheiro em transferências internacionais no ano anterior, ultrapassando pela primeira vez a marca dos 1.000. O Benfica está entre os 20 clubes europeus que mais dinheiro gastaram, ao lado de emblemas como Marseille ou West Ham. No continente asiático, o destaque vai para os emblemas da Arábia Saudita, com Al Hilal, Al Ahli, Al Nassr e Al Ittihad, o quatro emblemas que receberam dinheiro do Fundo de Investimento Público (PIF) a liderarem.

Também se registou um número recorde de clubes que receberam compensações por transferências (1241). O aumento dos negócios no futebol feminino profissional também continuou. Foram registadas mais de 20% de transferências em relação a 2022.