Paris-2024: Ataque com faca em Paris não altera planos para a cerimónia de abertura

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Paris-2024: Ataque com faca em Paris não altera planos para a cerimónia de abertura
Os anéis olímpicos em frente à Torre Eiffel
Os anéis olímpicos em frente à Torre Eiffel
Reuters
Não há "plano B" para a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de verão Paris 2024, afirmou esta segunda-feira a ministra francesa do Desporto, depois de um homem armado com uma faca e um martelo ter matado um turista alemão e deixado duas pessoas feridas perto da Torre Eiffel, no sábado.

"Não temos um plano B, temos um plano em que existem vários sub-planos com um certo número de variáveis de ajustamento", disse Amelie Oudea-Castera à rádio France Inter.

O suspeito de 26 anos, de nacionalidade francesa, detido após o atentado, tinha jurado fidelidade ao Estado Islâmico num vídeo gravado previamente, disse no domingo o procurador antiterrorismo Jean-Francois Ricard.

O ataque ocorreu no Quai de Grenelle - um local também incluído nos planos para a cerimónia de abertura.

Questionado sobre se o governo estaria a ponderar uma alteração ao seu plano de realizar a cerimónia no rio Sena, com várias centenas de milhares de espectadores esperados ao longo das suas margens, no meio das ameaças à segurança, o ministro disse: "Não é algo com que estejamos a trabalhar".

"Temos a capacidade de garantir a segurança do evento", afirmou, acrescentando que alguns pormenores, incluindo o número de eventos culturais adicionais em torno do espetáculo principal e o perímetro de segurança, serão ajustados mais perto dos Jogos.

A França tem estado em alerta máximo desde que elevou o seu limiar de segurança em outubro, quando um homem de origem chechena, armado com uma faca, matou um professor numa escola no norte da França.

Os responsáveis europeus pela segurança alertaram para o risco crescente de ataques por parte de militantes islâmicos no contexto da guerra entre Israel e o Hamas, sendo a maior ameaça provavelmente proveniente de atacantes lobos solitários, difíceis de localizar.

No dia 26 de julho, cerca de 160 barcos partirão da Pont d'Austerlitz para uma viagem de seis quilómetros até à Pont d'Iena, num evento que Tony Estanguet, chefe do comité organizador, descreveu como "único e espetacular".