Basquetebol: Mais um episódio da rivalidade entre Mónaco e Olympiakos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Basquetebol: Mais um episódio da rivalidade entre Mónaco e Olympiakos
Um grande jogo para Motiejunas e para o Mónaco.
Um grande jogo para Motiejunas e para o Mónaco.
AFP
O Mónaco tem um grande teste pela frente, quando visitar o Olympiakos para uma reedição da meia-final da Euroliga do ano passado. Um novo encontro com o clube grego que se tornou um hábito nas duas últimas épocas.

Cá nos voltamos a encontrar. Depois de 10 encontros nas duas últimas épocas, Mónaco e Olympiakos retomam a sua rivalidade, uma das mais interessantes da Euroliga de basquetebol. Há duas épocas que o o conjunto gaulês e o emblema helénico se defrontam no campo, com encontros inesquecíveis, muitas vezes a favor da equipa grega.

Este será o primeiro objetivo da equipa Roca: pontuar contra o inimigo. Um objetivo sério? Na época passada, o Mónaco venceu simplesmente os dois encontros da fase regular. A vitória em solo grego, na quinta jornada da edição 2021/22, permitiu claramente ao clube do Rochedo afirmar as suas ambições na Final Four.

Mas se o Mónaco chegou à Final Four, caiu nas meias-finais, e às mãos de quem? Do Olympiakos, é claro. Foi um jogo memorável, que La Roca parecia ter vencido após uma primeira parte sólida. Mas isso foi antes de um terceiro período totalmente apocalítico, que o Mónaco acabou por perder por 2-27 (leu bem). Obviamente, isso teria sido fatal para um lugar na final.

Foi uma desilusão que serviu claramente de combustível para este jogo. Porque esta derrota vinha na sequência de outra, durante uma série memorável nos quartos de final da edição anterior. Cinco jogos de alto nível, uma série incrível em termos de jogo, vencida pelos gregos no final da partida decisiva no inferno chamado Estádio da Paz e da Amizade.

No final, os dez jogos resultaram num registo de 5-5, mas os dois jogos imoprtantes foram ganhos pelos gregos. Ainda não é uma mancha indelével, mas pode vir a sê-lo. Afinal de contas, estamos perante dois dos maiores candidatos à Final Four deste ano, em termos de reputação, de jogo e de plantel.

Não é preciso voltar a falar do verão febril do Mónaco, sobretudo com a chegada de Kemba Walker, mas o Olympiakos reacendeu recentemente a corrida às armas. Recém-chegado da NBA, Filip Petrusev já partiu para a Grécia. Naz Mitrou-Long, que não se adaptou à Lituânia, também está de volta. Tudo isto nos últimos dez dias.

No entanto, as duas equipas têm o mesmo registo na Euroliga (6 vitórias e 4 derrotas). Um registo positivo, mas não transcendente, como foi o início da época continental do Mónaco. A máquina ainda não está a funcionar a todo o vapor, mas terá de o fazer em algum momento. E o que poderia ser melhor do que um jogo contra seu novo melhor inimigo? O Gaston-Médecin vai estar entusiasmado, é certo, mas espera acima de tudo uma vitória.