Conselho Nacional de Saúde faz recomendações sobre Lei de Bases do Desporto

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Conselho Nacional de Saúde faz recomendações sobre Lei de Bases do Desporto
Conselho Nacional de Saúde
Conselho Nacional de Saúde
SNS
O Conselho Nacional de Saúde (CNS) considera que a revisão da Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto constitui uma oportunidade para repensar esta política pública e realçar a relação com a saúde nas suas diversas dimensões.

Incentivar a atividade física regular e a participação na atividade desportiva é hoje uma importante questão de política pública intersetorial, pelos benefícios de saúde e bem-estar para os indivíduos bem como para a sociedade”, refere o CNS num parecer sobre esta lei de bases.

O Governo iniciou em setembro um “processo de auscultação formal relativo à eventual revisão da Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto”, que se encontra em vigor desde 2007.

O CNS aprovou a recomendação “Atividade física e prática desportiva – determinantes de Saúde e Bem-estar”, em que faz seis recomendações, sendo a primeira que a próxima revisão da lei “integre o mais consequentemente que for considerado adequado a dimensão da saúde e bem-estar e as indispensáveis interdependências e interligações intersetoriais na formulação, execução e avaliação das políticas públicas dedicadas a esta área”.

Defende o reforço da promoção da educação física nas escolas, com a “introdução ou adaptação de políticas que visam sensibilizar a opinião pública para a importância educativa e social que a atividade física e o desporto têm ao longo da vida”.

Em inúmeros países, este tipo de medida requer uma abordagem estratégica e racional destinada a mobilizar os jovens para o reconhecimento deste princípio e a criar-lhes oportunidades para participarem em atividades físicas”, sustenta no documento.

Para o CNS, presidido por Victor Ramos, é desejável que o país tenha e concretize um plano integrado de saúde e bem-estar, intersetorial, fortemente articulado com a área da atividade física e desporto.

Enquanto tal não se verifica, que possam ser desenvolvidas medidas políticas que envolvam e integrem a atividade física, a saúde e a educação, os municípios e os jovens”, recomenda o órgão consultivo do Governo.

Para o CNS, a promoção da atividade física, enquanto instrumento para melhorar a condição física, a qualidade de vida e a saúde dos cidadãos, deve ser perspetivada com “um horizonte de longo prazo, para gerar mudanças e melhores indicadores de saúde e qualidade de vida, entendendo o acesso à atividade física como um investimento em saúde”.

O CNS salienta ainda a relevância de serem afirmados os princípios da universalidade, da equidade, da ética desportiva, de acessibilidade, com atenção à prática de pessoas de mobilidade reduzida e outros.

Será também adequado reforçar a importância da ética para o respeito interpessoal, em particular no combate ao assédio e abuso assim como de situações de proteção específica (como o estatuto do estudante atleta no Ensino Superior)” e “complementarmente, estratégias e recursos estruturais que os possam assegurar, para não se tratar de uma mera enunciação de princípios”, defende.

Para o CNS, a atividade física regular é essencial para melhorar a saúde física e mental, mas a sua prática insuficiente continua elevada na Europa.

Relativamente a Portugal, o CNS refere, citando dados do Eurobarómetro 2022, que 73% dos portugueses dizem nunca se exercitar ou praticar desporto, com mais 5% a fazê-lo apenas "raramente" e apenas 4% "regularmente”.

Além do aumento da qualidade de vida e da promoção da saúde, o exercício contribui para prevenir doenças e suas consequências, permitindo reduzir futuras despesas no tratamento de doenças relacionadas com o sedentarismo e a obesidade.

Menções