Alonso reage após nova penalização: "Não compreendo, mas como eles têm o poder..."

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Alonso reage após nova penalização: "Não compreendo, mas como eles têm o poder..."

Alonso satisfeito com o seu P3 na qualificação para a corrida
Alonso satisfeito com o seu P3 na qualificação para a corridaAston Martin
Fernando Alonso (42 anos) voltou a ficar irritado com os comissários da FIA, que decidiram penalizá-lo com 10 segundos na corrida de sprint e três pontos na sua licença. "São penalizações que não compreendo", disse, de forma branda.

Porque o que o veterano piloto espanhol realmente pensa, certamente guardará para si mesmo para não receber mais penalizações. O que é claro é que a relação entre Alonso e os decisores de cada Grande Prémio não podia ser mais tensa e distante.

"São estas penalizações que não se compreendem e que eu não partilho, mas como eles têm o poder de fazer, há que aceitá-las e seguir em frente, especialmente os três pontos da licença, que é, mais uma vez, sem precedentes, uma penalização incrível", disse o piloto da Aston Martin depois de ter sido considerado culpado do toque com Carlos Sainz que arruinou a corrida de ambos.

Nesta situação, Alonso lançou mesmo um repto à Fórmula 1: "Faz-nos pensar se na próxima corrida de sprint queremos mesmo sair para correr, porque pelos pontos que são dados e pelos pneus que usamos, que não os teremos amanhã (domingo), quase que vale a pena não sair. Acho que a Fórmula 1 vai ter de ver isso".

Depois do mau momento no sprint, Fernando Alonso cresceu perante as adversidades para assumir o terceiro lugar da grelha de partida para domingo, quebrando as previsões do simulador.

"É um pouco de teoria e depois este é um desporto tremendamente dinâmico, as mudanças de vento, a temperatura da pista, a preparação dos pneus... há tantas variantes que o simulador não consegue calcular que é preciso estar sempre consciente do que se pode fazer. Estou contente com o dia de hoje (sábado), a corrida será uma história diferente".