Opinião Fórmula 1: Horner mantém-se firme e abre caminho para mais um ano de domínio da Red Bull

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Opinião Fórmula 1: Horner mantém-se firme e abre caminho para mais um ano de domínio da Red Bull
Horner não vai a lado nenhum tão cedo
Horner não vai a lado nenhum tão cedo
Profimedia
Há sempre alguma coisa a acontecer no mundo ininterrupto da Fórmula 1 e Finley Crebolder, do Flashscore, dá a sua opinião sobre as maiores histórias do paddock nesta coluna regular.

Escrito na véspera da nova temporada, a edição desta semana analisa se, com a permanência de Christian Horner, alguém pode representar uma ameaça séria para a Red Bull em 2024 ou se todos devemos esperar outra campanha dominada por Max Verstappen.

Red Bull evita entrar na nova época em turbulência

As relações de Horner com Newey e Marko têm sido fundamentais para o sucesso da Red Bull
Profimedia

Bem, uma das mais turbulentas pausas de inverno de sempre não terminou com um estrondo como muitos esperavam, com Christian Horner a ser ilibado de conduta imprópria depois de alegações de comportamento controlador e coercivo terem desencadeado uma investigação interna.

É impossível dizer se é a decisão certa ou errada, dada a falta de informação disponível - embora seja uma decisão surpreendente, dada a quantidade e gravidade das provas contra ele - mas uma coisa é certa: é uma decisão que torna muito mais provável que o reinado da Red Bull não termine tão cedo.

É certo que a sua saída não teria tornado Max Verstappen ou o carro deste ano mais lento, mas teria custado muito à equipa em termos de estrutura e estabilidade. Afinal, Horner tem sido o capitão do navio desde a sua criação, em 2005, e sempre foi o homem que os guiou em águas turbulentas, assumindo a liderança ao lidar com a imprensa, com as autoridades e com disputas internas, seja entre funcionários ou pilotos.

Uma das suas principais funções é controlar o diretor de desenvolvimento de pilotos, Helmut Marko, uma figura controversa com pouco tempo ou simpatia para com os pilotos com problemas de desempenho. Os dois, com uma espécie de dinâmica de polícia bom e polícia mau, parecem sempre equilibrar-se mutuamente e manter o equilíbrio na equipa, um equilíbrio que pode desaparecer sem a presença do inglês. Marko não é o maior fã de Sergio Perez e, sem Horner, não seria assim tão improvável se houvesse um desentendimento que afastasse o mexicano a meio da época .

Outro homem cujo futuro na Red Bull pareceria incerto sem Horner é o responsável técnico Adrian Newey, que alegadamente tem uma cláusula no seu contrato que lhe permite sair se o chefe de equipa o fizer. Perder o homem mais responsável pelo sucesso da equipa teria sido um golpe monumental, especialmente se ele fosse para a Ferrari, como tem sido falado. Essa saída é a forma mais provável de o reinado de terror da Red Bull terminar, mas é muito menos provável agora.

Não acho que este seja o fim do assunto de forma alguma, já que a funcionária que acusou Horner está aparentemente interessada em tomar medidas legais e apresentar provas que não foram fornecidas à investigação interna, mas, por enquanto, pode continuar a esperar a Red Bull na frente do pelotão.

Conseguirá o Cavallino Rampante domar o touro?

A equipa de Leclerc mostrou-se forte nos testes
Profimedia

Se alguém pode juntar-se a Verstappen e à Red Bull na frente, será provavelmente a Ferrari, que vai para o Grande Prémio do Bahrain na melhor posição de dar luta ao neerlandês e companhia.

Não dou muita importância ao facto de terem feito o tempo mais rápido nos testes - já o fizeram muitas vezes nos últimos anos e nunca conseguiram conquistar o título. Olhando para o ritmo das respetivas equipas nas corridas longas e tendo em conta as cargas de combustível, parece muito mais provável que a Scuderia seja, no mínimo, dois ou mais décimos mais lenta do que os atuais campeões. No entanto, ainda há razões para acreditar que a Ferrari vai, pelo menos, representar uma ameaça maior para os seus rivais do que no ano passado.

Eles estão claramente a começar a nova temporada com uma base muito mais sólida em termos de carro, com o SF-24 mais leve no que toca a desgaste de pneus do que seu antecessor foi no início de 2023 e tanto Carlos Sainz como Charles Leclerc concordam que é muito mais fácil e mais agradável de conduzir.

Pode não ter o suficiente em termos de ritmo para lutar pelas vitórias desde o início, mas é mais provável que isso mude este ano do que no ano passado, não só porque a Ferrari parte de uma posição mais forte, mas porque a Red Bull só pode melhorar um pouco mais antes de atingir o pico, maximizando totalmente o potencial dos seus carros sob estes regulamentos.

Assim que isso acontecer, a diferença na frente só diminuirá se a Ferrari tomar as decisões certas e, embora tenha demorado um pouco para o diretor da equipa, Fred Vasseur, deixar a sua marca depois de assumir o cargo em 2023, estou confiante de que, com uma temporada no currículo, vai fazer a equipa avançar na direção certa.

O seu trabalho será facilitado pelo facto de, com a saída de Sainz no final do ano, não ter de se preocupar tanto em dar aos seus pilotos um tratamento igual e poder dar a Leclerc todo o apoio que este desejar. Com esse apoio e um carro melhor, consigo ver o monegasco a ganhar algumas corridas e a ficar em segundo lugar no campeonato, no mínimo.

A desconexão francesa

A Alpine está em apuros?
Profimedia

A Alpine, a equipa de trabalho da Renault, assumiu alguns riscos enormes no último ano na tentativa de finalmente se tornar uma equipa de topo, mudando toda a estrutura de gestão antes de adotar um conceito completamente novo para o carro de 2024.

Os pilotos Esteban Ocon e Pierre Gasly tentaram minimizar os problemas que a equipa enfrenta, mas muitos especialistas sugeriram que o A524 pode mesmo ser o carro mais lento da grelha. Mesmo que não seja esse o caso, parece altamente improvável que a equipa seja suficientemente rápida para colocar qualquer um dos carros perto do top 10, quer na qualificação, quer na corrida.

Gastar enormes quantidades de tempo e dinheiro num esforço para passar do meio do pelotão para a frente do pelotão, apenas para acabar no fundo, seria um desastre absoluto, maior do que qualquer outro de que me lembre nos últimos tempos - talvez com a exceção de quando a Ferrari passou para o meio do pelotão em 2020 - e colocaria o futuro do projeto em sérias dúvidas.

Ocon e Gasly são ambos pilotos ambiciosos e altamente cotados, que não terão qualquer desejo de ser pilotos de reserva e terão muitas opções alternativas quando os seus contratos expirarem no final desta época. Conseguir que qualquer um deles renove e fique seria difícil de vender se as coisas estiverem tão más como parecem.

Conseguir que a Renault fique na grelha também pode ser difícil, tendo em conta a falta de progressos que a equipa de F1 tem feito em quase uma década. Uma época na luta com equipas como a Haas e a Sauber deve ser o suficiente para os fazer reconsiderar a sua posição para a nova era que começa em 2026.

A empresa francesa também não teria falta de pretendentes se quisesse livrar-se da equipa, com um consórcio liderado pelos proprietários do Wrexham FC, Ryan Reynolds e Rob McElhenney, a comprar quase um quarto da equipa no ano passado e a Andretti, uma empresa de corridas americana, ainda desesperada por encontrar uma forma de entrar na grelha. Em suma, se 2024 for tão mau para a Alpine como parece que poderá ser, poderá haver enormes implicações para o futuro do desporto.

A opinião de Finley Crebolder
Flashscore