Defesas da França alertam para as dificuldades esperadas contra Marrocos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Defesas da França alertam para as dificuldades esperadas contra Marrocos
Raphael Varane mostrou-se ciente da qualidade de Marrocos
Raphael Varane mostrou-se ciente da qualidade de Marrocos
AFP
Na antecâmara de uma inesperada meia-final do Mundial-2022, Raphael Varane e Jules Koundé mostraram-se cientes da capacidade de Marrocos e deixaram o aviso de que a seleção africana é muito mais do que uma equipa estritamente defensiva.

Marrocos chegou às meias-finais da competição depois de bater Espanha e Portugal nas fases a eliminar, tendo apenas sofrido um golo durante todo o torneio.

As transições rápidas e o conforto demonstrado em momentos de posse de bola têm deixado boa impressão no Catar e os campeões em título recusam dar algo como garantido no duelo que se avizinha.

"Temos experiência suficiente para evitar cair nessa armadilha (de revelarem confiança a mais). Eles (Marrocos) chegaram a esta fase por alguma razão", sublinhou Varane.

"Defendem muito bem, será extremamente difícil. Nós, líderes da equipa, temos de preparar todos os jogadores para outra batalha. É a meia-final do Campeonato do Mundo, temos de dar tudo até ao fim se queremos merecer o nosso lugar na final", acrescentou.

Ciente de que o conunto liderado por Walid Regragui se apresentará com elevados níveis de confiança, o defesa-central não se esquivou a analisar o próximo adversário da França.

"Estão a escrever a história do futebol de Marrocos, têm força coletiva e prestações que lhes dão muita confiança. São fisicamente muito capazes, perigosos nas transições e nas bolas paradas também".

Koundé, que terá a missão de conter Sofiane Boufal, não se mostrou preocupado, mas salientou as qualidades do conjunto africano.

"Não estou preocupado, mas sabemos que eles bateram grandes equipas para chegarem aqui e vamos levar o jogo a sério. Já não é uma surpresa vê-los aqui, eles merecem", vincou.

"São muito compactos. Dão muito pouco tempo ao jogador que tem a bola para que este se organize. Temos de jogar rapidamente e tentar quebrar o equilíbrio deles. Estamos bem cientes das suas qualidades. São muito eficientes com a bola, combinam de forma rápida para encontrar os seus alas. O que fizeram é notável, tendo concedido apenas um golo, especialmente se olharmos para as equipas com que jogaram. Teremos de ser muito organizados para podermos marcar", sublinhou.

O vencedor deste duelo defrontará Argentina ou Croácia na final do Mundial-2022, agendada para domingo.