Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Thierry Henry junta-se ao apelo ao voto: "O que pode travar os extremos é ir votar"

Thierry Henry na conferência de imprensa.
Thierry Henry na conferência de imprensa.AFP
Thierry Henry falou aos jornalistas numa conferência de imprensa na segunda-feira. Juntou-se ao apelo ao voto.

Introdução: "Antes de começar, penso que já sei para onde estamos a ir, por isso vou ser eu a liderar. Gostaria apenas de dizer que concordo com tudo o que foi dito anteriormente sobre o que vocês conhecem tão bem. Concordo com o que os jogadores disseram. Posso citar Kylian Mbappé, Ousmane Dembélé e, claro, o treinador. O que pode acabar com os extremos é ir votar. Sou contra tudo o que divide e um pouco mais a favor de tudo o que une."

Convocatória: "Vou ser sincero convosco, sabia que ia ser difícil, mas vivê-lo é algo diferente. Continua a não ser fácil. Os clubes têm o direito de dizer não, mas está a tornar-se difícil. Ando com o meu telemóvel porque nunca se sabe quando vai tocar. Tentamos construir a nossa lista de acordo com a forma como queremos jogar, mas a certa altura temos de nos adaptar. Temos de repensar o que precisamos de fazer, e isso não é fácil. Ter a lista significa que se pode passar a outras coisas, especialmente em termos tácticos. É preciso escolher a partir da lista inicial. Se essa lista se esgota, sobretudo numa posição, começa a ser difícil. O nosso objetivo é Loïc Badé para substituir Maxime Estève. Estamos a tentar reequilibrar a equipa e fizemos algumas chamadas. Chegámos a um acordo com Loïc."

Alexandre Lacazette: "Vi-o jogar bem. É verdade que ele sempre teve uma relação um pouco estranha com a equipa principal. Vi-o bem no primeiro dia, feliz por estar aqui. Tive uma pequena conversa com ele que ficará entre nós. Ele tinha algumas perguntas, o que era normal e legítimo. Quando se apercebeu da dimensão do que podia alcançar, a partir desse momento tudo se tornou muito fácil, sem problemas."

Recordações: "Sim, podemos voltar a 98, e a essa famosa prova, a esses famosos dias, treinar às 10 da manhã, treinar à tarde, ver o que se pode fazer para ser notado. Sim, quando cheguei ontem, lembrei-me que já cá tinha estado e que passei aqui uma boa parte da minha infância."

Calendário: "Foi muito fixe, vai ser um pouco menos fixe, mas esta manhã foi um pouco de jogging, tocar na bola, reforço muscular. Esta tarde, vamos tocar na bola e reforçar a nossa força. Até agora, tudo bem."

Rayan Cherki: "O Rayan não estava na lista anterior, por isso não houve qualquer problema. Se olharmos para a primeira lista, é normal. Quando os jogadores desaparecem, também é normal que regressem. O que eu gosto no Rayan , apesar do que as pessoas possam dizer, é que ele adora a seleção nacional, adora futebol. O seu amor pelo futebol ainda está presente. O que me agradou quando ele voltou foi o facto de ter feito o que tinha de fazer sempre que regressou. Um jogador como Barcola desaparece, Rayan chega."

Kylian Mbappé: "Zero. Nada, nunca vai acontecer nada. Eu sabia que os jogadores do Real não iam poder vir. Tentámos, mas até que ponto? Do meu ponto de vista, não havia qualquer esperança de que as coisas mudassem. Pessoalmente, recebi um não educado, mas foi um não (sorriso)."

Capitão: "Ainda não decidimos. Houve algumas discussões, vamos falar com a equipa e ver como as coisas evoluem. Os jogadores dizem-nos, só de olhar para eles, quem é o líder técnico, aquele que fala e a quem todos ouvem, por isso vamos ver o que acontece."

Michael Olise: "Ele tem uma enorme margem de progressão. O que ele está a fazer na Premier League e se não se tivesse lesionado, penso que poderia ter feito 15 golos e 15 assistências, tem essa qualidade. Lesiona-se com alguma frequência, por isso temos de ter cuidado, mas é um jogador de enorme qualidade."

Tática: "Tenho uma ideia muito clara da forma como vamos evoluir, esperando que não seja ao contrário, e também que resulte nos amigáveis.

Futuro: "Nem sequer estou a pensar nisso. A equipa e eu definimos o ouro como o nosso objetivo. Qualquer coisa menos do que isso...".

Jean-Philippe Mateta: "Ele é um avançado à moda antiga, então você pode jogar um pouco mais. Ele pode ficar com a bola. É um avançado aborrecido de defrontar, não recua muito, vai atrás do último defesa. Joga com o corpo, é bom de cabeça e marca golos, o que é importante. Um avançado como ele dá-nos outra dimensão no jogo. Penso que foi eleito o melhor jogador do ano pelo Crystal Palace, o que não é mau."