Daniel Ramos espera Arouca "consolidado" na receção ao Casa Pia

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Daniel Ramos espera Arouca "consolidado" na receção ao Casa Pia
Daniel Ramos quer ver um Arouca melhor
Daniel Ramos quer ver um Arouca melhor
Arouca
O treinador do Arouca, Daniel Ramos, afirmou este sábado que o seu conjunto beneficiou do interregno da Liga para os desafios das seleções, estando mais "consolidado" taticamente para a receção ao Casa Pia, da quinta jornada.

Em antevisão ao duelo que opõe 'lobos' e 'gansos', marcado para as 15:30 de domingo, o técnico arouquense mostrou-se satisfeito pelo tempo de preparação, que contrastou com o início de temporada atribulado pela participação na terceira pré-eliminatória da Liga Conferência. 

 "Deu para conseguirmos consolidar comportamentos. Trabalhámos em cima do processo ofensivo, defensivo, tentámos sempre olhar de forma aquisitiva, de tática, enriquecer o conhecimento tático dos jogadores. Quanto melhor os jogadores conhecerem o jogo, e é para isso que os treinadores servem, mais preparados estão para as dificuldades que vêm. Tivemos estas duas semanas", constatou o treinador, em conferência de imprensa de antevisão à partida.

Após o polémico encontro frente ao FC Porto (1-1), na última jornada, em que o emblema da Serra da Freita consentiu o empate nos instantes finais, tendo sido, ainda assim, a primeira equipa a retirar pontos ao vice-campeão nacional na atual temporada, Daniel Ramos abordou a defesa a cinco elementos como estrutura que pode surgir novamente e que tem vindo a ser trabalhada.

"O sistema tático defensivo do Dragão não é novo para nós. Contra o Rio Ave, também jogámos com uma linha a cinco, aqui a nuance acabou por ser três centrais, no outro jogo, jogámos com o Esgaio atrás. Não é novo, é uma das duas formas de defendermos, que trabalhamos desde o início da época", explicou.

Relativamente ao Casa Pia, o treinador considera que é um adversário em crescimento e cria sempre muitas dificuldades aos adversários, num campeonato de grande equilíbrio, em que "as dificuldades são semanais" e "os jogos acessíveis não existem".

"O Casa Pia é uma equipa difícil de defrontar, aquela que chamamos de ‘chata’, no bom sentido, porque cria sempre grandes dificuldades a qualquer adversário. É uma equipa compacta, sólida do ponto de vista defensivo, perigosa a atacar, principalmente nas transições, mas não só. Também nas bolas paradas e, em termos de ataque organizado, tem vindo a crescer e isso é sinal do trabalho da equipa técnica e dos jogadores. É uma equipa que tem evoluído, a meu ver", afirmou.

Daniel Ramos deixou ainda uma palavra de apreço ao defesa Rafael Fernandes, convocado recentemente por Rui Jorge para a seleção portuguesa de sub-21 e que tem sido frequentemente aposta para o eixo defensivo do Arouca, elogiando a sua evolução.

"Ele tem feito um trabalho notável no sentido de evoluir. É um miúdo que quer bastante triunfar, é humilde, trabalha bem e ainda pode trabalhar melhor. É esse o incentivo que nós, enquanto treinadores, temos de lhe passar, corrigir alguns aspetos e ter esta frontalidade de lhe dizer em que precisa de melhorar. Ele tem feito esse esforço, crescido, e tem merecido da nossa parte confiança, oportunidades para jogar e, com mérito, tem-nas aproveitado”, elogiou.

Benji Michel já faz trabalho de campo, mas ainda não deverá ser opção para a partida de domingo, ele que vem de uma longa paragem por lesão, com Pedro Moreira e Vitinho também a recuperar de lesão.

O Arouca, oitavo classificado da Liga, com seis pontos, recebe às 15:30 de domingo o Casa Pia, nono, com cinco, sob arbitragem de André Narciso, da Associação de Futebol de Setúbal.