Otamendi em lágrimas ao recordar esforço da mãe: "Dava o pouco que tinha e talvez não se alimentasse bem"

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Otamendi em lágrimas ao recordar esforço da mãe: "Dava o pouco que tinha e talvez não se alimentasse bem"
Otamendi foi campeão do Mundo pela Argentina há um ano, no Catar
Otamendi foi campeão do Mundo pela Argentina há um ano, no Catar
AFP
Nicolás Otamendi, central e capitão do Benfica, deu uma entrevista à ESPN, inserida na série "Campeões, um ano depois", da Star, que conta com os jogadores que foram campeões do Mundo no Catar, pela Argentina.

Com várias interrupções durante a entrevista, devido às lágrimas que lhe iam caindo pelo rosto, Otamendi reforçou a gratidão que tem pela sua mãe e pela restante família, tendo-lhes dedicado a conquista do Campeonato do Mundo, conquistado há um ano, no Catar.

"A minha mãe acompanhou-me aos treinos até aos 13 anos. Depois, por causa dos custos da viagens, já não me acompanhava. Não tínhamos dinheiro. Eu ia sempre com a roupa da escola para pagar apenas 10 cêntimos pelo bilhete escolar do autocarro. Às vezes só tinha dois pesos (moeda da Argentina) que a minha mãe me dava para comprar algo para comer. Mas eu sei que lhe custava muito me dar esse dinheiro. Sabia que era um momento difícil. A minha mãe limpava casas e sabia o esforço que ela fazia para que eu pudesse ir aos treinos. Lembro-me disso até hoje, porque foi um esforço muito grande da minha mãe que me acompanhou muito. Também houve a ajuda do meu pai e dos meus irmãos", afirmou Otamendi.

"Sabia que a minha mãe me dava o pouco que tinha para eu poder viajar e talvez ela não se alimentasse bem", disse, com nova pausa devido à emoção.

"O meu desejo era dar-lhes este troféu. Não há palavras para descrever o que significava vencer o Campeonato do Mundo com a camisola do meu país", frisou o central do Benfica.

"Foi um grande esforço que foi feito, sobretudo pela minha mãe, que sempre me acompanhou. E depois também tive a ajuda dos meus irmãos e do meu pai, que foi quem me ajudou para que eu pudesse viajar. Até hoje sinto que devo tudo a eles", disse Otamendi.