Portimonense confiante, mas “com todo o respeito” pelo lanterna-vermelha Estoril

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Portimonense confiante, mas “com todo o respeito” pelo lanterna-vermelha Estoril
Paulo Sérgio, treinador do Portimonense
Paulo Sérgio, treinador do Portimonense
Portimonense SAD
O treinador do Portimonense, Paulo Sérgio, disse esta sexta-feira que a sua equipa está confiante para a receção de sábado ao Estoril, mas com todo o respeito pelo adversário, 18.º e último classificado da Liga.

Debruçámo-nos sobre tudo o que tem estado a ser feito com o Vasco (Seabra, treinador do Estoril há um mês) e as coisas estão bastante identificadas. Já fizemos o nosso trabalho de casa, preparámo-nos para aquilo que o jogo vai oferecer e estamos confiantes, mas com todo o respeito pelo adversário. A classificação (do Estoril) não me diz rigorosamente nada neste momento”, afirmou Paulo Sérgio.

Em conferência de imprensa, o treinador sustentou que o Portimonense tem “um propósito” para o encontro da nona jornada com os estorilistas: “Conseguirmos provar que estamos a crescer como equipa e conseguir fazê-lo através de um bom resultado".

Após a vitória da semana passada sobre o Sporting da Covilhã (4-1), para a Taça de Portugal, Paulo Sérgio lembrou que “é sempre melhor trabalhar em cima de vitórias do que o contrário”, recusando porém “qualquer tipo de adormecimento”.

O campeonato vai ser duríssimo e aqueles que estiverem mais focados, mais cientes daquilo que os espera, obviamente estarão melhor preparados. É isso que quero que a equipa faça, saiba reconhecer aquilo que são as qualidades do adversário para saber o trabalho que nos vai dar para atingir o objetivo que pretendemos”, apontou.

Questionado sobre as mudanças que tem feito no ataque dos algarvios – variando entre dois ou três elementos –, Paulo Sérgio garantiu que o seu objetivo passa por “encontrar soluções” para aproximar o Portimonense das vitórias e que não se considera um treinador de ideias fixas.

Ter essa ideia fixa de que tem de ser sempre da mesma maneira, não tenho, nunca tive. Já me apelidaram de camaleão nesse sentido. Dentro de um só jogo, muitas vezes as equipas passam por diferentes fases e momentos em que o jogo pede diferentes respostas. E eu trabalho a minha equipa para ela poder ter essa elasticidade tática, ter a capacidade de dar essa resposta, seja no início ou durante. Nós trabalhamos dessa maneira já há muitos anos”, finalizou.

Portimonense, 12.º classificado, com oito pontos, e Estoril, 18.º e último, com quatro, defrontam-se no sábado, às 15:30, no Estádio Municipal de Portimão, com arbitragem de Ricardo Baixinho, da associação de Lisboa.

Siga o Portimonense-Estoril no Flashscore