Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Exclusivo com Thomas Frank: Treinador do Brentford fala sobre objetivos e o rumor do Manchester United

Thomas Frank espera mais do Brentford na próxima temporada
Thomas Frank espera mais do Brentford na próxima temporadaAFP
"É sempre bom querer mais, mas sim, penso que esta época pode ser considerada positiva. Muitas pessoas, tanto dentro como fora do clube, dizem-me que esta é talvez a época mais bem-sucedida que tivemos, tendo em conta as adversidades que enfrentámos", afirmou Thomas Frank, em entrevista exclusiva.

A temporada foi longa para o Brentford e para o técnico dinamarquês Thomas Frank (50 anos), mas, ao chegar ao fim, o treinador está satisfeito com o resultado.

"O nosso melhor marcador, com 20 golos na Premier League na época passada, foi suspenso por seis meses. Além disso, penso que fomos os que tivemos mais problemas com lesões, juntamente com o Newcastle. A certa altura, tivemos sete titulares de fora e perdemos jogadores importantes em vários momentos da época. Tivemos de mudar o nosso sistema e adaptarmo-nos a toda a hora. E isto na liga mais difícil do mundo e com o nosso orçamento", lembrou Thomas Frank.

"Na época passada tínhamos o orçamento mais reduzido, esta época estamos novamente entre os mais reduzidos do campeonato. Considerando tudo isso, acho que a temporada foi boa", continua o treinador, em entrevista exclusiva ao Tribal Football. No entanto, o técnico ainda não consegue deixar de estar ligeiramente irritado com a forma como as coisas correram.

"Queremos ser uma mais-valia para a Premier League, não queremos apenas participar. Não estou a dizer que devemos estar entre os 10 primeiros na próxima época, porque neste campeonato podemos perder rapidamente o ímpeto, pois o nível é muito elevado. Mas detesto quando as pessoas me felicitam por ter sobrevivido a mais uma época", assumiu.

"Isso é muito aborrecido, perdoem-me a expressão. Sei que é o campeonato mais difícil do mundo e, no fim de contas, o que importa é ganhar jogos. Eu percebo isso. Mas treinámos tanto na pré-época para nos elevarmos ao próximo nível e basta olhar para os primeiros 10-12 jogos da época. Subimos em todas as estatísticas ofensivas. E depois vieram as lesões. Gostaria de ter tentado um pouco mais nesta temporada, mas, no final, contenta-se com o objetivo mínimo, que é ficar na Premier League, naturalmente", explica Thomas Frank, que acredita que o Brentford deve misturar-se com as equipas que estão a meio da tabela, sonhando em ir mais longe.

"Tenho a teoria de que não se pode tocar nos seis ou sete primeiros classificados, a menos que eles realmente tenham uma temporada negativa. Isso significa que o nosso lugar é algures entre o oitavo e o décimo sétimo e, numa época mágica, talvez subamos ainda mais. Sim, o dinheiro fala, mas é possível vencer as probabilidades, como provámos nos meus sete anos no clube", acrescenta o treinador.

A classificação do Brentford
A classificação do BrentfordFlashscore

Três jogos abaixo do exigido

Por falar em superar as probabilidades, Thomas Frank já está cansado de ouvir as pessoas dizerem que o Brentford está a jogar muito acima do seu peso.

"Olhando apenas para os orçamentos, sim, estamos acima do nosso peso, mas realmente acho que temos ótimos jogadores. Também acho que somos muito bons a tirar o melhor partido desses jogadores. Temos uma estrutura muito boa e uma cultura fantástica que nos pode levar longe. Não há uma única das nossas três épocas na Premier League para a qual se possa apontar e dizer que tivemos mais do que merecíamos", explica.

"Terminámos em nono lugar na época passada, e nada indica que deveríamos ter terminado mais abaixo. A questão era se não deveríamos ter terminado ainda mais acima. Por isso, acredito que tivemos um desempenho de acordo com os nossos padrões", afirma Thomas Frank, apontando três exceções esta época.

"Perdemos em casa contra o Everton, perdemos o jogo fora contra o Sheffield United e quando perdemos por 4-2 contra o West Ham. Esses três jogos foram muito fracos da nossa parte. Em todos os outros jogos, tivemos um desempenho pelo menos razoável", elenca.

A forma recente do Brentford
A forma recente do BrentfordFlashscore

Colocando as coisas em perspetiva

Ao contrário de alguns dos seus colegas, raramente se vê Thomas Frank a reclamar, o que tornou ainda mais notável quando de repente desabafou as suas frustrações em conferência durante a temporada, principalmente porque foi dirigido aos adeptos do Brentford.

"Sim, fiquei um pouco irritado por ter sido vaiado fora de campo contra o Chelsea. Não foi uma grande primeira parte e estávamos a perder por 1-0, mas é o Chelsea que estamos a enfrentar. As coisas têm de ser postas em perspetiva. Se não tivéssemos jogado, se estivéssemos a perder por 4-0, seria justo, mas não naquele momento", diz Thomas Frank, que goza de uma boa reputação na comunidade de Brentford.

"Tenho plena consciência de que isso pode mudar depois de três derrotas consecutivas, não sou estúpido, mas tenho a minha opinião e nunca tive medo de a dizer. Apenas tento expressá-la de forma decente", acrescenta.

O treinador do Brentford está prestes a tornar-se o quarto na lista dos treinadores com mais tempo de serviço nas quatro principais ligas inglesas, quando Jurgen Klopp deixar o Liverpool este verão. Quando Klopp anunciou a sua despedida, o treinador do Manchester City, Pep Guardiola, afirmou que o alemão tornou-o num melhor treinador e Frank também se inspirou em Klopp.

"Acho que todos os treinadores da Premier League me inspiram de alguma forma. É fácil apontar os dois maiores nomes, Klopp e Pep, mas também acho impressionante o que Eddie Howe fez no Newcastle, por exemplo. Também tenho muito respeito pelo que Sean Dyche está a fazer no Everton", explica.

"Chris Wilder não teve a melhor das épocas, mas lembro-me de o ter enfrentado pela primeira vez no Sheffield United e de ter ficado muito impressionado com a estrutura da sua equipa. Olho para o que os outros estão a fazer e depois faço as coisas à minha maneira", diz Frank, que lamenta que a velha tradição de os treinadores partilharem um momento de silêncio depois de um jogo tenha desaparecido um pouco.

"Sean Dyche disse-me que é uma tradição em extinção. Mas eu e ele fazemo-lo, também o fiz com Rob Edwards(Luton) e David Moyes, claro. Também o fiz com Brendan Rodgers, ou seja, com os britânicos, mais ou menos", diz Frank, que foi um dos treinadores que, segundo os rumores, poderia suceder a Klopp no Liverpool, tal como agora fala-se dele no lugar de Erik ten Hag no Manchester United. Embora considere os rumores lisonjeiros, Frank continua a adorar a vida em Brentford.

"Ser selecionado para uma posição como esta é, naturalmente, um reconhecimento do trabalho de alguém, mas, como já disse muitas vezes, não tenho qualquer problema em ficar onde estou durante muito tempo. É quase uma vida perfeita no futebol", diz o dinamarquês, que já começa a preparar a sua quarta temporada na Premier League.

Acompanhe a Premier League no Flashscore