Lockyer, capitão do Luton Town, não sabe se voltará a jogar futebol: "Foi aqui que colocaram o desfibrilhador"

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lockyer, capitão do Luton Town, não sabe se voltará a jogar futebol: "Foi aqui que colocaram o desfibrilhador"
Lockyer desmaiou no relvado durante o jogo entre o Bournemouth e o Luton
Lockyer desmaiou no relvado durante o jogo entre o Bournemouth e o Luton
Profimedia
Tom Lockyer (29 anos), capitão do Luton Town, passou por um momento difícil há dois meses, quando o galês sofreu uma paragem cardíaca durante o jogo da Premier League, contra o Bournemouth.

O infeliz incidente ocorreu a 16 de dezembro de 2023. Aos 65 minutos do jogo com o Bournemouth, as bancadas ficaram em silêncio quando Lockyer desmaiou no relvado. Os médicos de ambas as equipas intervieram imediatamente e conseguiram estabilizar o capitão galês.

O jogo da 17.ª jornada foi suspenso, quanto estava 1-1. Os responsáveis da Premier League decidiram repetir o jogo desde o primeiro minuto. O Bournemouth-Luton Town será disputado a 13 de março.

"Foi aqui que colocaram o meu desfibrilhador"

Quanto a Tom Lockyer, o futebolista foi submetido a exames médicos exaustivos e não joga há dois meses. Neste momento, não se sabe se poderá voltar a jogar futebol.

Por precaução, os médicos equiparam Lockyer com um desfibrilhador cardíaco. Num vídeo publicado pela Sky Sports, o jogador mostrou as cicatrizes deixadas pela operação e explicou como funciona o dispositivo que monitoriza o seu coração.

"Esta é a minha ferida de batalha. Aqui tenho o desfibrilhador, como podem ver. Depois tenho um fio que vem daqui (mostrando a direção no peito) e que vai até ao coração, para o caso de ser necessário ativá-lo. Este aparelho monitoriza constantemente o meu ritmo cardíaco e, se alguma vez sair de determinados parâmetros, dá-me um choque. Penso que a bateria dura 10 anos, pelo que tem de ser mudada de 10 em 10 anos. Espero nunca precisar dele, mas está lá por precaução", explicou Lockyer.

"Adoraria voltar a andar por aí".

"Isso será ditado pela equipe médica e pelos especialistas, mas o que posso dizer é que, se houver uma chance - é claro que não farei nada contra as recomendações dos especialistas -, eu adoraria voltar ao campo", concluiu Lockyer.