Oliver Glasner: O antigo adjunto de Schmidt que quer revitalizar o Crystal Palace

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Oliver Glasner: O antigo adjunto de Schmidt que quer revitalizar o Crystal Palace
Oliver Glasner foi nomeado novo treinador do Crystal Palace na segunda-feira
Oliver Glasner foi nomeado novo treinador do Crystal Palace na segunda-feira
AFP
O Crystal Palace nomeou o antigo técnico do Eintracht Frankfurt, Oliver Glaser, na segunda-feira, numa tentativa de se afastar da zona de rebaixamento da Premier League.

Glasner, de 49 anos, foi contratado poucas horas depois da saída de Roy Hodgson, que deixou o cargo antes do empate do Crystal Palace contra o Everton. O resultado deixou o clube londrino no 15.º lugar e com um registo recente de apenas duas vitórias em 14 jogos.

Enquanto o Palace busca um novo rumo sob o comando de Glasner, quem é o austríaco e o que ele trará para Selhurst Park?

De jogador a treinador

Como jogador, Glasner fez carreira na Áustria entre 1992 e 2011, disputando 571 partidas pelo Ried e sendo emprestado ao LASK. Depois de recuperar de uma cirurgia, Glasner iniciou a sua carreira de treinador em 2012.

O primeiro passo de Glasner foi como assistente no RB Salzburgo, sob o comando do então treinador Roger Schmidt, que atualmente dirige o Benfica.

Glasner regressou ao Ried em 2014, tornando-se treinador do clube durante uma época, antes de se juntar ao LASK, levando o clube a subir do segundo escalão e a participar nas rondas de qualificação da Liga dos Campeões e da Liga Europa.

Os quatro anos de sucesso chamaram a atenção dos alemães e foi nomeado treinador do Wolfsburgo em 2019, onde garantiu o acesso à Liga dos Campeões na sua segunda campanha. Apesar da qualificação para a principal competição europeia, Glasner trocou a Baixa Saxónia pelo Eintracht Frankfurt.

O início no clube foi difícil, com a equipa ancorada na metade inferior da Bundesliga a meio do campeonato, embora o oposto possa ser dito das suas iniciativas na Liga Europa.

Oliver Glasner festeja com o troféu da Liga Europa
Profimedia

Glasner levou o Frankfurt ao primeiro título europeu em 42 anos, derrotando clubes como Barcelona e West Ham antes de derrotar o Rangers nos penáltis, na final.

Foi um grande feito e algo que o clube teria dificuldade em repetir, sendo eliminado da Liga dos Campeões nos oitavos de final, perdendo a final da Taça da Alemanha e terminando o campeonato seguinte em sétimo lugar.

Glasner deixou o Frankfurt no final da época 2022/23, com um ano de contrato por cumprir, tendo o clube invocado o "desenvolvimento desportivo e o desempenho global" para justificar a decisão.

Intensidade e honestidade

Uma das coisas que Glasner vai trazer para o Palace é um estilo de pressão, com o objetivo de forçar erros e ganhar a bola no alto do campo. Tem tendência para privilegiar uma formação 3-4-2-1, com uma forte concentração a partir da frente e os laterais a terem uma grande influência na ação.

Esta será uma grande mudança para os jogadores do Palace, que muitas vezes se mostraram um pouco passivos quando não tinham a posse de bola e tendiam a ficar em bloco baixo sob o comando de Hodgson.

Com essa abordagem agressiva, Glasner confia muito nos seus jogadores e costuma deixar claro se algo não está bem. Basicamente, ele não tem medo de deixar seus sentimentos transparecerem.

O novo treinador do Crystal Palace, Oliver Glasner (C), fala com o presidente Steve Parish
AFP

E, embora essa honestidade possa ser considerada refrescante, ela foi parte de suas saídas do Wolfsburg e do Frankfurt, com as relações em ambos os clubes supostamente ficando tensas em relação às contratações.

Ainda assim, embora o estilo de Glasner possa ser complicado de implementar a curto prazo, as suas tácticas podem trazer alguma frescura em termos de estética para o resto do mandato.

Quais jogadores podem ser beneficiados?

Eberechi Eze e Michael Olise, que podem se destacar ainda mais com um pouco mais de liberdade no ataque. Embora ambos estejam lesionados, a utilização dinâmica de Daichi Kamada e Jesper Lindstrom por Glasner no Frankfurt pode ser um bom exemplo para a dupla.

Michael Olise e Eberechi Eze, do Crystal Palace
Profimedia

Alguns dos laterais do Palace podem se beneficiar com a chegada de Glasner, apesar de não terem sido incumbidos de jogar mais pelos flancos com muita frequência. Tyrick Mitchell parece ser a melhor aposta para a esquerda, mas Daniel Muñoz, que chegou em janeiro, pode ser o mais intrigante do lado oposto. Antes de chegar ao Palace, o colombiano marcou sete gols em 29 jogos pelo Genk nesta temporada e teve uma campanha produtiva na última, com oito gols e sete assistências.

Os seus métodos não vão necessariamente trazer uma solução rápida para os problemas do Palace - é uma estrutura que exige rigidez e que todos os jogadores estejam na mesma página. Mas o apoio certo para moldar o seu plantel durante o verão poderá trazer uma direção diferente e uma perspetiva mais positiva para o clube.

Siga o Crystal Palace - Burnley no Flashscore