Análise a cinco meses de investimento na Arábia Saudita: Um conto com duas caras

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Análise a cinco meses de investimento na Arábia Saudita: Um conto com duas caras
Cristiano Ronaldo e o Al-Nassr atraem os adeptos - noutros locais da Arábia Saudita, os estádios permanecem vazios.
Cristiano Ronaldo e o Al-Nassr atraem os adeptos - noutros locais da Arábia Saudita, os estádios permanecem vazios.
Reuters
Cristiano Ronaldo abriu caminho, com muitos jogadores de topo das principais ligas europeias a seguirem-lhe os passos. A ofensiva de transferências do campeonato saudita foi a sensação futebolística do verão e, sem dúvida, virou o mercado de pernas para o ar. Quase cinco meses após o início do período de transferências mais espetacular de todos os tempos, é hora de fazer um balanço. A seguir, vamos analisar os craques e os que estão a jogar longe dos holofotes.

Odion Ighalo já viu muita coisa. O nigeriano estreou na primeira divisão do seu país aos 15 anos, depois foi para a Europa aos 18 e chegou às principais ligas do mundo através da Noruega. Deixou marca na Serie A, na LaLiga e até realizou o sonho de jogar no seu clube favorito, o Manchester United. Atualmente joga na Arábia Saudita, o país que mais cresce no futebol.

Pode-se dizer que o jogador de 34 anos é uma espécie de pioneiro. Mudou-se para o país do deserto em 2021, muito antes de um certo Cristiano Ronaldo ter surpreendido o mundo com a sua transferência para o Al Nassr em janeiro de 2023. Desde então, estrelas como Neymar, Karim Benzema, Riyad Mahrez, Rúben Neves e Sadio Mané seguiram-no para o reino do Médio Oriente. No total, os clubes do campeonato saudita investiram quase 950 milhões de euros num só verão - muito mais do que a Bundesliga ou a Serie A, por exemplo.

É interessante notar que quatro clubes são responsáveis por um total de 825 milhões de euros em despesas. O Al-Wahda, clube de Ighalo, não é um deles. Com um investimento de 1,25 milhão de euros no verão, o clube foi parcimonioso e só foi a jogo com a transferência do marroquino Jawad El Yamiq, de 31 anos. O clube do local de peregrinação de Meca não pode oferecer a atração das grandes estrelas.

A euforia entre os espectadores também é escassa. Na 14.ª jornada, apenas 447 adeptos, contados à mão, assistiram ao jogo em casa do Al-Wahda contra o Al-Khaleej, apesar de o Estádio King Abdul Aziz ter capacidade para 38 000 espectadores. Quem não compareceu não só perdeu a vitória em casa por 3-1 do atual nono classificado, como também os três golos de Ighalo.

Um campeonato de contrastes 

O destino do Al-Wahda simboliza um campeonato dividido. Fora dos "quatro primeiros", a média de público é de 4.600 adeptos (até o astro Steven Gerrard teve recentemente de jogar perante menos de 700 espectadores no seu clube, o Al-Ettifaq ), o que é mais ou menos comparável à primeira liga húngara e muito abaixo da média da elite romena. Os quatro clubes mais populares, por outro lado, registam uma média de público superior a 20 000 espectadores por jogo, um número que está quase ao nível da Ligue 1 francesa.

É interessante notar que a média global do campeonato se manteve estável em relação aos anos anteriores. Com cerca de 8.800 espectadores, está praticamente ao mesmo nível da época anterior; na época 2021/22 - e, portanto, muito antes da chegada de Ronaldo & Co. - uma média de mais de 10.000 pessoas assistiu mesmo aos jogos do campeonato saudita. Num país com uma população de mais de 35 milhões de habitantes, que o presidente da FIFA, Gianni Infantino, descreveu recentemente como "louco por futebol", ainda há espaço para melhorias.

A classificação do campeonato saudita
Flashscore

Isso também se deve ao facto de a liga querer ser estrategicamente interessante não só para os seus próprios compatriotas, mas também para o mercado internacional. No âmbito da ofensiva desportiva global - negativamente designada por sportswashing (lavagem desportiva)- a Arábia Saudita também quer conquistar os adeptos europeus e, por isso, distribuiu os jogos da liga pelos dias em que o futebol europeu está menos presente: os jogos às quintas e sextas-feiras às 18:00 locais, por exemplo, fazem parte da jornada regular.

Voltemos à liga de dois escalões: os grandes nomes geram grandes receitas, mas será que marcam golos? Se olharmos para as estatísticas, CR7 está acima de todos os outros, como sempre esteve na sua carreira. Os 15 golos e as sete assistências são os melhores números do campeonato. Seguem-se também os caros recém-chegados Aleksandar Mitrovic, Malcom e Karim Benzema. Só aparecem nomes pouco conhecidos no país, como Mourad Batna ou Firas Al-Buraikan.

Benzema empolgado, Jota descartado

Juntos, eles proporcionam um nível de futebol que impressionou o internacional francês Benzema após a sua transferência do Real Madrid no início de julho. " muita paixão aqui e estou contente com o nível de jogo. Estou realmente surpreendido com o nível da Arábia Saudita, porque na Europa não se viam muitos jogos de futebol daqui. Agora estão por todo o lado".

Jota, o novo reforço do Al-Ittihad, de 29 milhões de euros, descobriu como as coisas podem funcionar. O driblador português chegou ao Reino Unido vindo do Celtic no verão, mas algumas semanas depois foi informado de que tinha sido retirado da lista de inscritos para o campeonato devido ao excesso de estrangeiros no plantel. A última aparição do jogador de 24 anos na Pro League foi no dia 1 de setembro, e ele só foi autorizado a jogar na Liga dos Campeões da Ásia. Entretanto, o ex-Benfica está a pensar num regresso ao Celtic ou numa transferência para Inglaterra.

De qualquer forma, as transferências de craques para a Arábia Saudita devem ser coisa do passado, se Michael Emenalo levar a melhor. O antigo diretor técnico do Chelsea trabalha agora para a Saudi Pro League. Mais especificamente, ele trabalha para o Centro de Aquisição de Jogadores para Excelência (PACE), que é responsável pelo recrutamento de jogadores em todos os clubes. Para ele, a contratação de jogadores caros da Europa é apenas o primeiro passo de uma estratégia de longo prazo.

"Espero que não aconteça muita coisa na janela de transferências de janeiro, porque acho que o trabalho que tem sido feito tem sido bom. A maioria dos clubes tem o que precisa", disse o jogador de 58 anos. "Esperamos que agora a atenção se volte para o trabalho nas instalações de treino para melhorar esses jogadores e dar-lhes o tempo para se adaptarem e atuarem."

China como um alerta

O declínio da outrora super-rica liga da China prova que é necessária uma estratégia a longo prazo. Entre 2016 e 2018, a CSL comprou tudo o que mexia. Mas o que aconteceu a seguir não foi planeado. O Estado quis uma fatia do bolo, aumentou os impostos para os clubes e introduziu um tecto salarial, o que significa que as elevadas somas das transferências deixaram de valer a pena e os salários elevados deixaram de ser possíveis. Pouco a pouco, as estrelas voltaram a abandonar o barco, e muitos dos clubes que se destacaram na altura já não existem hoje.

Odion Ighalo também estava lá nessa altura: primeiro jogou no Changchun Yatai, depois no Shanghai Shenhua e deu o salto pouco antes da pandemia do coronavírus - e, portanto, também antes da implosão da bolha do futebol na China. O homem que saiu das circunstâncias mais difíceis quando era adolescente em Lagos, capital da Nigéria, tem um faro para participações lucrativas. Será interessante ver em que direção se desenvolve a da Arábia Saudita.