IFAB pode revolucionar o futebol no sábado: decisão sobre o cartão azul

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
IFAB pode revolucionar o futebol no sábado: decisão sobre o cartão azul
Cartão azul pode ser a próxima novidade no futebol mundial
Cartão azul pode ser a próxima novidade no futebol mundial
Profimedia
Em Glasgow, o conselho de administração vai decidir sobre a introdução do cartão azul no futebol profissional. Ancelotti manifestou-se contra: "Devíamos simplificar as coisas. Mas todos os anos se torna cada vez mais complicado".

A International Football Association Board (IFAB) poderá tomar uma decisão revolucionária este sábado.

Em Glasgow, na Escócia, o conselho vai decidir sobre a introdução do cartão azul no futebol profissional internacional. Ainda não está claro se esta regra inovadora receberá luz verde.

O IFAB é composto por quatro representantes oficiais da FIFA e quatro outros membros, um representante da Inglaterra, um da Escócia, um do País de Gales e um da Irlanda do Norte. É necessária uma maioria absoluta para aprovar a decisão: pelo menos cinco votantes elegíveis devem, portanto, ser a favor da introdução da nova regra.

No entanto, mesmo que tal acontecesse, a nova regra não seria introduzida imediatamente. O estatuto prevê inicialmente uma fase experimental de um ano em ligas e campeonatos menores selecionados. Isto significa que o cartão azul não seria introduzido, oficialmente e de forma vinculativa, antes de 2025.

Em que consiste a adoção do cartão azul? O jogador a quem fosse atribuído receberia uma penalização de dez minutos, durante os quais a sua equipa estaria em desvantagem numérica.

Por outro lado, dois cartões azuis para o mesmo jogador resultariam automaticamente em expulsão. O mesmo aconteceria se um jogador recebesse um cartão amarelo e um azul.

Opiniões divergentes

"A vantagem é que temos um instrumento intermediário entre a expulsão e o cartão amarelo, especialmente no que diz respeito ao comportamento antidesportivo e às faltas que não podem ser classificadas a cem por cento", afirmou o chefe da arbitragem alemã, Lutz Michael Fröhlich.

Pellegrino Matarazzo, treinador do Hoffenheim também é a favor da inovação: "Penso que seria bom ter um certo grau de flexibilidade. O cartão amarelo é muito grave e tem muitas vezes uma influência decisiva no jogo".

Mas também há contra-argumentos. Carlo Ancelotti, treinador do Real Madrid, considera a ideia problemática: "Penso que devemos manter o futebol tão simples quanto possível. Devemos simplificar as coisas. Mas todos os anos se torna cada vez mais complicado. Estou certo de que um cartão azul facilitaria o trabalho do árbitro".

Jürgen Klopp, do Liverpool , tem receios semelhantes: "De momento, não acho que seja uma boa ideia. Haverá certamente discussões: 'Foi um cartão azul? Deveria ser um cartão amarelo?'".