Fórmula 1: Red Bull e Max Verstappen brilham mais alto no Bahrein

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Fórmula 1: Red Bull e Max Verstappen brilham mais alto no Bahrein

Apesar de os testes servirem para recolher dados adicionais, Max Verstappen esteve imparável.
Apesar de os testes servirem para recolher dados adicionais, Max Verstappen esteve imparável.Profimedia
O campeão do mundo Max Verstappen (Holanda) voltou a marcar o ritmo no início dos testes para a nova temporada de Fórmula 1. Perante os olhares do criticado chefe de equipa Christian Horner, o neerlandês de 26 anos estabeleceu a volta mais rápida no seu novo Red Bull RB20 no Bahrain em 1:32,548 minutos.

O piloto da Ferrari Charles Leclerc (+0,699 segundos) e Fernando Alonso no Aston Martin (+0,837) seguiram-se bem atrás. Verstappen completou 66 voltas, enquanto Alonso registou o maior número de quilómetros de teste (77 voltas).

Nico Hülkenberg, mais uma vez o único piloto alemão regular no campo este ano, só assumiu o volante para o seu companheiro de equipa da Haas, Kevin Magnussen, durante a tarde. O dinamarquês (+3,144) terminou inicialmente em décimo. As coisas ainda não estavam óptimas para a Mercedes. George Russell (+1,682) só conseguiu fazer 47 voltas em sexto lugar. O recordista mundial Lewis Hamilton só entrará no Silver Arrow na quinta-feira.

O futuro do chefe de equipa da Red Bull, Horner, é o tema mais quente na Fórmula 1 antes da abertura da temporada no Bahrain, a 2 de março, com o chefe de equipa mais antigo da categoria rainha a enfrentar uma investigação na Red Bull.

O britânico terá sido culpado de um "comportamento inadequado", segundo uma funcionária. O Grupo Red Bull lançou uma investigação e a Fórmula 1 e a FIA estão também a analisar atentamente o caso. Horner nega as alegações.

As equipas de corrida continuam a testar os seus novos carros no deserto do Circuito Internacional do Bahrain até sexta-feira, antes de uma temporada recorde de 24 corridas. No entanto, os tempos só permitem tirar conclusões limitadas, porque ninguém sabe exatamente quais os programas que os concorrentes estão a utilizar.