Quartararo: "Quero escolher o melhor projeto para voltar a ganhar no MotoGP"

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Quartararo: "Quero escolher o melhor projeto para voltar a ganhar no MotoGP"
Quartararo em Valência este fim de semana.
Quartararo em Valência este fim de semana.
JAVIER SORIANO/AFP
No final de uma temporada de 2023 que descreve como "a mais difícil da sua carreira", o francês Fabio Quartararo, campeão mundial de MotoGP de 2021, já está a olhar para 2024. O piloto de Nice está à espera de melhor da Yamaha, pois "não tem anos a perder".

- Como resumiria a sua época?

- "Eu sabia que ia ser uma época difícil, mas não pensei que fosse tão difícil. Não gostei muito da primeira parte da época, porque estava à espera de muito melhor. Não fui capaz de tirar o máximo partido da minha mota. Por vezes tivemos azar, mas também cometemos demasiados erros. A segunda metade da época foi melhor, porque as nossas expetativas eram mais baixas, estávamos a apontar para o Top 5 ou Top 7 e não estávamos apenas à procura de ganhar. Esta época foi a mais difícil da minha carreira no MotoGP, sem dúvida. Mas aprendi muito. É especialmente nos momentos difíceis que se aprende, por isso tenho a certeza que isso me vai servir bem no futuro".

- Foi difícil para si aceitar que já não estava a lutar pela vitória?

- "Sim, foi difícil. Quando se está sempre a lutar pelo campeonato e se dá por si a lutar por lugares no Top 10, é frustrante... Mas faz parte do jogo e penso que conseguimos adaptar-nos bem e colocar a cabeça no lugar na segunda metade da época. Conseguimos obter bons resultados na digressão asiática, com dois terceiros lugares e, sobretudo, fomos rápidos. Mas, para o próximo ano, teremos de dar um grande passo em frente para lutar regularmente por este tipo de posições".

- O que espera do teste de fim de época de terça-feira?

- "Testámos o primeiro protótipo da moto da próxima época em Misano, em setembro, e não foi um bom teste. Não tenho grandes expetativas para o teste de Valência, porque não vai haver nada de novo no motor, apesar de irmos experimentar algumas peças. Veremos realmente o potencial da mota nos testes do início do ano na Malásia e no Catar. Precisamos de encontrar uma solução para o motor e para a aerodinâmica. Teremos de encontrar mais potência e depois alguns pequenos pormenores para melhorar".

- Ainda te falta um ano de contrato com a Yamaha, quando é que vais decidir o teu futuro?

- "Antes de mais, vamos ter de melhorar muito em 2024. Não estou a pedir que alcance os outros, mas pelo menos que me aproxime o mais possível para que, se o projeto for bom, possa continuar em 2025. Ou não. Se a mota não funcionar bem em 2024, isso colocará um grande ponto de interrogação sobre o meu futuro na Yamaha. Vou esperar um pouco, não me vou apressar a tomar a minha decisão, mas também não quero esperar até setembro. Não estou a definir um prazo para decidir, vai depender de muitas coisas, dos testes em fevereiro, da sensação que tenho da moto e do seu potencial. A Yamaha está a contratar um grande número de pessoas para desenvolver a moto, mas quantos meses ou anos isso vai demorar também é uma grande questão. Não tenho anos a perder, quero estar ao melhor nível desde o início da época".

- A equipa Yamaha continua a ser a sua prioridade?

- "É difícil dizer... O meu ego quer trazer a Yamaha de volta ao topo para ser Campeão do Mundo com eles novamente, mas para mim, a Yamaha não é realmente uma prioridade. Quero escolher o melhor projeto para voltar a ganhar no MotoGP. O que é certo é que quero um projeto que esteja ao mais alto nível. Sei que a Yamaha está a trabalhar muito para isso, sei que estão a fazer muitas coisas que nunca fizeram antes, por isso é motivador. É bom ver que eles estão a fazer um grande esforço e que estão a trabalhar dia e noite para me manterem e para terem uma moto melhor."