Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Paris-2024: Táxis voadores aguardam a aprovação do executivo

Um exemplo de táxi voador que vai estar em Paris.
Um exemplo de táxi voador que vai estar em Paris.AFP
Desde maio, uma barcaça está atracada em Paris, no Sena, em frente à Cité de la Mode. É aí que os táxis voadores eléctricos deverão descolar durante os Jogos Olímpicos, uma montra da aviação de baixo carbono que ainda aguarda luz verde do ministro.

A menos de sete semanas dos Jogos Olímpicos (26 de julho a 11 de agosto), os trabalhadores do Quai d'Austerlitz, no sudeste da capital francesa, estão a preparar uma plataforma flutuante de 760 m2, onde os táxis voadores, que devem encarnar a mudança verde na indústria da aviação, vão descolar e aterrar verticalmente.

Em frente aos painéis de chapa metálica, um guarda de segurança assegura a passagem dos espectadores.

O sítio de Paris é objeto de um contrato de arrendamento entre o grupo ADP, que gere os aeroportos parisienses, e o organismo público Haropa-Port. Para este projeto, a ADP associou-se à região de Ile-de-France, que contribuiu com 1,5 milhões de euros, e à start-up alemã Volocopter, que fabrica o "Volocity".

Esta aeronave de dois lugares, incluindo o do piloto, está equipada com baterias que alimentam 18 rotores dispostos em anel sobre o cockpit. O objetivo é aproveitar os Jogos Olímpicos para demonstrar a viabilidade de um novo modo de transporte em zonas urbanas densas, pelo menos no papel.

Na região parisiense, estão prontos quatro locais denominados "vertiports", nomeadamente no aeroporto de Paris-Roissy e em Le Bourget, a norte da capital.

A linha, que seria"uma novidade mundial", ligaria o Quai d'Austerlitz ao heliporto de Issy-les-Moulineaux (sudoeste), sobrevoando o Sena e depois a circular de Paris.

Em nome da "corrida à inovação", a ADP recorda que estão em curso muitos projectos semelhantes em todo o mundo e que a Volocopter declarou à AFP, na terça-feira, ter investido um total de cerca de 600 milhões de dólares.

Num mercado comercial ainda incipiente, a empresa esteve perto da falência na primavera, segundo o seu diretor Dirk Hoke, enquanto os obstáculos à experiência de Paris se acumulam desde há um ano.

Uma série de obstáculos

Em setembro, a autoridade ambiental considerou o estudo de impacto "incompleto" no que diz respeito à avaliação da poluição sonora, do consumo de energia e das emissões de gases com efeito de estufa.

Em fevereiro, o comissário de inquérito considerou que a experiência "não apresentava qualquer interesse a priori", se continuasse centrada nos voos comerciais.

Quanto aos eleitos parisienses, manifestaram-se contra o projeto, de todos os grupos políticos, denunciando-o como "absurdo" e uma"aberração ecológica".

"É puro greenwashing, um meio de transporte concebido para os ultra-privilegiados com pressa, uma vez que só haverá um lugar para um passageiro", declarou à AFP Dan Lert, ecologista deputado para a transição ecológica, que considera como uma "passagem forçada".

"Temos emissões de gases com efeito de estufa 45 vezes superiores a uma viagem de metro", acrescentou, sublinhando que "as aterragens de emergência são impossíveis em Paris".

No entanto, Valérie Pécresse, presidente da região da Ile-de-France, considera que se trata de um projeto para o futuro e apelou, no final de maio, a que"não se volte a acender velas".

Em resposta às críticas, o grupo ADP respondeu que a instalação da barcaça não prejudica qualquer autorização que possa ser concedida e recordou que a experiência terminará em dezembro. A barcaça será igualmente deslocada para leste da capital, para permitir o bom desenrolar da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos.

Embora os responsáveis pelo projeto esperassem transportar clientes pagantes durante os Jogos Olímpicos, a ausência de certificação da Agência Europeia para a Segurança da Aviação, prevista para o outono, obrigou-os a recorrer a voos de demonstração gratuitos.

Para os Jogos Olímpicos, estão agora a privilegiar as utilizações sanitárias, nomeadamente o transporte de transplantes, mas falta ainda a luz verde do Ministério dos Transportes, num contexto político tenso.

"A decisão só será tomada pelo ministro se estiverem reunidas todas as condições de segurança", declarou o ministério, contactado pela AFP.

Com base numa petição com cerca de 15.500 assinaturas, os opositores estão a preparar as suas armas. Um grupo de"Taxis-volants non merci" ("Táxis voadores, não obrigado") escreveu ao ministro dos Transportes na terça-feira, pedindo-lhe que"pare com este disparate" e convocando uma manifestação para 21 de junho.