Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Paris-2024: Vanessa Marina associa Portugal à estreia do breaking nos Jogos

Vanessa Mariana é a mais recente atleta olímpica
Vanessa Mariana é a mais recente atleta olímpicaCOP
A portuguesa Vanessa Marina vai representar Portugal na competição de breaking dos Jogos Olímpicos Paris.2024, tendo consumado a qualificação, na estreia desta modalidade, uma deriva de uma cultura e dança urbana, no programa.

Em Budapeste, na última etapa das Olympic Qualifying Series, a b girl foi 11.ª e somou mais 30 pontos para o ranking de qualificação olímpica, que fechou em nono, valendo-lhe o apuramento para o evento na capital francesa, e aumentando para 14 o número de modalidades com Portugal presente.

Engrossando o contingente luso para 59 desportistas, Vanessa Marina vai ainda lutar por medalhas numa modalidade em estreia - e que tem já ordem de saída do programa olímpico de Los Angeles-2028 -, tendo hoje chegado à qualificação em Budapeste, cidade de bons ares para a missão portuguesa.

O skateboarder Thomas Augusto viu também confirmada a presença em Paris-2024, estreando o país na vertente park, também após as Olympic Qualifying Series de Budapeste, assim como Gustavo Ribeiro, em street, um repetente de Tóquio-2020, em que foi oitavo.

Estas duas modalidades mais recentes juntam-se, na Missão portuguesa, a outros 12 desportos mais clássicos, caso do atletismo, responsável pela delegação nacional mais numerosa.

São 12 os atletas com passaporte para a capital francesa, nomeadamente o campeão olímpico em título no triplo salto, Pedro Pablo Pichardo, Agate Sousa (comprimento), Pedro Buaró (salto com vara), Samuel Barata e Susana Godinho (maratona), Isaac Nader (1.500 metros), João Coelho (400 metros), Auriol Dongmo (peso), Ana Cabecinha (20 quilómetros marcha), Irina Rodrigues (disco) e Fatoumata Diallo (400 metros barreiras).

Portugal passa a ter 59 atletas com lugar marcado nos Jogos, que decorrem de 26 de julho a 11 de agosto, embora as vagas do atletismo só sejam confirmadas oficialmente depois de 30 de junho, quando for realizado o acerto entre lugares de ranking e marcas.

Segue-se nesse ranking particular o ciclismo, com sete representantes, depois de ter assegurado, pela segunda vez seguida, a presença no cross country olímpico feminino.

Portugal tem confirmada, pela primeira vez, a representação nas provas masculinas de pista em Jogos Olímpicos, no madison e no omnium, disciplina em que também estará uma ciclista feminina em Paris-2024, e há também três na estrada.

O judo tem seis lugares assegurados, com Catarina Costa (-48 kg), Rochele Nunes (+78 kg), Patrícia Sampaio (-78 kg), Bárbara Timo (-63 kg) e Jorge Fonseca (+100 kg) apurados por ranking e João Fernando (-81 kg) na quota continental, com a equipa a não incluir Telma Monteiro, medalha de bronze no Rio-2016.

Cinco são os representantes no ténis de mesa, depois de Jieni Shao e Fu Yu terem carimbado a qualificação, fruto dos resultados no torneio europeu de qualificação, repetindo o Rio-2016 e Tóquio-2020.

A equipa masculina já estava apurada, numa seleção que vai ser composta por três jogadores - graças a uma quota conquistada por Marcos Freitas, Tiago Apolónia, João Geraldo e Diogo Carvalho no Mundial por equipas -, dos quais ainda sairão dois para o torneio individual.

Com o mesmo número de elementos está a natação, liderada por Diogo Ribeiro, com mínimos nos 50 e 100 metros livres e também nos 100 metros mariposa, prova em que é campeão mundial, juntamente com João Costa (100 metros costas), Camila Rebelo (200 metros costas), Miguel Nascimento (50 metros livres) e Angélica André (águas abertas).

No equestre, o dressage garantiu uma quota coletiva, pelo que, além da presença no concurso de obstáculos (vaga assegurada para o país por Duarte Seabra), Portugal levará outros três cavaleiros a Paris-2024, que participarão tanto na competição de equipas, como na prova individual.

Quatro são também as quotas garantidas no triatlo, já que a estafeta mista se qualificou, com duas mulheres e dois homens, que vão participar nas provas individuais.

Na canoagem, Teresa Portela assegurou vaga em K1 500 metros, Fernando Pimenta em K1 1.000 metros, prova em que ganhou a medalha de bronze em Tóquio-2020, e João Ribeiro e Messias Baptista em K2 500. Os quatro foram selecionados.

Na vela, Portugal garantiu a terceira quota quando Mafalda Pires de Lima resgatou uma vaga em kite feminino, ao ser sétima classificada em Hyères, França.

A velejadora lusa juntou-se, assim, a Eduardo Marques (em ILCA 7) e Diogo Costa e Carolina João (470 mistos).

As surfistas Teresa Bonvalot e Yolanda Hopkins, quinta em Tóquio-2020, os ginastas Filipa Martins, no concurso completo, e Gabriel Albuquerque, em trampolins, e a atiradora Maria Inês Barros, em tiro com armas de caça (trap), completam a equipa lusa.