Regime jurídico da integridade do desporto votado em plenário

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Regime jurídico da integridade do desporto votado em plenário
Regime jurídico da integridade do desporto votado em plenário
Regime jurídico da integridade do desporto votado em plenário
LUSA
O regime jurídico da integridade do desporto vai ser votado esta sexta-feira no plenário, acompanhando nessa proposta do Governo a criação de um Conselho Nacional e de uma plataforma para coordenar o combate à manipulação de resultados.

Aprovado em Conselho de Ministros em junho, o diploma passa agora pelo parlamento, consagrando os ilícitos criminais, e respetivo regime disciplinar, que estão associados a “comportamentos antidesportivos, contrários aos valores da verdade, da lealdade e da correção e ainda suscetíveis de alterar fraudulentamente os resultados da competição”.

O Governo entendeu que o volume de negócio das apostas desportivas à cota de base territorial e online, que rondou os 2.000 milhões de euros (ME) em cada um dos últimos dois anos, é uma ameaça crescente à integridade das competições, assunto que está a motivar investigações em Itália acerca do envolvimento de futebolistas em redes ilegais.

Além da criminalização da coação desportiva, o Executivo liderado por António Costa vai lançar um Conselho Nacional para a Integridade do Desporto (CNaID), sob liderança do presidente do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) - atualmente Vítor Pataco -, incorporando representantes das autoridades judiciais e tributárias (Polícia Judiciária, Procuradoria-Geral da República e Autoridade Tributária), das forças de segurança (Guarda Nacional Republicana e Polícia de Segurança Pública) ou de federações e associações de classe.

Já a plataforma de monitorização da manipulação de provas vai ter peritos indicados por várias instâncias, casos da Procuradoria-Geral da República (PGR), a Polícia Judiciária (PJ), o Comité Olímpico de Portugal (COP) e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), entre outras, entregando a coordenação ao diretor da unidade de combate à corrupção da PJ.

Essa plataforma deve, entre outras competências, elaborar, aprovar, e aplicar e remeter ao CNaID o programa nacional para a integridade do desporto, com o Governo a integrar integralmente nesta nova legislação a anterior - sobretudo a que responsabilizava sobre comportamentos suscetíveis de afetar a verdade, lealdade e correção das competições e dos seus resultados -, e, parcialmente, o regime disciplinar das federações desportivas.

O parlamento vai apreciar igualmente outro projeto de lei do Executivo, que permitirá aos praticantes olímpicos, paralímpicos e de alto rendimento gozarem, após o final das suas carreiras desportivas, de um sistema de quotas de emprego e de condições especiais de acesso a concursos em serviços e organismos da administração central, regional e local.

A atualização das medidas de apoio à contratação no setor privado consta dos objetivos desse diploma, que visa alargar o limite etário para o ingresso no programa de apoio ao empreendedorismo e à criação do próprio emprego e no ensino superior em contexto de pós-carreira, bem como da subvenção temporária de reintegração a suportar pelo IPDJ.

A votação do plenário vai incidir ainda em duas propostas do PAN, sendo que uma delas constitui o assédio como infração disciplinar no âmbito do regime jurídico das federações desportivas e contempla a conceção de canais independentes de denúncia de infrações.

A outra iniciativa prende-se com o reconhecimento do Dia Nacional do Atleta Paralímpico em 26 de setembro, de forma a promover a inclusão e maior participação desportiva das pessoas com deficiência, reconhecer o mérito dos atletas nacionais e sensibilizar para as melhorias necessárias às condições de preparação e de competição desses praticantes.

Do grupo parlamentar do Chega derivam recomendações ao Governo para assegurar a liberdade de pensamento de todos os atletas de alta competição, tendo como medidas a criação de mecanismos que evitem a politização ideológica do desporto, um sistema de integração académica e profissional e uma campanha pós-carreira, mediante formações.