Mundial de Râguebi: Antoine Dupont de volta aos treinos e já olha para os quartos de final

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mundial de Râguebi: Antoine Dupont de volta aos treinos e já olha para os quartos de final
Antoine Dupont a caminho de casa.
Antoine Dupont a caminho de casa.
AFP
Um regresso rápido. Dez dias depois de ter sido operado, o capitão da seleção francesa, Antoine Dupont, estará de volta à equipa no domingo e deverá mesmo estar na luta por um lugar nos quartos de final do Campeonato do Mundo.

"O Antoine está muito bem hoje (terça-feira). A operação correu muito bem e está a descansar. Voltará a treinar no domingo. Sexta-feira e sábado são dias de descanso para nós, por isso ele terá tempo para voltar nesse período", disse o treinador de conquistas e tarefas específicas, William Servat, na terça-feira.

"Não tenho dúvidas quanto à sua capacidade para jogar nos quartos de final. Ele será razoável", acrescentou o ex-jogador da seleção (49 partidas entre 2004 e 2012).

Antoine Dupont (26 anos, 50 jogos pela seleção) foi operado na sexta-feira a uma fratura maxilo-zigomática, na sequência da lesão sofrida no dia anterior contra a Namíbia (96-0).

O melhor jogador do mundo em 2021, uma estrela do râguebi francês, saiu aos 46 minutos da vitória fácil em Marselha, depois de ter sido atingido com força na cabeça pelo capitão e centro da Namíbia, Johan Deysel. O adversário foi suspenso por seis jogos na terça-feira, que podem ser reduzidos a cinco se ele passar por um treino especial.

"O Antoine vai juntar-se a nós no próximo fim de semana. (...) Penso que, naturalmente, ele vai retomar o seu ritmo. Queremos que ele volte a jogar o mais rapidamente possível. Não podemos tomar qualquer decisão antes de termos tido a oportunidade de falar com ele e de receber o aval da equipa médica. Tudo indica que Antoine se inscreverá rapidamente na lista de convocados da seleção francesa.

Muito cedo para a Itália

O retorno de Antoine para uma possível partida de quartas-de-final no dia 14 ou 15 de outubro, pouco mais de vinte dias após a lesão, seria o momento perfeito para o râguebifrancês, do qual Dupont é a figura de proa. Já sem o titular Romain Ntamack, os franceses aguardam o regresso da sua joia da coroa para uma competição que têm como objetivo vencer.

Mas antes de pensar num jogo dos quartos de final, provavelmente contra a campeã do mundo África do Sul, no Stade de France, os Bleus têm um jogo para ganhar, contra a Itáliacontra a Itália, a 6 de outubro, em Lyon. E não poderão contar com Dupont, cuja lesão, segundo alguns especialistas, exigirá um mínimo de quatro semanas de repouso.

"Dupont é um jogador extraordinário. Fora do comum. É um desportista de alto nível e, dentro dos desportistas de alto nível, é alguém fora do comum", disse o Dr. Bernard Dusfour, antigo presidente da comissão médica da Liga Nacional de Rugby francesa (LNR), numa entrevista à AFP antes da operação de Dupont.

 "O seu regresso é obviamente uma boa notícia. Depois disso, vamos esperar que ele regresse para podermos falar com ele e ver como está. Mas temos de nos manter optimistas. E só ele poderá dizer-nos como se sente e se está em condições de jogar", afirmou François Cros, companheiro de Dupont no Toulouse e na seleção nacional.

Dupont, por seu lado, mostrou-se otimista: "Touché mais pas coulé. O espetáculo tem de continuar. Mal posso esperar para voltar ao grupo", publicou nas suas redes sociais, numa corrida contra o tempo para voltar ao Campeonato do Mundo de 2023..