Agência Internacional para a Integridade de Ténis comenta recusa de Djokovic em fazer teste antidoping

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Agência Internacional para a Integridade de Ténis comenta recusa de Djokovic em fazer teste antidoping
A ITIA também se pronunciou sobre o incidente da Taça Davis. Djokovic tinha o direito de ser testado após o jogo.
A ITIA também se pronunciou sobre o incidente da Taça Davis. Djokovic tinha o direito de ser testado após o jogo.
AFP
Novak Djokovic foi alvo de mais uma onda de críticas durante a fase final da Taça Davis. Desta vez, por não querer ser submetido a um teste antidoping antes do seu jogo dos quartos de final contra Cameron Norrie.

No entanto, de acordo com a Agência Internacional para a Integridade do Ténis (ITIA), o recordista de troféus do Grand Slam tinha a opção de ser testado antes de entrar em campo ou depois do jogo. Todas as partes envolvidas cumpriram as regras.

"Antes de mais, é preciso dizer que Djokovic não recusou o teste. As regras são claras, o jogador é informado de que vai ser testado e deve fornecer uma amostra assim que estiver pronto. Em competições por equipas, como a Taça Davis, os tenistas podem ser informados antes do jogo, enquanto noutras competições são normalmente testados após o jogo. Não houve qualquer alteração das regras", declarou a ITIA.

"Na Taça Davis, as equipas (capitães) são informadas antes do início do jogo. Por isso, os jogadores podem optar por fazer o teste antes ou depois do jogo. A escolha é deles. Alguns gostam de o fazer antes porque preferem ter tempo livre depois do jogo e não têm de passar mais tempo no local. Se optarem por fazer o teste depois do jogo, são seguidos em todo o lado pelo comissário antidopagem a partir do momento em que o controlo antidopagem é anunciado", disse um porta-voz da ITIA ao diário francês L'Équipe.

Uma onda de críticas caiu imediatamente sobre Djokovic depois de o incidente ter sido tornado público. Alguns, como o antigo ciclista de estrada francês Marc Madiot, pediram a suspensão imediata da estrela sérvia do ténis e um castigo muito superior a uma simples advertência. Aparentemente, foi por isso que a ITIA esclareceu as coisas e anunciou que não houve violação das regras. Assim, o detentor de um recorde de 24 troféus do Grand Slam não foi efetivamente repreendido, uma vez que seguiu o protocolo.

Os motivos

O sérvio comentou o incidente numa conferência de imprensa após a vitória do seu país e a passagem às meias-finais, em que perdeu para os campeões em título, os italianos.

"Vieram ver-me uma hora e meia antes do jogo, quando me estou a preparar para entrar em campo e não tenho tempo para pensar se vou dar sangue ou urina. Nunca tinha passado por uma situação destas nos meus 20 anos de carreira, por isso comecei a discutir com o comissário", disse a estrela sérvia.

"Depois ele sentou-se num canto e observou-me durante horas. É inacreditável. Sempre defendi os controlos, mas não antes dos jogos. Não tenho nada a esconder, mas devia haver limites", acrescentou Djokovic.

A sua organização, a PTPA, que representa os jogadores, poderá assim tentar alterar a regra para as competições por equipas no futuro. Viktor Troicki, o capitão da equipa sérvia, também não ficou satisfeito com o procedimento da ITIA. Segundo ele, os comissários chegaram a confundir Djokovic com outro membro da seleção, Mimir Kecmanovic.

Bartoli criticou os media britânicos

Como já referimos, após a "recusa" do teste, uma onda de críticas abateu-se sobre Djokovic. Alguns meios de comunicação britânicos não tiveram receio de acusar o atual número um do mundo de violar as regras. " É nojento, vergonhoso e completamente injustificado", respondeu a campeã de Wimbledon, Marion Bartoli.

"Quando se sabe que se vai fazer um controlo antidoping, um dos comissários vigia-nos durante todo o dia. Assim que saímos do court, ele vai connosco para os balneários. Está lá contigo mesmo quando estás a tomar banho. Se, mesmo assim, não for possível entregar uma amostra de urina, ele acompanha-o também à conferência de imprensa. Não vejo qualquer diferença entre entregar a amostra antes ou depois do jogo", concluiu.