Djokovic defende ausência de Alcaraz dos jogos da Taça Davis

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Djokovic defende ausência de Alcaraz dos jogos da Taça Davis
Novak Djokovic defendeu Carlos Alcaraz na quinta-feira por ter faltado aos jogos da Taça Davis desta semana
Novak Djokovic defendeu Carlos Alcaraz na quinta-feira por ter faltado aos jogos da Taça Davis desta semana
AFP
Novak Djokovic defendeu Carlos Alcaraz esta quinta-feira por falhar os jogos da Taça Davis desta semana, dizendo que o espanhol pode ser jovem mas não é o Super-Homem.

Alcaraz anunciou que não iria participar fase final da competição depois de perder para Daniil Medvedev, nas meias-finais do US Open, dizendo que precisava de descansar.

A Espanha poderia ter contado com o número dois do mundo na derrota do primeiro jogo do Grupo C em Valência contra a República Checa por 3-0 na quarta-feira.

Djokovic, cuja Sérvia defronta a Espanha na sexta-feira, disse aos meios de comunicação espanhóis em Valência:

"Talvez vocês estejam chateados por ele não estar a jogar pela Espanha, porque tem 20 anos e eu tenho 36, e porque ele está cansado e eu não. É importante compreender que ele ainda tem muito tempo pela frente", vincou.

Djokovic, que derrotou Medvedev para um vencer um histórico 24.º Grand Slam em Flushing Meadows, acrescentou: "Ele já jogou pela Espanha no ano passado, não se pode esquecer isso. Ganhou o Open dos Estados Unidos no ano passado e, passados poucos dias, estava aqui a jogar de coração e pela paixão pelo país", acrescentou.

O número um do mundo recordou a perturbação que provocou ao optar por não competir pela Sérvia na competição anual de equipas masculinas.

"Faltei várias vezes à Taça Davis, sei que a reação do meu país não foi muito boa e que há muita negatividade quando não se joga pelo nosso país. É difícil ter que ser sempre perfeito e estar sempre disponível. Fazemos parte de um desporto individual, representamos o nosso país, mas também a nós próprios, e há muitos torneios, e ele fez muitos jogos", continuou.

Novak Djokovic, da Sérvia, reage ao jogo com o russo Daniil Medvedev na final do Open dos EUA
AFP

Djokovic acrescentou: "Apesar de ter 20 anos, isso não significa que seja um super-homem. Ele também precisa de descansar... Sinceramente, é melhor para nós, para a equipa sérvia, que ele não esteja aqui, mas tenho a certeza de que vai voltar e dar muitas alegrias a Espanha".

Djokovic foi dispensado pelo capitão da Sérvia na Taça Davis, Viktor Troicki, no jogo inaugural que terminou com a vitória do seu país contra a Coreia do Sul, por 3-0, na terça-feira.

Mas, apesar de uma longa temporada, disse que estava pronto para ajudar a Sérvia na tentativa de ajudar à qualificação para as eliminatórias em Málaga no próximo mês.

"Não me sinto muito fresco, obviamente, depois de vários meses exaustivos com muitos jogos, mas acho que este cansaço é positivo pelo sucesso que tive na América. Não há muito tempo para recuperar, tenho de tentar manter a intensidade e fazer tudo o que puder para adaptar o meu corpo e a mim próprio ao novo fuso horário e às novas condições e contribuir para o meu país com os pontos", finalizou.