Roger Federer quer ser o futuro líder da equipa Europa na Laver Cup

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Roger Federer quer ser o futuro líder da equipa Europa na Laver Cup
Federer quer ter um papel de destaque na Laver Cup
Federer quer ter um papel de destaque na Laver Cup
AFP
O lendário tenista reformado Roger Federer, que ajudou a Europa a vencer três Laver Cups, deu a entender que poderá um dia querer assumir a capitania no evento por equipas.

A estrela suíça de 42 anos será objeto de uma homenagem na sexta-feira, na Rogers Arena, para celebrar o primeiro aniversário do seu último jogo de pares ao lado de Rafael Nadal na Laver Cup de 2022, em Londres.

A Equipa Mundial, com John McEnroe como capitão, vai tentar defender o troféu que conquistou pela primeira vez no ano passado, quando a sexta Laver Cup começar na sexta-feira na Rogers Arena.

"Há algo em mim que é a Equipa Europa", disse Federer. "Fico feliz se o Mundo ganhar, não me interpretem mal, mas, de alguma forma, sinto-o no meu íntimo - quero que a Europa ganhe".

"Gosto de estar na esfera do ténis. Talvez um dia venha a ser o capitão da equipa. De momento, não há planos, mas acho que isso seria muito bom", completou.

Bjorn Borg é o capitão da Equipa Europa, numa altura em que uma nova geração de talentos substitui Federer, Nadal e o sérvio Novak Djokovic.

"Ver a camaradagem, pessoas de diferentes países a juntarem-se numa equipa, como eu e o Rafa ou eu e o Novak, tem sido maravilhoso", disse Federer.

"A diversão e a alegria que Borg e McEnroe trouxeram às equipas, mas também o quanto eles gostam dos seus papéis, tem sido fantástico", disse.

Ver duplas raras é uma grande parte do evento para Federer: "Fico muito entusiasmado com as duplas da Laver Cup, porque normalmente há equipas que ainda não vimos", disse Federer. "Gosto de combinações de superestrelas."

Um alinhamento dominado pelos americanos tentará defender o troféu para a equipa mundial.

Os norte-americanos Taylor Fritz e Frances Tiafoe e o canadiano Felix Auger-Aliassime regressam da equipa mundial do ano passado, que se esforçou por derrotar a Europa em Londres, depois de ter perdido as primeiras quatro edições do evento de campo duro coberto.

"Ganhar o ano passado significou muito para nós, ainda mais porque perdemos tantas vezes", disse Tiafoe.

Ao oitavo classificado Fritz, ao número 11 Tiafoe e ao 14º Auger-Aliassime juntam-se o argentino Francisco Cerundolo, Ben Shelton, o mais jovem da equipa com 20 anos, e o também americano Tommy Paul, o mais velho dos jogadores do capitão John McEnroe, com 26 anos.

Os jogadores mais bem classificados da Equipa Europa eram o dinamarquês Holger Rune, quarto classificado, e o grego Stefanos Tsitsipas, quinto classificado, mas ambos se retiraram da equipa de Borg devido a lesões.

Assim, Andrey Rublev, sexto do ranking, e Casper Ruud, nono da Noruega, são os veteranos de uma equipa europeia que também inclui o polaco Hubert Hurkacz, o jovem francês Arthur Fils, o veterano Gael Monfils e o espanhol Alejandro Davidovich Fokina.

Não são grandes azarões

"Parece que é a primeira vez que não somos o grande azarão", disse o vice-capitão dos EUA, Patrick McEnroe.

"Desta vez, as duas equipas entram a pensar que não é completamente unilateral quando se olha para a classificação."

O último confronto em Vancouver inclui três jogos de singulares e um jogo de pares na sexta-feira e no sábado, com as vitórias no primeiro dia a valerem um ponto e os triunfos no segundo dia a valerem dois pontos.

As vitórias no domingo valem três pontos, com um jogo de pares seguido de tantos jogos de singulares quantos os necessários para decidir o campeão. A primeira equipa a atingir 13 pontos no total recebe o troféu.