Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Filipe Albuquerque azarado em Le Mans em dia de vitória da Ferrari

Filipe Albuquerque em 24 Horas de Le Mans
Filipe Albuquerque em 24 Horas de Le MansProfimedia
O piloto português Filipe Albuquerque (United Autosports) terminou a participação nas 24 Horas de Le Mans na 42.ª posição, depois de um problema mecânico ter afetado a prestação da equipa.

O único piloto português em prova, que fez equipa com Ben Keating e Ben Hanley, cortou a meta com 279 voltas, a 39 dos vencedores, Antonio Fuoco, Miguel Molina e Nicklas Nielsen (Ferrari).

José Maria Lopez, Kamui Kobayashi e Nick de Vries terminaram na segunda posição, a 14,221 segundos dos vencedores, com Alessandro Pier Guidi, James Calado e Antonio Giovinazzi (Ferrari) em terceiro, a 36,760.

A 92.ª edição das 24 Horas de Le Mans ficou marcada pelas três entradas do safety car em pista, uma delas, de madrugada, de mais de quatro horas, devido à chuva que afetou as condições de visibilidade dos pilotos, fazendo com que os nove primeiros classificados terminassem na mesma volta do vencedor, uma raridade nesta corrida.

O resultado de Filipe Albuquerque ficou comprometido logo nas primeiras horas, ainda no sábado, quando uma pedra partiu o alternador do carro da United Autosports.

“Foi uma prestação como as anteriores. Um excelente andamento, consegui arrancar na frente, manter o carro no top5 e a controlar o ritmo mas, infelizmente, o nosso colega de equipa teve um pequeno erro, com uma ida à gravilha, que fez com que entrasse uma pedra para uma parte sensível do motor e perdemos mais de uma hora a reparar o carro. Simplesmente continuámos com a missão de acabar a corrida. Acabámos quase em último mas acabámos”, resumiu o piloto de Coimbra, que compete na categoria LMP2, a segunda mais importante, apenas atrás dos Hypercarros.

Esta foi a 11.ª participação do português na mítica prova de resistência. Apesar de o resultado não ter sido o esperado, o piloto luso viu aspetos positivos.

“Confirmámos o andamento que esperávamos. No início andámos muito perto do outro carro da equipa e eles ganharam. O carro estava rápido e era possível. Esta corrida é muito difícil, sobretudo este ano, em que chovia e secava”, frisou.

O outro carro da United Autosports, pilotado por Oliver Jarvis, Bijoy Garg e Nolan Siegel, venceu a categoria LMP2, terminando na 15.ª posição da geral.

Para a história fica a presença de 23 carros da categoria principal e os 36 segundos que separavam os três primeiros classificados nas duas últimas horas de corrida.

O carro do vencedor ainda sofreu um susto, quando uma das portas se abriu, obrigando a uma paragem não programada nas boxes.

Mas alguns erros de pilotagem do argentino Pechito Lopez acabaram por impossibilitar a recuperação do Toyota, que se contentou com o segundo lugar.