Federações desportivas condenam prémios olímpicos em dinheiro para o atletismo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Federações desportivas condenam prémios olímpicos em dinheiro para o atletismo

Prémio monetário para as medalhas de ouro no atletismo gera polémica
Prémio monetário para as medalhas de ouro no atletismo gera polémicaProfimedia
A decisão da Federação Mundial de Atletismo de atribuir prémios monetários aos medalhados de ouro nas suas provas "mina os valores" dos Jogos Olímpicos, afirmou na sexta-feira a Associação das Federações Internacionais dos Jogos Olímpicos de verão (ASOIF).

A ASOIF divulgou um comunicado em que deixa claro o seu descontentamento face ao anúncio feito pelo presidente da World Athletics, Sebastian Coe, de que os medalhados de ouro do atletismo nos Jogos de Paris receberão 46,9 mil euros.

A decisão da World Athletics, anunciada na semana passada, foi a primeira de uma federação nos Jogos Olímpicos. A federação afirmou que iria alargar os prémios monetários a todos os medalhados em Los Angeles, dentro de quatro anos.

A ASOIF, que tem 30 membros efetivos e dois membros associados, afirmou: "Esta medida põe em causa os valores do Olimpismo e a singularidade dos Jogos. Não se pode nem se deve atribuir um preço a uma medalha de ouro olímpica".

"Isto não tem em conta os atletas menos privilegiados que estão mais abaixo na classificação final", acrescenta, lembrando que outros desportos olímpicos não podem oferecer prémios monetários aos seus atletas.

A organização acrescentou que aceitava os esquemas dos Comités Olímpicos Nacionais e dos governos para "recompensar os atletas por desempenhos excecionais para fins de orgulho nacional e de forma consistente em todos os desportos dos Jogos Olímpicos".

A ASOIF disse ainda que havia um consenso de que, nos casos em que os desportos tivessem um excedente, as receitas olímpicas deveriam "ser investidas prioritariamente no desenvolvimento e na integridade".

A organização também não gostou do facto de Coe ter anunciado a mudança sem avisar as outras federações, embora tenha informado o Comité Olímpico Internacional no dia do anúncio.

"A ASOIF não foi informada nem consultada antes do anúncio, que foi feito um dia depois da Assembleia Geral da ASOIF", disse, acrescentando que "é importante e justo discutir o assunto em causa com as outras federações com antecedência".

A World Athletics respondeu, em comunicado enviado à AFP, que a sua decisão de atribuir prémios monetários "tem como objetivo sublinhar o compromisso inabalável de dar poder aos atletas e reconhecer o papel fundamental que desempenham no sucesso de quaisquer Jogos Olímpicos".

A organização concordou que é impossível atribuir um "valor comercial" à conquista de uma medalha olímpica.

"Pensamos que é importante garantir que algumas das receitas geradas pelos nossos atletas nos Jogos Olímpicos sejam diretamente devolvidas àqueles que fazem dos Jogos o espetáculo global que são", acrescentou a World Athletics.

O fundo total de prémios da World Athletics, no valor de 2,4 milhões de dólares (2,3 milhões de euros), provém da quota-parte das receitas do Comité Olímpico Internacional que a federação recebe de quatro em quatro anos.