LaLiga: Real Modric derruba Sevilha e segura o trono (1-0), Betis recupera sorriso (3-1)

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
LaLiga: Real Modric derruba Sevilha e segura o trono (1-0), Betis recupera sorriso (3-1)
Atualizado
Modric volta a salvar o Real Madrid
Modric volta a salvar o Real Madrid
Profimedia
O golo de Luka Modric aos 80 minutos garantiu ao Real Madrid uma vitória difícil que o mantém a oito pontos do Barcelona. O Sevilha, que se esforçou ao máximo para não sofrer golos, saiu de mãos a abanar da polémica visita ao Bernabéu, onde Díaz de Mera, o árbitro protagonista antes e durante o jogo, se lesionou. O jovem Fernández Buergo acabou por ocupar o seu lugar. Antes, os verde-rubros, que vinham de um desaire europeu em Zagreb, venceram com tranquilidade o quinto classificado da LaLiga.

Real Madrid 1-0 Sevilha

Num jogo marcado pela anterior queixa do Sevilha sobre a Real Madrid TV por "tentar intimidar o árbitro", Díaz de Mera, para seu desgosto, teve de ser o protagonista.

Pontuações dos jogadores
Flashscore

Não demorou muito: aos nove minutos, Lucas Vázquez bateu Nyland após um passe magistral de Vinicius, mas o golo foi anulado após cinco minutos de deliberação do VAR por um toque de Nacho no tornozelo de En-Nesyri no início da ação. A falta existiu, mas a revisão incendiou Ancelotti, que levou amarelo.

Assim começou um jogo em que o campeão mundial da UFC Ilia Topuria deu o pontapé de saída. Mais valia ter ficado a jogar, porque nos dez minutos seguintes houve várias disputas por causa de uma cotovelada de Ocampos sobre Lucas, um agarrão de Salas sobre Brahim e até um pontapé voador de Sow sobre Lunin que o hispano-georgiano teria assinado num combate.

Tudo isto, resolvido sem cartões, só irritou o Bernabéu, que gritou "corrupção na Federação", e beneficiou um Sevilha que controlou sem grande dificuldade um Madrid pouco fluído, confinado no seu meio-campo. Vini e Rodrygo abusaram da condução e Brahim, no outro flanco, aborreceu-se sem bola.

Os blancos estavam longe de estar confortáveis. E ficaram obcecados com o árbitro, que contribuiu com algumas decisões que chegaram a irritar Kroos. Não é fácil de conseguir. Mas o alemão tinha toda a razão no seu protesto enérgico.

Estatísticas no final do encontro
Opta by Stats Perform

Entretanto, e apesar de a equipa da casa ter aumentado a velocidade no ataque contra um adversário encurralado, a única intervenção de Nyland foi num remate de longa distância de Valverde, que  afastou para canto com alguma dificuldade.

A segunda parte teve finalmente algumas oportunidades. A primeira, de Fede Valverde, com um remate ao poste na pequena área. A segunda, a única dos forasteiros, um remate muito certeiro de Isaac que Lunin defendeu com o joelho. Depois veio a lesão do árbitro e a sua substituição pelo quarto árbitro, Fernández Buergo, de 29 anos, que joga na 1.ª RFEF (terceiro escalão).

A tendência não se alterou. O Real Madrid persistiu e o Sevilha continuou com o autocarro na área. Ancelotti recorreu a Modric e o fez o croata? Desferiu um remate de pé direito à entrada da área que entrou como um foguete para o 1-0. 

Só então é que os visitantes saíram da caverna. Mas não foi o suficiente para conquistar um ponto, e o Real pôde comemorar uma vitória com sabor de glória.

Betis 3-1 Athletic Bilbao

As notas dos jogadores
Flashscore

Athletic Club de Bilbao chegou ao Benito Villamarín com uma série de argumentos que justificavamm a confiança na vitória: desde a posição na tabela com o Betis - agora com sete pontos de vantagem - até à boa série de resultados, com apenas uma derrota nos últimos quatro meses. Além disso, um lugar na final da Taça do Rei está a um passo de distância, depois do que aconteceu no Cívitas Metropolitano no início de fevereiro.

Mas o sol nem sempre brilha. E este domingo, a necessária precipitação foi o centro das atenções em Sevilha. O aguaceiro veio de todas as direcções, com Chimy Ávila a abrir o marcador antes do quarto de hora, graças a uma fantástica assistência de Willian José. O argentino, numa posição ideal diante de Unai Simón, não perdeu a oportunidade de marcar o seu primeiro golo pelo seu atual clube.

O dia estava a ser mau, e se não estava, que o diga a assistente Guadalupe Porras Ayuso. A partida interrompida durante vários minutos quando a fiscal de linha foi atingida por uma câmara. Com muito sangue na cara, foi obrigada a abandonar o relvado numa maca. O quarto árbitro, que estava ansioso por mais um dia no banco de suplentes, tomou o seu lugar na linha lateral.

Os anfitriões, muito dominantes, seguraram uma equipa que não está habituada a sentir-se tão inferior. Youssouf Sabaly, que não jogava desde agosto, e o bom trabalho de jogadores como Nabil Fekir e Pablo Fornals deram-lhes asas. Numa delas, o francês tocou a bola com música para o avançado hispano-brasileiro, cujo remate saiu por cima da linha do guarda-redes. O resalto foi encontrado pelo corpo de Yuri Berchiche - substituído mais tarde devido a problemas musculares - e a bola encontrou o caminho para a rede.

As coisas complicaram-se ainda mais quando Nico Williams foi expulso depois de ver dois cartões amarelos seguidos. O extremo decidiu bater palmas a Cuadra Fernández após a advertência - por uma falta que poderia ter ficado por aí, sem qualquer outro castigo - e o árbitro mandou-o para o balneário. O Athletic acordou no meio do pesadelo, pouco antes do intervalo, graças a um cabeceamento eficaz do recém-renovado Gorka Guruzeta.

Álex Berenguer ameaçou no início da segunda parte com um remate à queima-roupa que saiu ao lado. Era um aviso e uma declaração de intenções, embora a desvantagem numérica não facilitasse a intimidação do adversário. De facto, foi preciso esperar muito para que Rui Silva voltasse a entrar em ação, e ele estava muito seguro. Entretanto, Germán Pezzella levantou os adeptos com um grande golo de cabeça.

As aproximações do Betis, por vezes furtivas, eram numerosas. Faltava-lhes, no entanto, um pouco de clareza e fluência. A jogada em que Aitor Ruibal se lesionou ilustra bem esse problema, já que o antigo jogador do Leganés torceu o tornozelo enquanto conduzia um contra-ataque prometedor. Não foi muito importante: apenas cinco minutos antes, Johnny Cardoso tinha selado a vitória com um brilhante remate em arco desde a entrada da área.

Os números da partida
Opta by Stats Perform

Outros resultados da LaLiga:

Cadiz 2-2 Celta Vigo

Las Palmas 1-1 Osasuna