LaLiga: Real Sociedad vence dérbi (3-0), Falcao salva Rayo (2-2), Villarreal trava Getafe (0-0)

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
LaLiga: Real Sociedad vence dérbi (3-0), Falcao salva Rayo (2-2), Villarreal trava Getafe (0-0)
Atualizado
Festa da Real Sociedad
Festa da Real Sociedad
Real Sociedad
Esperava-se um jogo mais equilibrado, mas a eficácia da Real Sociedad produziu um resultado retumbante a seu favor. Falcao marcou o golo que deu ao Rayo Vallecano o empate (2-2) contra um Maiorca forte, que vinha de um empate heroico por 2-2 com o Barcelona. Já o Villarreal não contou com Baena (expulso por agressão) desde a primeira parte. Apesar de não ter 11 jogadores em campo, o "submarino amarelo" deu luta e resistiu às investidas do Getafe, terminando com o nulo final.
A classificação da LaLiga
Flashscore

Real Sociedad 3-0 Athletic Bilbao

As notas dos jogadores
Flashscore

Um dérbi basco, como qualquer duelo de grande rivalidade, é especial. Um ambiente de gala, tensão, medo de falhar e de o rival se aproveitar disso, mais vontade do que nunca... Em Euskadi, Real e Athletic têm muitas décadas de rivalidade histórica. Nesta ocasião, para além de todos os ingredientes habituais de um jogo com estas características, havia a luta pela Europa.

O Athletic, quarto colocado no início da partida, visitou o Real, sexto. Com a Liga dos Campeões e a Liga Europa em jogo, os decibéis nas bancadas e a intensidade no relvado aumentam ainda mais, se é que isso é possível.

O Real entrou a dominar. Anoeta era uma festa e os seus jogadores estavam a voar. Depois de várias aproximações e de um ou outro deslize dos leões, sobretudo dos irmãos Williams, o primeiro golo surgiu de quem menos se esperava. Um livre cobrado por Brais Méndez tocou em dois jogadores, o último dos quais Yuri Berchiche, e caiu nas mãos de Robin Le Normand, que tinha subido para estender a sua cana para o caso de apanhar alguma coisa. Pois bem, apanhou. Um peixe realmente grande. Um golo num derby basco. O homem da máscara incendiou a Arena de Reale, que cantava, gritava e saltava como nas grandes ocasiões.

A equipa de Valverde chegou, guiada pela sua grande inércia de jogo e resultados, com a intenção de quebrar a má série em San Sebastian, onde não vence desde 2017 e só conseguiu 2 empates nas suas últimas 6 visitas. Agora serão 2 em 7. Os Williams tentaram equilibrar a balança. Um cruzamento de Nico, que regressa de lesão, não foi aproveitado por Iñaki em frente à baliza. O susto acalmou os adeptos do Real.

Os Williams, sempre os Williams, colocaram a equipa nas suas costas. Logo no início, Iñaki podia ter marcado após uma jogada do seu irmão. Não o conseguiu e a lei do futebol foi aplicada com dureza. Na jogada seguinte, o cruzamento de Brais Méndez da esquerda não foi finalizado por Sadiq, mas Kubo, inspirado e em grande forma, rematou com o pé esquerdo para um canto que Unai Simón não conseguiu alcançar. O jogo estava a tornar-se muito difícil para os leões.

Muniain podia ter marcado após uma grande jogada de equipa, mas foi travado pelo pé direito de Alex Remiro. Não era o dia do Athletic. Um passe de Zubimendi deixou Oyarzábal sozinho em frente a Unai e este não cometeu qualquer erro. Foi o golpe definitivo para um Athletic em baixo de forma. A Reale Arena vibrou como nunca.

O Real, com esta vitória, ultrapassou o Athletic na classificação e entrou na zona da Liga dos Campeões. Com 15 pontos, os comandados de Imanol estão em quarto lugar, atrás do Girona e com um ponto a mais que o rival de Bilbao.

Os números da partida
Opta by Stats Perform

Rayo Vallecano 2-2 Maiorca

Notas finais dos jogadores
Flashscore

Um Rayo agonizante, movido pelas emoções, pela pressão do Vallecas e pela experiência de Falcao, empatou 2-2 contra um Maiorca que, apesar de ter começado o jogo a perder, saiu na frente e esteve a um minuto de conquistar os três pontos.

O Rayo, como é frequente, entrou com a intensidade que caracteriza o sistema tático de Francisco Rodríguez Vílchez. Aos quatro minutos, Álvaro fez o 1-0 após uma interessante mudança de ritmo que entusiasmou os adeptos.

O Maiorca não entrou rapidamente no jogo: o golo do Rayo desestabilizou os Piratas, que, fiéis à sua energia, se limitaram a marcar e a tentar o máximo em lances de bola parada. Aos 44 minutos, Muriqi rematou à queima-roupa na sequência de um livre cobrado por Rodríguez, que foi ampliado por Abdón. O golo mudou, sem dúvida, o estado de espírito dos visitantes, que entraram com uma atitude diferente na segunda parte.

O Maiorca, que parecia perdido na primeira parte, começou a incomodar o Rayo. Aos 58 minutos, Antonio Sánchez, que já se tinha destacado contra o Barça, marcou o segundo golo. O médio marcou após um grande passe de Sergi Darder e fez a alegria dos adeptos dos Bermellones.

O Rayo, com o golo, não se deu por vencido: continuou a insistir e a resistir num final de jogo que teve de tudo. Primeiro, Raúl De Tomás foi expulso aos 88 minutos, e depois Rajkovic defendeu uma grande penalidade cobrada por Falcao. O penálti, no entanto, foi repetido: Falcão, no segundo remate, não falhou e deu aos Rayistas um empate 2-2 com um homem a menos.

Estatística final da partida
Opta by Stats Perform

Getafe 0-0 Villarreal

As notas dos jogadores
Flashscore

Nem 10 jogadores. Nem 10 minutos de descontos. Nem Greenwood, Borja Mayoral ou Latasa conseguiram derrubar a muralha defendida por um enorme, magnífico e crescido Jorgensen. O guarda-redes evitou uma catástrofe ao Villarreal no El Coliseum e, pelo contrário, foi fundamental para que o "submarino amarelo" conseguisse um empate dourado fora de casa.

O Getafe foi vítima da sua própria invenção: uma equipa habituada a defender deparou-se com um sistema defensivo; uma equipa criticada por perder tempo foi afastada pelos jogadores perdulários do Villarreal. Uma equipa "militar" que gere o desespero na perfeição tornou-se desesperada e não definiu as acções de golo criadas num Coliseu que estava a rebentar pelas costuras.

A "tática Bordalás", questionada por uns, elogiada por outros, não deixou pontos positivos para falar este sábado, após o empate 0-0 entre o Getafe e o Villarreal. Desde o início, os azuis e brancos deram o mote: um remate de Borja Mayoral foi travado por Jorgensen nos primeiros minutos.

O jogo já estava complicado para o Villarreal quando, aos 23 minutos, Baena agrediu Mitrovic e foi expulso . Apesar das oportunidades, o Getafe não conseguiu marcar um golo e foi para o intervalo com um amargo empate a 0-0.

A segunda parte foi uma repetição da primeira: Jorgenson salvou a sua equipa após ataques de Mayoral, Arambarri ou Latasa. Bordalás, que assistia ao jogo da bancada devido à suspensão que recebeu em Bilbau, ouvia os adeptos azuis e brancos gritarem "isto é futebol, pai". Pacheta aplaudia e o Villarreal, reduzido a um homem, protegia-se pacientemente na sua área, à espera de espaço para tentar o contra-ataque.

No final, não houve contra-ataques, acções ou golos. O Villarreal saiu do Coliseu com um importante empate. O empate dá à equipa de Castellón um ar de entusiasmo: os dias anteriores tinham sido duros, as críticas mortais e o estado de espírito do plantel baixo. Com o empate, a equipa recuperou um espírito de luta que tinha sido escondido no início da LaLiga.

Os números da partida
Flashscore