Funcionário diz que UEFA não seguirá as regras "absurdas" do tempo de compensação

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Funcionário diz que UEFA não seguirá as regras "absurdas" do tempo de compensação
O objetivo é aumentar o tempo de jogo, uma vez que os jogos ultrapassam habitualmente os 100 minutos no total
O objetivo é aumentar o tempo de jogo, uma vez que os jogos ultrapassam habitualmente os 100 minutos no total
Profimedia
As novas regras de paragem de jogo que o futebol inglês adotou esta época para evitar o desperdício de tempo são "absurdas" e não serão utilizadas nas competições da UEFA, disse esta quarta-feira Zvonimir Boban, chefe do departamento de futebol do organismo que rege o futebol europeu.

Seguindo a abordagem da FIFA nos Campeonatos do Mundo de futebol masculino e feminino, o organismo de arbitragem inglês disse, em julho, que os árbitros iriam acrescentar o tempo exato perdido com celebrações de golos, substituições e lesões.

O objetivo é aumentar o tempo em que a bola está em jogo, com os jogos a ultrapassarem habitualmente os 100 minutos no total.

O médio do Manchester City, Kevin De Bruyne, o defesa do Manchester United, Raphael Varane, e o sindicato mundial de jogadores, FIFPRO, criticaram a nova abordagem, afirmando que aumentará a carga de trabalho dos jogadores num calendário já muito preenchido.

"É absolutamente absurdo", disse Boban, antigo médio do AC Milan e da Croácia, aos jornalistas no Mónaco. "No que diz respeito ao bem-estar dos jogadores, é uma espécie de pequena tragédia ou grande tragédia, porque estamos a acrescentar quase 12, 13, 14 minutos. Quando se joga 60, 65 minutos - posso falar por experiência própria, especialmente como médio - quando se fica cansado, é nos últimos 30 minutos do jogo. E depois vem alguém e acrescenta mais 15 minutos. Quantas vezes falámos de forma crítica sobre o calendário e o excesso de jogos. Não estamos a ouvir os jogadores e os treinadores... É uma loucura. É demasiado, por isso não vamos fazer isso. As nossas directrizes são diferentes".

Roberto Rosetti, chefe da equipa de arbitragem da UEFA, apoiou Boban e disse que o organismo dirigente estava a trabalhar há cinco anos para aumentar o tempo de bola em jogo nas suas competições.

"Há algo mais importante do que a precisão do tempo adicional", disse Rosetti. Por que é que as pessoas gostam tanto da Liga dos Campeões? Porque é intensa, é fantástica, os jogadores nunca param. "Dizemos aos nossos árbitros para acelerarem o recomeço do jogo em vez de se concentrarem no tempo de paragem".