Liga Europa: A mão de Vata e o pé direito de Kardec

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Liga Europa: A mão de Vata e o pé direito de Kardec

Fábio Coentrão disputa a posse de bola com Lucho González
Fábio Coentrão disputa a posse de bola com Lucho GonzálezAFP
O Benfica já defrontou por duas vezes os franceses do Marselha nas taças europeias e logrou o apuramento em ambas, sempre com golos tardios, através da inesquecível mão de Vata e do pé direito de Kardec.

Acompanhe as incidências da partida

Em 1989/90, nas meias-finais da Taça dos Campeões Europeus, quando só campeões disputavam a prova, o Benfica perdeu por 2-1 em França e deu a volta à eliminatória na Luz, ao vencer por 1-0, graças a polémico golo do angolano Vata, aos 83 minutos.

Os gauleses nunca esqueceram esse tento e tentaram a vingança uma década depois, nos oitavos da Liga Europa de 2009/10, mas, após empatarem 1-1 na Luz e liderarem por 1-0 a segunda mão, acabaram derrotados por 2-1 no Vélodrome, culpa de um golo apontado aos 90 minutos, pelo brasileiro Alan Kardec.

Vata Matanu Garcia, em 1990 um experiente jogador de 29 anos, e agora já com 63, e Alan Kardec, na altura um miúdo de 21 anos e neste momento um veterano de 35, ainda em atividade, no Atlético Mineiro, são, assim, os heróis dos confrontos com o Marselha.

Acompanhe o relato no site ou na app
Acompanhe o relato no site ou na appFlashscore

Em 1989/90, o Marselha, presidido por Bernard Tapie - entretanto falecido em 2021, com 78 anos -, era um clube em ascensão, no futebol francês e europeu, e apresentou-se como favorito na eliminatória com o Benfica.

Jean-Pierre Papin, Enzo Francescoli, Chris Waddle, Tigana, Deschamps, Sauzée, Amoros, Di Meco e Mozer, central brasileiro que havia roubado ao Benfica, pontificavam no conjunto comandado por Gérard Gili.

Na primeira mão, no Vélodrome, em 04 de abril de 1990, o Benfica marcou primeiro, logo aos 10 minutos, pelo brasileiro Lima, de cabeça, após um canto na direita de Valdo, mas o Marselha reagiu e virou para 2-1 ainda antes do intervalo, com tentos de Sauzée, aos 13, e Papin, aos 44.

Até final, os comandados do sueco Sven-Goran Eriksson foram massacrados, mas o Benfica conseguiu, milagrosamente, sair de França com uma derrota pela diferença mínima.

Como os golos fora ainda valiam em caso de empate, os encarnados só precisavam de vencer em casa por 1-0 e foi isso que conseguiram, na noite de 18 de abril de 1990, rumo à sétima, e ainda última, presença na final da principal prova de clubes.

O nulo arrastou-se quase até final, num jogo com escassas oportunidades, mas, aos 83 minutos, após um canto de Valdo, na esquerda, Magnusson desviou e Vata, com o ombro, o braço ou a mão, conforme a versão, bateu o guarda-redes Castaneda.

Os jogadores do Marselha bem protestaram - como os ingleses quando foram enganados em 1986 pela mão de Deus de Maradona ou Espanyol pela de Messi em 2007 -, mas o VAR estava longe de existir e o golo contou mesmo e eliminou os gauleses.

Tapie não descansou, porém, até fazer do Marselha campeão da Europa, o que aconteceu em 1992/93, com um 1-0 ao Milan na final, graças a um tento de Boli, depois de uma primeira final perdida em 1990/91, nos penáltis, com os jugoslavos do Estrela Vermelha.

O OM nunca esqueceu, porém, a final que Vata lhes roubou e, em 2009/10, no reencontro com o Benfica, nos ‘oitavos’ da Liga Europa, tentaram a vingança.

A formação gaulesa, que nessa época venceria pela primeira vez o campeonato interno desde o tetra de 1988/1992 – ainda ganhou em 1992/93, mas o cetro foi-lhe retirado por corrupção, na sequência do caso Valenciennes -, esteve perto de o conseguir.

Os últimos duelos entre Marselha e Benfica
Os últimos duelos entre Marselha e BenficaFlashscore

Na Luz, em 11 de março de 2010, o Benfica adiantou-se aos 66 minutos, pelo uruguaio Maxi Pereira, mas, aos 90, Ben Arfa restabeleceu a igualdade e, em França, o Marselha reforçou o comando da eliminatória com um tento de Mamadou Niang, já aos 69.

A equipa da casa parecia lançado para os quartos, mas Maxi, uma vez mais, aos 75 minutos, empatou o jogo e a eliminatória e, em ‘cima’ dos 90, o improvável Kardec, entrado aos 86, apurou o Benfica, com um tiro de pé direito, após livre de Aimar.

Feitas as contas, o Benfica soma dois apuramentos em duas eliminatórias com o Marselha, face ao qual contabiliza duas vitórias, um empate e uma derrota, com cinco golos marcados e quatro sofridos.

O quinto encontro entre o Benfica e o Marselha, para a primeira mão dos quartos de final da edição 2023/24 da Liga Europa, disputa-se na quinta-feira, a partir das 20:00, no Estádio da Luz, em Lisboa.

Balanço:

Eliminatórias: 2.

Apurado: 2.

Eliminado: zero.

Jogos: 4.

Vitórias: 2.

Empates: 1.

Derrotas: 1.

Golos marcados: 5.

Golos sofridos: 4.