Após estágio caótico, Messi volta a Miami para amigável emotivo contra o Newell's

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Após estágio caótico, Messi volta a Miami para amigável emotivo contra o Newell's
Leo Messi prepara reencontro contra a antiga equipa
Leo Messi prepara reencontro contra a antiga equipa
AFP
De volta ao seu país após a polémica excursão asiática do Inter Miami, Lionel Messi vai fechar o ciclo da sua lendária carreira na quinta-feira, quando disputar o amigável contra o Newell's Old Boys, a equipa do coração na Argentina.

O encontro de Messi com o clube que defendeu na infância na sua cidade natal, Rosário, encerrará a preparação do  Inter Miami para a próxima temporada da MLS, que começa em Miami, no dia 21 de fevereiro.

O clube americano espera que a homenagem deixe para trás as deceções de uma pré-temporada marcada por uma série de derrotas, problemas físicos para Messi e o seu novo parceiro Luis Suárez e até conflitos com adeptos e autoridades no exterior.

Aos 36 anos, Messi encara a sua primeira temporada completa na MLS com o desafio de se manter saudável durante um calendário muito movimentado.

Com o Inter, o ex-jogador do Barcelona tentará conquistar o seu primeiro troféu da MLS, a Liga dos Campeões da CONCACAF e a Taça da Liga, enquanto com a Argentina, a Copa América e, talvez, a cereja do bolo, os Jogos Olímpicos de Paris, o aguardam.

Antes de iniciar esta maratona, Messi vai viver um dos duelos mais especiais da sua carreira contra o Newell's, a equipa que apoia desde criança.

O campeão do mundo começou a jogar futebol no clube Abanderado Grandoli, a poucos quarteirões da sua casa, e aos seis anos entrou para o Newell's, uma das duas equipas emblemáticas da cidade, juntamente com o rival Rosario Central.

Apesar da sua pequena estatura, as notícias sobre o talento inato de La Pulga percorreram os escritórios do River Plate em Buenos Aires e até atravessaram o oceano para a Europa. No final dos anos 2000, o Barcelona conseguiu colocar Messi na sua famosa academia, La Masia, cobrindo o tratamento hormonal para o crescimento que não era garantido pelas equipas argentinas.

Última dança em Rosário?

Apesar da traumática saída de Rosário (300 km a noroeste de Buenos Aires), aos 13 anos, Messi mantém uma ligação sentimental ao Newell's e ao futebol argentino, reforçada após a conquista do Mundial.

O avançado, que termina o seu contrato com o Inter Miami em 2025, não descartou a possibilidade de jogar no campeonato argentino com o Newell's antes de se retirar.

"Pessoalmente, sempre tive a ideia, especialmente depois de ganhar o Mundial, de poder desfrutar do futebol argentino e jogar no Newell's. Quando era miúdo, costumava ir ao estádio, era o meu sonho jogar lá", disse Messi numa entrevista em setembro passado com o comediante Miguel Granados.

O amigável de quinta-feira também será um ponto alto para o técnico do Inter Miami, Gerardo Martino. Como jogador, Tata Martino detém o recorde de jogos disputados com a camisola do Newell's e também teve uma passagem bem-sucedida pelo clube como treinador, levando o clube ao título do Torneio Clausura em 2013.

Derrotas, lesões e conflitos

No plano desportivo, o Newell's está muito mais tranquilo para o amigável, pois está no meio do Campeonato Argentino, no qual a equipa do técnico uruguaio Mauricio Larriera teve um início perfeito até ser goleada pelo Racing por 4-0 no domingo.

O Inter Miami, por sua vez, teve uma boa dose de problemas nesta pré-temporada, começando com um empate sem golos contra El Salvador e uma derrota por 1-0 frente ao FC Dallas.

Os problemas multiplicaram-se na primeira e ambiciosa digressão asiática, concebida para maximizar financeiramente a presença de Messi e para divulgar a sua marca a nível internacional.

A primeira paragem na Arábia Saudita resultou numa derrota por 4-3 com o Al-Hilal e uma goleada por 6-0 frente ao Al-Nassr de Cristiano Ronaldo, lesionado, num jogo em que Messi só jogou os minutos finais devido a problemas físicos.

O astro da Albiceleste não participou no teste seguinte contra a seleção de Hong Kong (vitória por 4-1), provocando a fúria dos adeptos da casa, que assobiaram Messi e Beckham e exigiram explicações das autoridades locais aos organizadores do jogo.

Messi voltou aos relvados para o encerramento do estágio em Tóquio, onde o Inter Miami empatou sem golos com o Vissel Kobe, deixando um péssimo registo de apenas uma vitória em seis jogos.