Opinião: Ten Hag mostrou porque é que merece continuar em Manchester

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Opinião: Ten Hag mostrou porque é que merece continuar em Manchester

Erik ten Hag ergue a Taça de Inglaterra ao lado dos seus jogadores
Erik ten Hag ergue a Taça de Inglaterra ao lado dos seus jogadoresAFP
Quando os lobos estão a rondar e não mostram sinais de misericórdia, há duas opções: lutar ou fugir. No sábado, Erik ten Hag escolheu lutar e, ao fazê-lo, provou à INEOS (empresa que adquiriu a maioria do capital do Manchester United) por que razão merece mais tempo no clube.

É certo que o Manchester United tem estado desinspirado e tem sido uma equipa sem grande capacidade de recuperação esta época. A segunda época de Ten Hag em Old Trafford esteve a uma derrota de se tornar num desastre.

Mas depois de 48 horas de especulação implacável nos media sobre o seu futuro (em que foi noticiado que o clube iria despedir o neerlandês independentemente do que acontecesse em Wembley), os jogadores do Manchester United responderam com uma mensagem forte - estamos a jogar pelo nosso treinador e vamos ganhar a Taça de Inglaterra. E conseguiram.

Foram a Wembley com a humilhação do ano passado às mãos dos seus rivais da cidade bem presente nas suas memórias e venceram o Manchester City. Ten Hag conduziu a sua equipa a um desempenho inspirado e, tendo em conta as circunstâncias, a uma das maiores vitórias da prestigiada história do United.

Apesar de todas as derrotas, todas as lesões e todas as críticas, Ten Hag deu a volta ao guião na hora em que mais precisava, superando o grande Pep Guardiola.

Ten Hag dominou o dérbi de Manchester

O ex-treinador do Ajax preparou a sua equipa para ser defensivamente compacta e, ao optar por um homem a mais no meio-campo em vez de um avançado centro, o United conseguiu frustrar o City e impedir que este criasse a sua magia habitual.

Fundamental para esse sucesso tático foi Sofyan Amrabt, um homem que há poucas semanas estava apenas a fazer número no plantel do United. O marroquino (que se destacou no Campeonato do Mundo de 2022) foi brilhante em Wembley. Esteve sempre no sítio certo à hora certa, antecipando-se aos avançados e fazendo desarmes importantes.

A outra estrela do meio-campo foi o adolescente Kobbie Mainoo, que (para além de ter marcado o golo da vitória com uma calma quase inacreditável) mostrou uma maturidade muito superior à sua idade, tanto nas transições defensivas como com a bola nos pés.

Todos os jogadores fizeram o seu trabalho com a bola e o United pareceu, de longe, o mais organizado e disciplinado de toda a época.

Por onde andou o United de Wembley?

O que nos leva a perguntar: onde é que andou este United? E é uma pergunta justa porque, por muito que Ten Hag aponte para a crise de lesões sem precedentes do clube, também cometeu erros.

Por exemplo, porque é que foi preciso esperar até às duas últimas semanas da época para aumentar o tempo de jogo de Amrabat e acrescentar um elemento a um meio-campo que estava a ser invadido semana após semana? Por que razão foi tão persistente em colocar Marcus Rahsford e Antony a jogar, quando era evidente que estavam a fazer épocas abaixo da média? E por que razão não organizou a sua equipa de forma a ser mais compacta se, como ele disse, não tinha os jogadores disponíveis para jogar à sua maneira?

Ser treinador da Premier League é uma curva de aprendizagem

O técnico neerlandês foi excecional na sua primeira temporada, mas a segunda foi uma curva de aprendizagem na natureza implacável da Premier League. Se não se tem os jogadores para jogar no sistema que se quer na primeira divisão inglesa, então é preciso ser adaptável ou é preciso pagar o preço. E Ten Hag ainda pode pagar o preço mais alto - o seu emprego.

No entanto, todos os treinadores recém-chegados à Premier League cometem erros e têm de passar por um processo semelhante ao de Ten Hag. As duas primeiras épocas de Mikel Arteta no Arsenal foram menos bem sucedidas do que as do neerlandês e Pep Guardiola não teve tudo à sua maneira no início da sua aventura no Manchester City. A questão é que aprender com os erros é um processo fundamental na gestão de elite.

Registo de troféus de Ten Hag fala por si

Se a INEOS afastar Ten Hag agora, não só estará a ir contra a vontade da maioria dos adeptos, como também estará a negar a um homem que ganhou dois troféus em duas épocas de trabalho a possibilidade de continuar a construir algo e a crescer como treinador da Premier League.

O extraordinário triunfo do United em Wembley foi um momento decisivo para um treinador que conquistou tantos troféus como José Mourinho em Old Trafford. Na verdade, Mourinho e Ten Hag são os treinadores mais bem-sucedidos depois de Ferguson em termos de títulos.

Na conferência de imprensa pós-jogo da final da Taça de Inglaterra, Ten Hag mostrou-se muito desafiante em relação ao seu currículo de treinador.

"Se já não me querem, vou para outro sítio qualquer e continuo a fazer o que fiz durante toda a minha carreira de treinador: ganhar jogos e ganhar troféus", atirou.

Os admiradores de Ten Hag não ficariam surpreendidos se a INEOS o despedisse e ele fosse para um clube muito mais estável e conseguisse grandes feitos - deixando os seus maiores críticos nos meios de comunicação social de rastos.

Jogadores para construir o futuro

Ten Hag não é perfeito e alguns dos seus jogadores, que já sobreviveram a dois treinadores, estão longe de ser perfeitos. Mas há um núcleo de jogadores, alguns líderes experientes e outros que são talentos interessantes, que têm um grande futuro no clube e apoiam a 100% o seu treinador.

Basta ver a forma como Lisandro Martinez ergueu Ten Hag no ar após o apito final em Wembley.

Jogadores como Martinez, Mainoo e Alejandro Garnacho adoram e acreditam em Ten Hag. Será que a INEOS quer mesmo correr o risco de criar um clima de desordem no balneário, o que poderia trazer de volta a toxicidade e as brigas internas que reinaram nos últimos anos?

INEOS tem uma grande decisão a tomar - manter ou mudar? 

Consigo ver um futuro sob o comando de Ten Hag que não termina em desastre, mas que, em vez disso, se encaminha para a grandeza. Com uma estrutura de futebol adequada, Ten Hag pode concentrar-se no campo de treinos enquanto Dan Ashworth e companhia constroem um plantel mais adequado aos seus ideais.

Se, por volta de outubro, não houver qualquer sinal de melhoria, então é melhor desistir dele. Nessa altura, poderá haver mais no mercado do que o que está atualmente disponível. Mauricio Pochettino é o melhor de uma lista pouco animadora de possíveis substitutos e a palavra nos media é que Thomas Tuchel é o favorito para substituir Ten Hag. Isso está longe de ser inspirador.

De acordo com o The Athletic, a análise de fim de época da INEOS terá em conta as duas primeiras épocas de Ten Hag no clube antes de se pronunciar sobre o seu futuro. Se tudo for ponderado, penso que há um caminho óbvio e correto a seguir.

Os adeptos do United já estão a sofrer com os anos de más decisões tomadas pelos Glazers, pelo que a INEOS poderá ter de percorrer um longo caminho até à redenção, se se separar de um treinador popular. No entanto, se mostrarem paciência com Ten Hag, haverá um clima positivo em Old Trafford, que poderá ajudar a criar uma dinâmica antes de uma época crítica que se aproxima.

Num jogo de blackjack da vida real, a INEOS terá todas as cartas na mão se optar por manter a sua posição.