Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Uma série de concorrentes tem como objetivo destronar a Ferrari nas 24 Horas de Le Mans

O troféu da edição de 2024.
O troféu da edição de 2024.AFP
A Ferrari tem como objetivo a dobradinha, mas atenção à Porsche e à Toyota: a 92.ª edição das 24 Horas de Le Mans, que decorre de quarta-feira a domingo, promete ser tão aberta quanto dura, com nove construtores a participarem na categoria rainha pela primeira vez em quase 30 anos.

A Scuderia , que venceu a edição centenária em 2023, enfrenta um "desafio ainda mais difícil este ano, com mais carros na partida", admitiu o britânico James Calado, vencedor do ano passado com o Ferrari n.º 51.

BMW, Lamborghini, Alpine e Isotta Fraschini juntaram-se à Ferrari, Porsche, Toyota, Peugeot e Cadillac em 2024 para formar um alinhamento de sonho na categoria rainha dos hipercarros.

"Hoje temos ainda menos margem para erros", disse à AFP o piloto da Porsche, Kévin Estre: "Esta corrida sempre foi difícil, mas alguns anos foram um pouco mais fáceis do que outros" - por exemplo, quando apenas três fabricantes participaram na categoria de elite em 2022 (Toyota, Alpine e Glickenhaus, que entretanto se retirou).

Com a competição de volta graças a uma mudança nos regulamentos - que, entre outras coisas, dá às equipas um maior controlo sobre os custos - um recorde de 23 Hypercars na categoria rainha das corridas de resistência irá competir durante 24 horas no famoso circuito de 13,629 km.

A emoção estender-se-á para além da pista este fim de semana, com o Automobile Club de l'Ouest (ACO), organizador das 24 Horas de Le Mans, a esperar um recorde de 325.000 espectadores.

Porsche em busca de uma vitória recorde

Depois de vencer duas das três primeiras rondas do WEC, o Campeonato do Mundo de Resistência Automóvel, a Porsche chega a Le Mans como favorita para a quarta jornada da temporada, a mais prestigiada do calendário.

No entanto, o construtor recusa-se a ser rotulado como tal: "Vamos fazer a primeira hora de corrida, e depois veremos em que posição estamos", descartou outro dos seus pilotos franceses, Frédéric Makowiecki.

"Como é que eles não são favoritos, quando fizeram um hat-trick no Catar, um one-two em Spa (Bélgica) e 2.º e 3.º em Imola (Itália)?", gracejou o suíço Sébastien Buemi, cujo Toyota N.8 ficou em 3.º lugar na tabela de tempos no final dos primeiros testes de domingo, atrás de dois Porsches.

Em Le Mans, a marca alemã vai utilizar um dos seus seis carros para tentar vencer pela 20.ª vez, um recorde de todos os tempos. A Porsche, que não vence desde 2017, lidera a Audi no número de vitórias em Le Mans, 19 contra 13.

No clã Ferrari, terceiro no campeonato, é da Toyota que as pessoas estão mais cautelosas: a marca japonesa, vencedora cinco vezes entre 2018 e 2022,"continua a ser o principal rival", de acordo com o chefe de equipa Battistino Pregliasco.

A Alpine e a BMW - que está de volta após 25 anos de ausência -"também são muito rápidas, como vimos em Spa", durante a última ronda no início de maio, retorquiu Buemi.

Os dois construtores, que vão inscrever dois carros cada um, têm uma desvantagem no papel: nunca antes competiram nas 24 Horas de Le Mans com o seu protótipo atual... tal como a Ferrari no ano passado, que regressou vitoriosa a Sarthe após 50 anos de ausência.

Antigos campeões

No total, 62 carros estarão inscritos neste fim de semana: além dos 23 Hypercars, 16 protótipos da categoria inferior LMP2 e 23 da nova categoria LMGT3 participarão nesta 92ª edição, que será iniciada por Zinédine Zidane no sábado às 14:00, após três dias dedicados aos testes, à qualificação e à hiperpole.

Entre os pilotos esperados, o Campeão do Mundo de Fórmula 1 de 2009, Jenson Button, disputará as 24 Horas de Le Mans num Porsche 963 da equipa privada Hertz Team Jota Hypercar. O alemão Mick Schumacher também estará presente pela primeira vez, com a Alpine na classe rainha.

Valentino Rossi, o campeão italiano de MotoGP que se tornou piloto de corridas, vai disputar as 24 Horas na categoria LMGT3, na esperança de chegar ao topo. Mesmo se, de acordo com a famosa máxima repetida vezes sem conta pelos pilotos, em Le Mans é sempre a corrida que escolhe o vencedor.