Caso Horner esclarecido, a Fórmula 1 lança a sua maratona de 2024

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Caso Horner esclarecido, a Fórmula 1 lança a sua maratona de 2024
Adrian Newey e Christian Horner na quarta-feira no Bahrain.
Adrian Newey e Christian Horner na quarta-feira no Bahrain.
Profimedia
A Fórmula 1 começa a sua maratona de temporada no Bahrain, na quinta-feira, livre do escândalo que a atormentou durante o último mês: Christian Horner, chefe da toda-poderosa equipa Red Bull, foi ilibado das acusações de "comportamento inapropriado" que lhe foram feitas.

O resultado da investigação interna foi anunciado na quarta-feira pela empresa-mãe da equipa que conquistou os últimos três títulos de campeão do mundo com Max Verstappen, que é novamente o favorito. "A queixa foi rejeitada", anunciou a empresa austríaca na sequência de um inquérito interno.

Christian Horner, de 50 anos, foi suspeito de "comportamento inapropriado" - em relação a uma funcionária, segundo a imprensa - "alegações" que ele rejeitou "totalmente". Mais tarde, a equipa comunicou à AFP que ele tinha sido mantido no seu cargo. O marido de 50 anos da antiga Spice Girl Geri Halliwell está à frente da equipa Red Bull desde a sua estreia na F1 em 2005.

Muito poucos pormenores das acusações foram tornados públicos, mas o caso, que veio a público no início do mês, causou agitação no mundo da F1.

A Fórmula 1, promotora do campeonato, esperava que o caso fosse "esclarecido o mais rapidamente possível" para lançar a época numa base sólida.

"Este é um momento muito importante para o desporto, para garantir que nos mantemos fiéis aos nossos valores. Não sabemos tudo o que aconteceu, mas temos de resolver este problema, porque está a pesar no desporto", disse Lewis Hamilton (Mercedes), entrevistado pela imprensa algumas horas antes do comunicado da Red Bull.

A Mercedes está metida nisto?

Com o caso Horner fora do caminho, as atenções voltam-se agora para a pista, com uma questão a ser colocada de imediato: se não há dúvida de que a dupla Verstappen-Red Bull será a referência do campo no Bahrain, haverá, no entanto, sinais de um campeonato "mais apertado" no topo da hierarquia na ilha do Golfo?

Na pista de Sakhir, palco da ronda inaugural, a Ferrari mostrou-se particularmente rápida durante os testes da semana passada. Será suficiente para acompanhar o foguetão RB20 desenvolvido pela equipa de Milton Keynes?

"Pelas minhas primeiras impressões, a Red Bull ainda tem um bom avanço", respondeu o monegasco Charles Leclerc (Ferrari), na véspera de uma temporada recorde de 24 Grandes Prémios. No ano passado, a equipa da Red Bull venceu 21 dos 22 GPs (incluindo 19 para Verstappen e dois para o seu companheiro de equipa Sergio Pérez), com apenas a Scuderia Ferrari a perturbar brevemente a sua hegemonia, com uma vitória de Carlos Sainz em Singapura.

De acordo com alguns especialistas e comentadores, o W15 da Mercedes pode também ter potencial para rivalizar com a Ferrari no pelotão da frente, atrás da Red Bull... Já este fim de semana?

Os GPs do Bahrain e da Arábia Saudita, no fim de semana seguinte, "vão dar-nos uma melhor compreensão do trabalho que fizemos até agora", segundo Toto Wolff, o chefe da equipa alemã, que optou por um monolugar "muito diferente" do seu antecessor.

"Mas temos uma excelente base para trabalhar", garante o seu sete vezes campeão do mundo Hamilton, que está a entrar na sua 12.ª e última temporada com a Mercedes antes de se juntar à Ferrari em 2025.

Grande Prémio no sábado

Na monomarca do Golfo, no ano passado, no alvorecer de uma temporada que bateu recordes, Max Verstappen levou quase tudo o que havia para levar, com apenas o ponto da volta mais rápida da corrida a escapar-lhe.

Atrás do neerlandês, o veterano Fernando Alonso abriu a sua melhor temporada em mais de dez anos ao volante do seu Aston Martin. Será o mesmo este ano?

"Vamos esperar por algumas corridas (...) para termos uma ideia real da ordem de grandeza dos desempenhos das equipas", disse o espanhol na quarta-feira. "O Bahrain é um circuito muito específico", acrescentou.

Quanto à McLaren, animada por uma recuperação do desempenho desde o verão de 2023, a equipa britânica espera simplesmente "continuar (a sua) dinâmica" e mostrar toda a potência do seu MCL30 a partir da primeira sessão de treinos livres na quinta-feira - e não na sexta-feira. De facto, para os dois primeiros GP da época, no Bahrain e na Arábia Saudita, a tradicional corrida de domingo foi transferida para sábado, uma medida rara na F1, para se adaptar ao Ramadão, o mês sagrado no mundo muçulmano.