Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Fórmula 1: Flavio Briatore nomeado conselheiro da Alpine

Flavio Briatore antes do Grande Prémio do Bahrain de 2024.
Flavio Briatore antes do Grande Prémio do Bahrain de 2024.Reuters
Flavio Briatore, o antigo patrão da Benetton e da Renault na Fórmula 1, está de regresso ao desporto como conselheiro executivo do chefe executivo da Renault, Luca de Meo, anunciou a equipa francesa Alpine na sexta-feira.

O empresário italiano continua a ser uma figura controversa na Fórmula 1 devido ao seu envolvimento num dos maiores escândalos da história do desporto.

O acidente deliberado do piloto brasileiro Nelson Piquet Junior no Grande Prémio de Singapura de 2008 ficou conhecido como "Crashgate" e levou a que o então chefe da Renault, Briatore, fosse banido para sempre da Fórmula 1 em 2009. A sanção acabou por ser anulada por um tribunal francês em 2010.

Anteriormente, Briatore havia conduzido a Renault à era de maior sucesso na Fórmula 1, com Fernando Alonso campeão mundial em 2005 e 2006. Ele também dirigiu a Benetton quando Michael Schumacher ganhou seus primeiros títulos em 1994 e 1995.

"A BWT Alpine F1 Team pode confirmar que Flavio Briatore foi nomeado pelo CEO do Grupo Renault, Luca de Meo, como seu Conselheiro Executivo para a Divisão de Fórmula Um", disse a Alpine em comunicado no Grande Prémio de Espanha: "Briatore irá concentrar-se predominantemente nas áreas de alto nível da equipa, incluindo: encontrar os melhores talentos e fornecer informações sobre o mercado de pilotos, desafiar o projeto existente, avaliando a estrutura atual e aconselhando sobre algumas questões estratégicas dentro do desporto".

A Alpine está a ter dificuldades esta época e ocupa o oitavo lugar na classificação dos construtores, com apenas cinco pontos em nove corridas. A equipa já anunciou que o piloto francês Esteban Ocon vai deixar a equipa no final do ano.

Tem-se especulado sobre a continuação da Renault no desporto e como fabricante de motores quando começar uma nova era em 2026. O atual motor, utilizado exclusivamente pela Alpine, é conhecido por ser pouco potente em comparação com os seus rivais e será necessário um grande investimento para o novo motor.

A Alpine, a marca de carros desportivos da Renault, poderia competir com uma unidade de potência comprada a um rival como a Mercedes ou a Red Bull.

Briatore tem experiência em motores, tendo dirigido a Supertec, que forneceu motores Renault Mecachrome a várias equipas no final da década de 1990 e início da década de 2000. O italiano tem também uma relação próxima com o antigo patrão da F1, Bernie Ecclestone, atualmente com 93 anos, e tem interesses comerciais em restaurantes, clubes noturnos e moda, bem como na gestão de pilotos.

Foi também fundamental para a inclusão do Grande Prémio do Azerbaijão no calendário.

A Alpine tem sofrido uma mudança considerável nos últimos tempos, com a saída de uma série de gestores seniores da era Briatore. A equipa é agora dirigida por Bruno Famin, que vem da divisão de motores.

Alonso, que foi gerido pelo italiano ao longo da sua carreira, está agora na Aston Martin depois de deixar a Alpine no final de 2022 e em abril assinou um novo contrato aos 42 anos.