Hamilton admite que teve momentos de dúvidas existenciais durante a temporada

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Hamilton admite que teve momentos de dúvidas existenciais durante a temporada
Hamilton terminou sem qualquer vitória em 2023
Hamilton terminou sem qualquer vitória em 2023
Reuters
Lewis Hamilton admitiu ter tido momentos de insegurança, após a segunda época consecutiva sem vitórias do piloto de 38 anos da Mercedes na Fórmula 1.

Em entrevista à BBC e a outros canais, publicada esta quarta-feira, o sete vezes campeão do mundo e o piloto mais bem sucedido da história do desporto, com um recorde de 103 vitórias, disse que era normal colocar essas questões.

"Quando se tem épocas difíceis como esta, há sempre momentos em que se pensa: 'Sou eu, ou é o carro? Ainda o tens? Será que ele se foi?", disse o britânico, que terminou a temporada em terceiro lugar na classificação geral.

"Porque estamos a perder aquilo, sabes... quando a magia acontece, quando tudo se junta, o carro e tu, e aquela faísca, é extraordinário. E é por isso que andamos à procura", acrescentou.

"Sou apenas humano", assumiu. 

"Se alguém no mundo disser que não tem essas coisas, está em negação. Somos todos seres humanos", defendeu Hamilton.

Hamilton venceu uma corrida na Arábia Saudita pela última vez em dezembro de 2021, quando lutava com Max Verstappen, da Red Bull, pelo título, com o piloto neerlandês a acabar por vencer em circunstâncias controversas em Abu Dhabi.

Verstappen e a sua equipa ganharam ambos os títulos no ano passado e têm desfrutado da época mais dominante de sempre nesta temporada, com a Red Bull a vencer 21 das 22 corridas e o agora triplo campeão um recorde de 19 delas.

Hamilton disse que sabia que seria outro ano difícil, antes mesmo de começar, quando testou o carro, e não foi diferente. Já na corrida de abertura, no Bahrain, o britânico queixou-se de que a Mercedes estava no caminho errado e não o tinha ouvido.

A equipa, que ainda assim terminou o ano em segundo lugar na geral, alterou desde então o conceito para 2024, com o chefe de equipa, Toto Wolff, a dizer em Abu Dhabi, no fim de semana passado, que quase todos os componentes estavam a ser alterados.

"Acredito que agora temos uma Estrela do Norte, que acho que não tínhamos há dois anos. Mas ainda assim, chegar lá não é uma linha reta", disse Hamilton.

"Acho que entendemos o carro muito melhor. Eles desenvolveram ferramentas fantásticas. Então, naturalmente, estou esperançoso. Mas não vou prender a respiração", acrescento o piloto britânico.

Hamilton assinou um novo contrato em agosto até ao final de 2025, o que significa que poderá continuar a correr até aos 40 anos, se o conseguir cumprir.