Opinião: As conclusões de 2023 que colocou um novo nome na luta pelo melhor de sempre

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Opinião: As conclusões de 2023 que colocou um novo nome na luta pelo melhor de sempre
Foi o ano de Max Verstappen
Foi o ano de Max Verstappen
Profimedia
Há sempre alguma coisa a acontecer no mundo ininterrupto da Fórmula 1, e Finley Crebolder, do Flashscore, dá a sua opinião sobre algumas das maiores histórias que se passam no paddock nesta coluna regular.

Na coluna desta semana, no rescaldo do final da temporada em Abu Dhabi, são tiradas conclusões de uma campanha de 2023 que a maioria terá prazer em deixar para trás.

Verstappen, o grande

No início da campanha de 2022, havia sussurros de que Max Verstappen poderia vir a ser o maior piloto de Fórmula 1 de todos os tempos; um ano depois, esses sussurros agora são gritos.

Sim, ele tinha um dos carros mais dominantes que o desporto já viu, mas a forma como o conduziu foi nada menos que notável.

Ao longo de 23 fins-de-semana de corrida, quase não deu um passo em falso, dominando o resto do pelotão como nunca visto. Especificamente, conquistou um recorde de vitórias, pódios e pontos a caminho do seu terceiro título, e tornou-se o primeiro piloto de sempre a marcar mais do dobro dos pontos de qualquer um dos seus concorrentes.

Foi simplesmente implacável, possuindo um ritmo alucinante em todos os circuitos e não cometendo erros graves em nenhum deles, demonstrando um nível de consistência assustador que, pessoalmente, nunca tinha visto antes.

Só em termos de condução, esteve a um nível que, na minha opinião, só foi igualado na era moderna pelas melhores épocas de Fernando Alonso e Lewis Hamilton. Não me estou a esquecer de Sebastian Vettel - penso que o neerlandês é melhor do que o alemão alguma vez foi.

Parece quase certo que vai igualar os quatro títulos de Vettel na próxima temporada e, com apenas 26 anos de idade, terá muito em vista o recorde de sete títulos de Hamilton e Schumacher. Seria preciso ser um homem corajoso para apostar contra ele, no mínimo.

Os veteranos

Hamilton e Alonso estão a envelhecer como um bom vinho
Profimedia

Há alguns anos, pensar-se-ia que Charles Leclerc, George Russell e Lando Norris seriam as maiores ameaças de Verstappen até 2024, mas esta época mostrou que, se alguém vai pôr fim ao seu reinado de terror, será um dos mais velhos.

Depois de ser ultrapassado por Russell na primeira temporada como companheiros de equipa, Hamilton deixou bem claro que continua a ser quem manda na Mercedes este ano, levando a melhor sobre o compatriota na grande maioria das corridas. Enquanto isso, Alonso limpou o chão com Lance Stroll na Aston Martin, dominando a sua batalha intra-equipa mais do que qualquer outra pessoa.

Os dois veteranos foram os dois pilotos não-Red Bull mais pontuados, terminando à frente de Russell, Leclerc, Carlos Sainz e Norris para provar que a idade é apenas um número.

Hamilton pode ter 38 anos e Alonso 42, mas ambos dizem que estão a conduzir tão bem como sempre e têm confirmado constantemente essas afirmações com as suas prestações. Em termos de ritmo de corrida e de arte de corrida, eles parecem tão bons quanto qualquer outro, exceto talvez Verstappen.

Se qualquer um deles poderia levar a melhor sobre o neerlandês se lhe fosse dado um carro suficientemente bom é incerto, mas com a forma como estão a conduzir e a experiência de lutas pelo título que possuem, são os dois homens na grelha que o homem da Red Bull mais deve temer.

Os rivais da Red Bull precisam de reflectir

Wolff e Vasseur precisam de acelerar as coisas
Profimedia

A Mercedes e a Ferrari são as duas equipas da grelha com recursos mais do que suficientes para levar a luta até à Red Bull, mas nenhuma delas esteve remotamente perto de o fazer esta época, permitindo que os seus rivais dominassem por completo.

Mais uma vez, a Ferrari construiu um carro que foi, em média, o segundo mais rápido da grelha, mas, como tem sido o caso há muito tempo, não conseguiu extrair todo o seu potencial devido a erros estratégicos que lhes custaram inúmeros pontos e garantiram que passassem mais tempo a lutar com a Mercedes, McLaren e Aston Martin do que a desafiar a Red Bull.

Quanto à construtora alemã, funcionou bem como equipa, fazendo o melhor que podiam com o carro que tinham, mas infelizmente para eles, simplesmente não era um bom carro, com Toto Wolff e companhia a não conseguirem dar a Hamilton e Russell a maquinaria que os seus talentos merecem pelo segundo ano consecutivo.

Não só a Ferrari e a Mercedes ficaram ainda mais atrás da Red Bull, como também permitiram que a Aston Martin e a McLaren diminuíssem a diferença para elas numa quantidade considerável, com a luta pelo segundo lugar no Campeonato de Construtores a tornar-se uma corrida de quatro cavalos.

Se os dois pesos-pesados não se empenharem neste inverno, resolvendo os problemas operacionais, no caso da Ferrari, e construindo um carro melhor, no caso da Mercedes, ambos poderão acabar por ficar abaixo de mais equipas do que apenas os campeões no próximo ano.

Isso seria desastroso não só para elas, mas também para o desporto como um todo. O interesse só vai diminuir enquanto Verstappen e a Red Bull estiverem a dominar, e é difícil ver alguém a pará-los se a Mercedes e a Ferrari não conseguirem.

Flashscore
News Editor